‘Alice no País das Maravilhas’, de Lewis Carroll, é tema de estreia de série inédita sobre manuscritos

(Foto: divulgação)

A série “Os Manuscritos Secretos da História”, inédita no Brasil, resgata os originais de grandes obras da literatura, guardados a sete chaves em algumas das principais bibliotecas do mundo. A produção, realizada pela Arte France e pela Little Big Story, chega ao Curta! com exclusividade e em seu episódio de estreia apresenta o manuscrito original de “Alice no País das Maravilhas”.

Para contar a história desse manuscrito e do surgimento da personagem, a série traz especialistas. Entre eles, a professora Franciska Kohlt, que passeia por Oxford, mostrando cantos da cidade que inspiraram o escritor inglês Lewis Carroll, como as gárgulas espalhadas pelos prédios antigos e os animais empalhados do Museu de História Natural.

O escritor, na verdade, se chamava Charles Lutwidge Dodgson e era professor de matemática em Oxford. Em uma tarde de sol de 1862, ele passeia de barco sobre o rio Tamisa com as três filhas do reitor da universidade: Edith, Lorine e Alice Liddel. Para distraí-las, inventa uma história sobre um coelho branco que encontra uma garotinha chamada Alice.

Dodgson estava acostumado a escrever textos curtos, poemas e cartas — para as quais costumava também produzir ilustrações. Porém, nunca havia escrito um romance. Até que Alice Liddel lhe fez o pedido de escrever a história que ele contara a ela e às irmãs — o que foi prontamente concedido. Na mesma noite, ele começou a produzir o manuscrito de “Alice no País das Maravilhas” e a desenhar os acontecimentos narrados, como fazia em suas cartas.

O manuscrito, dado de presente a Alice, gerou curiosidade em várias outras crianças. Percebendo o potencial de sua história, Dodgson resolveu publicá-la como um livro, arcando com todos os custos iniciais. Foi um sucesso absoluto na época. Ao se tornar autor, o professor de matemática cria seu pseudônimo, Lewis Carroll.

Alice mantém o manuscrito consigo até sua velhice. Porém, endividada e enlutada após a perda de dois de seus filhos na Primeira Guerra e de seu marido, resolve vendê-lo aos Estados Unidos. Anos mais tarde, como prova de reconhecimento pelos esforços da Inglaterra durante a Segunda Guerra, os norte-americanos devolvem o manuscrito a seu país de origem e, até hoje, ele se encontra no coração da Biblioteca Britânica, em Londres.

Dirigidos por Anne-Sophie Martin, os quatro episódios da série também estão no Curta!On – Clube de Documentários. Os três seguintes falam dos manuscritos de “Os Miseráveis”, de Victor Hugo; “O Processo”, de Franz Kafka, e “Don Giovanni”, ópera de Mozart com libreto de Lorenzo Da Ponte. A exibição é na Quinta do Pensamento, 27 de outubro, às 23h30.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s