Arquivo da tag: Antônio Lemos

‘A Casa Sombria’ – Terror “água com açúcar”

Protagonizado por Rebecca Hall, longa decepciona fãs do gênero

Por Antonio Lemos

(foto: divulgação)

Assistindo ao trailer, dava para imaginar que ‘A Casa Sombria’ iria prender e assustar os fãs do gênero terror. Nada feito. Apesar do nome, o longa não tem nada de assustador, e nem a boa atuação de Rebecca Hall – de ‘Godzilla vs Kong’, ‘Iron Man 3’, entre outros – foi capaz de segurar a produção de David Bruckner durante quase 110 minutos de duração.

Na trama, Beth (Hall) está em processo de luto por conta do suicídio inesperado do marido, Owen (Evan Jonigkeit). Segundo a personagem, eles estavam juntos há 14 anos. Ela tenta o melhor que pode para se manter bem, mas acaba tendo dificuldades por conta de sonhos e visões perturbadoras de uma presença na casa construída pelo casal em frente a um rio e afastado de tudo.

Em determinado momento, a protagonista começa a descobrir que o doce e gentil Owen não tinha nada de bonzinho. Ele esconde segredos obscuros – desde livros, estátuas, que parece àqueles bonecos de vudu e mulheres parecidas com a personagem, dando a crer que havia um relacionamento fora do casamento -, todos pertinentes à aparição de uma sinistra casa invertida do outro lado de um lago, que espelha a própria residência que moram.

Geralmente vimos em filmes de suspense/terror aquele ator/atriz principal fazer de tudo para solucionar o mistério. ‘A Casa Sombria’ é ao contrário. Bruckner consegue deixar o espectador tanto quanto confuso com Hall, que, quando imaginamos que o negócio é real, na verdade, é um dos ‘trocentos’ sonhos durante as noites de sono.

As duas partes usa altas doses de mistério e referências ao obscurantismo e macabro, porém, quando chega a reta final, o filme começa a criar aquele potencial de te enganar quando você acha que tem todas as respostas possíveis e um verdadeiro desfecho. O filme esquece todo o clima de terror psicológico e suspense, abusa dos clichês com o duelo do “ser humano do bem contra o espírito do mal” e dá uma solução bem “água com açúcar” com o desfecho da protagonista.

A conclusão deixa a desejar. Primeiro, deixa em aberto se teria alguma continuação, depois, pelo fato de contradizer com o próprio enredo. Por fim, o luto é romantizado e subjetivizado sobre aceitação da perda, que soa mais engraçada do que profundo. Além disso, o lado obscuro de Owen deixa um verdadeiro buraco. Afinal de contas: o que motivaria o personagem de Jonigkeit a fazer tudo isso?

‘A Casa Sombria’ não entrega o que vendeu nos trailers, sem uma conclusão digna e nem o ato final que mudou o tom do longa. Bruckner foca mais na atuação de Hall para entregar uma trama focada no luto e na aceitação da perda. Se procura terror, espíritos e suspense, o filme, que estreiou nesta quinta-feira (23), não é indicado.