Arquivo da tag: Ator

Universal TV estreia segunda temporada de Unidade Básica

Série que retrata o cotidiano da saúde pública no país retorna em maio com enredos inéditos e direção do protagonista Caco Ciocler em alguns episódios

Unidade Básica volta ao Universal TV em maio. (Foto: Pedro Saad)

Depois do sucesso da primeira temporada, exibida em 2016, o Universal TV estreia novos episódios de Unidade Básica, no dia 3 de maio, às 23h. A série, produzida pela Gullane e criada por Newton Cannito e as irmãs Helena e Ana Petta, traz como protagonistas, além da própria Ana, o ator Caco Ciocler, que interpreta o Dr. Paulo, um médico de família experiente, completamente envolvido nos casos e histórias de seus pacientes, no cotidiano de uma Unidade Básica de Saúde, porta de entrada do SUS no país.

“Estamos muito felizes, mais uma vez, por essa parceria com o Universal TV. Unidade Básica é uma série brasileira super relevante e extremamente atual, porque mostra nossos grandes profissionais da saúde pública, em meio aos seus desafios, seus dramas, suas conquistas diárias e as relações potentes e profundas que estabelecem com as comunidades nas quais atuam”, afirma o produtor Caio Gullane.

A diretora geral, Caroline Fioratti, adianta que o espectador vai poder identificar os seus dramas pessoais nessa nova temporada, que além de falar de saúde, fala de cura, de laços humanos, de afeto, tudo isso tendo como cenário uma unidade básica de saúde. Para ela, essa é uma ficção que procura não só entreter, mas levar também informação. “Estamos vivendo um momento único e doloroso. A pandemia do covid-19 escancarou os problemas enfrentados pelos profissionais de saúde e a importância do SUS na vida dos brasileiros. Nossa estreia coincide com esses tempos de incertezas, mas de profunda gratidão aos médicos, enfermeiros, agentes comunitários e todos que estão na linha de frente na luta pelas vidas”, afirma.

Diagnósticos imediatistas, corporativismo e feminicídio são alguns dos temas abordados na nova leva de episódios. “A ideia da série é divulgar para o Brasil o que se passa dentro das Unidades Básicas de Saúde e, atualmente, elas viraram o foco de atenção. Eu acho que foi uma feliz coincidência dramatúrgica, embora seja uma infeliz coincidência histórica”, afirma Caco Ciocler a respeito do contexto atual da pandemia do novo Coronavírus.


Em sua segunda temporada, o protagonista assina também a direção de dois episódios. “Para mim é uma super alegria. Eu já havia dirigido dois documentários e estava louco para começar na ficção. Achei que seria no cinema, mas fico feliz que tenha sido numa série que eu já amava as pessoas, os personagens e tinha um entendimento de dentro, como ator. Então, foi muito interessante essa passada para um universo que eu já tinha vivido tão intimamente”, afirma o ator.

Caco fala ainda sobre a rotina corrida de gravação e os bastidores. O ator conta que para se dirigir, muitas vezes, ele precisou de um ator substituto, pois não tinha tempo de se ver. Ele armava a cena com o ator, entendia os outros personagens, a melhor maneira de se encaixar e gravava. “Para mim foi um grande aprendizado, que me fez ter uma compreensão do todo, que eu jamais poderia sonhar em ter quando fiz a primeira temporada”.

Inspirada em fatos reais, a ficção acompanha a rotina de trabalho de profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros e agentes comunitários que atuam em uma Unidade Básica de Saúde, cujo objetivo é oferecer atendimento à população. “As minhas expectativas já eram imensas para essa estreia. Nós tivemos feedbacks muito interessantes na primeira temporada. Fico feliz, por exemplo, de saber que a série está sendo objeto de estudo para profissionais de saúde e universidades. Os temas da segunda temporada são muito complexos, dialogam com a realidade brasileira e levantam questões e problemáticas bem profundas e corajosas”, completa o ator.

O Universal TV irá exibir episódios duplos, todo domingo, às 23h e às 23h30. O elenco conta ainda com Vinícius de Oliveira e a Carlota Joaquina, que também fizeram parte da primeira temporada, e novos nomes como Fabiana Gugli, Lina Mello e Gabriel Calamari.

“Há um grupo de pessoas que busca a medicina com o imaginário das séries médicas clássicas de televisão, com os médicos sempre trabalhando em hospitais de ponta e descobrindo doenças raras e uma adrenalina, como se estivessem em filme de ação. Unidade Básica desconstrói isso, sem desconstruir o heroísmo do médico, que aqui está em outro lugar. Não está na pompa, no glamour da medicina. E a gente está sentindo isso na pele agora, diante do contexto da pandemia. Esses caras são os heróis, estão na linha de frente, contaminados, expondo suas vidas, para salvar a vida de outras pessoas. E a série traz muito esse lado, esse heroísmo real, da pessoa que escolhe essa profissão. Da pessoa que escolhe trabalhar em uma Unidade Básica de Saúde, que é o caso do meu personagem, Dr. Paulo”, conclui Caco.

“Unidade Básica é uma série que investiga casos, através do olhar profundo para o ser humano. O espectador será fisgado nessa investigação e se emocionará com os dilemas dos personagens, pacientes e profissionais da saúde”, completa a diretora.

Moacyr Franco confirma apresentação no Teatro Bradesco SP em abril

O artista interpreta diversos sucessos e relembra histórias dos seus mais de 60 anos de carreira

O cantor, ator, escritor, humorista e diretor Moacyr Franco, dividindo o tempo entre o cinema e os shows, aproveita para comemorar junto a nova fase de sua vida. Atual, clássico, surpreendente, um artista multimídia. Assim é Moacyr Franco.

ViewImage.jpg
Moacyr Franco se apresenta em abril, no Teatro Bradesco SP. (Foto: Divulgação)

Neste show ele leva toda sua versatilidade para os fãs que o acompanham durante seus mais de 60 anos de carreira, com mais de 20 canções que embalaram e emocionam várias gerações. O cantor relembra histórias e lembranças de momentos inesquecíveis dividindo com experiência e sonhos, tornando o público seu principal cúmplice.
O humorista brinca, diverte-se e diverte a todos, com suas piadas e críticas bem-humoradas, em momentos de total descontração. Já o diretor comanda tudo com maestria fazendo com que participem deste grande espetáculo com muita intensidade. O showman deixa todos com um gostinho de quero mais. Afinal, inovar é a marca registrada de Moacyr Franco.
O artista mostra seus grandes, atuais e sempre sucessos, como: “Doce Amargura”, “Coração sem Juízo”, “Querida”, “Milagre da Flecha”, “Balada das Mãos”, “Distante dos Olhos”, “Cartas na Mesa”, “Suave é a Noite”, “Balada nº 7”, “Eu Te Darei Bem Mais”, Ainda Ontem Chorei de Saudade” e “Seu Amor Ainda é Tudo” (gravadas por várias duplas sertanejas entre elas João Mineiro & Marciano e Bruno & Marrone), e o hit que trouxe Moacyr Franco para perto do público Jovem, “Tudo Vira Bosta” (sucesso na voz de Rita Lee).
Classificação: Livre
Duração: 90min.
Realização: OPUS PROMOÇÕES
SÃO PAULO (SP)
Dia 15 de abril
Domingo, às 20h
Teatro Bradesco Teatro Bradesco (Rua Palestra Itália, 500 / 3º piso – Bourbon Shopping São Paulo)
 INGRESSOS
Setor
Valor  
 Meia-Entrada
Frisas
R$ 60,00
 R$ 30,00
Balcão Nobre
R$ 80,00
 R$ 40,00
Plateia (O a W)
R$ 100,00
 R$ 50,00
Plateia (A a N)
R$ 120,00
 R$ 60,00
Camarote
R$ 120,00
 R$ 60,00

The Oscars 2017

Por Renan Villalon

O 89th Academy Awards mal havia encerrado e já pôde ser mencionado como um dos mais inesquecíveis e peculiarmente históricos dos últimos anos. A cerimônia de premiação ocorreu na passagem do dia 26 a 27/02 e teve diversos fatos que a colocaram dentro desse aspecto aqui sugerido, tratando (ironicamente) do contexto político americano e propondo homenagens categóricas durante todo o evento. Também destacaremos aqui as belíssimas apresentações musicais, sempre esperadas com ansiedade, e claro, as grandes premiações da noite, repletas de discursos sociais, frases emotivas e momentos intensos, de acordo com as celebrações da noite.

oscar-8349_6wwk.jpg
Oscar 2017 teve como maior vencedor o “La La Land”. (Foto: Divulgação)

O primeiro destaque parte do apresentador do programa Jimmy Kimmel Live!. O condutor do talk-show de fim de noite americano (pela ABC) trouxe ao Oscar grande parte de seu humor sarcástico já reconhecido através de seu programa de TV, com piadas que, no geral, ironizavam e ridicularizavam o posiocionamento polêmico de Donald Trump – e devo dizer: ele foi peculiarmente pontual e excepcional nesse aspecto. Ocasionalmente, o momento político americano foi a base para as suas piadas durante a maior parte da cerimônia, o que já nos faz lembrar o quanto que diversos artistas da área do cinema se posicionaram contra a candidatura do empresário à Casa Branca. Desde o início, Kimmel já ironiza ao citar que a transmissão ao vivo do Oscar estaria em lares de mais de 240 países que, atualmente, odeiam os americanos devido ao seu líder político.

Além disso, ele também baseou boa parte de suas piadas de acordo com a forma costumeira das opiniões do político no twitter, utilizando de frases como: “Você saberá a opinião dele amanhã, isso é muito ‘importante’.” e, posteriormente no evento: “Duas horas e nenhum tweet de Trump… Estou ‘preocupado’.”, além de relembrar-nos sobre o discurso de Meryl Streep no Golden Globe, através da intenção da #Merylsayhi, em seu tweet: “Hey @realDonaldTrump, u up?”. Aliás, o Twitter foi categoricamente A rede social da premiação, pois além do sarcasmo de Kimmel, outro aspecto que trouxe de seu programa foi o Mean Tweets, agora com uma Oscars Edition, no qual alguns dos atores célebres e/ou convidados da noite brincaram com as menções ditas sobre eles na página.

Outro destaque da apresentação foi através da participação de pessoas não famosas (de um ônibus turístico) na premiação, na qual Kimmel combinou com a produção a entrada “por acaso” dos turistas durante o evento, algo que fez com que os “convidados” conhecessem e interagissem com alguns dos principais atores hollywoodianos na plateia. A desculpa da “invasão”? O tour seria para uma exposição de vestidos, ideia pela qual Kimmel brincou: “Mas haverá pessoas nesses vestidos.”. Os turistas, de diversas etnias (mais uma pontual provocação a Trump? Fica a dúvida), foram ovacionados pela plateia artística.

Mas o humor característico de Kimmel foi pequeno se comparado à emoção das homenagens contínuas realizadas durante a cerimônia no Teatro Dolby. A primeira delas foi não apenas clássica e tradicional, mas também importantíssima, com a atriz Meryl Streep sendo ovacionada, logo no início do evento, por todo o seu trabalho na carreira, com mais de 50 filmes na carreira e com o total de 20 indicações ao Oscar, com três estatuetas recebidas. Outra grande homenagem foi à Katherine Johnson, grande contribuidora à Nasa devido aos seus estudos enquanto física, cientista espacial e matemática. A menção à profissional foi através da lembrança pelo filme Hidden Figures (Estrelas além do Tempo), um dos filmes indicados, no qual Johnson é uma personagem da história, representada pela atriz Taraji Henson, a única das três importantes figuras representadas no filme (juntamente com Dorothy Vaughan e Mary Jackson) ainda viva. Outra homenagem importante foi a menção ao prêmio honorário pela carreira cinematográfica, entregue no Governors Awards (12/11/2016), na qual quatro grandes profissionais foram mencionados honrosamente pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, entre eles: a editora Anne Coates, o documentarista Frederick Wiseman, o ator Jackie Chan e o diretor de elenco Lynn Stalmaster.

Como conclusão sobre esse aspecto da cerimônia, temos o vídeo Cinema ao Redor do Mundo, com opiniões de estrangeiros referente ao cinema norte-americano, que também contou com duas importantes figuras artísticas brasileiras: Lázaro Ramos (falando sobre The Godfather, 1972) e Seu Jorge (mencionando E.T. the Extra-Terrestrial, 1982). E claro, como já é de costume todos os anos pela Academia, In Memorian, homenageando os artistas da área que faleceram desde a última premiação, com figuras históricas também à cultura pop, como: Gene Wilder (Willy Wonka and the Chocolate Factory, 1971), Anton Yelchin (Star Trek Beyond, 2016), Prince (Graffiti Bridge, 1990), Kenny Baker (Star Wars: The Force Awakens, 2015), John Hurt (Harry Potter and the Deathly Hallows – Part. 2, 2011), Hector Babenco (Carandiru, 2003), Carrie Fisher (Star Wars: The Last Jedi, 2017) e Bill Paxton (Aliens, 1986), com a belíssima e emocionante performance de Sara Bareilles, com a música Both Sides, Now.

(Entretanto, aqui temos um dos erros da cerimônia, com a foto da produtora Jan Chapman, que ainda está viva , durante o letreiro do vídeo que fazia a menção saudosa à figurinista Janet Patterson, que morreu em outubro de 2016)

Observando as performances deste Oscar, as demais, diferentemente de Bareilles, ao invés de homenagearem figuras históricas do cinema, levavam suas menções honrosas, essencialmente, aos indicados na categoria de Melhor Canção Original. Justin Timberlake animou o início do evento com seu estilo pop através das músicas Can’t Stop the Felling, do indicado Trolls, e Lovely Day (de Bill Whiters). Já Auli’i Cravalho e Lin-Manuel Miranda foram os artistas que levaram ao palco How Far I’ll Go, de Moana, com uma direção artística simples e pontual. Com uma simples coreografia dos bailarinos, que traziam elementos que contrastavam com o fundo animado do palco, e com uma representação do sol que lembrou, copiosamente, a pira brasileira das Olimpíadas de 2016, a apresentação da canção nos direcionou ao ambiente marítimo e tropical da animação musical da Disney.

Já Sting, com a canção The Empty Chair, de Jim: The James Foley Story, foi a apresentação mais sutil, com aquela clássica performance do músico sentado em uma cadeira e com uma breve iluminação sobre a sua figura. Agora, John Legend, outra importante figura pop contemporânea, cantou as duas indicações de La La Land (La La Land – Cantando Estações): City of Stars e Audition (The Fools Who Dream), que possuiu em sua performance, novamente, o importante coreografia do balê, que trouxe um representação que seguiu a mesma direção de arte do filme e representou dois dos mais importantes momentos musicais da obra. O primeiro relacionado ao primeiro encontro involuntário do casal na obra (com a peculiar ideia do sapateado enquanto coreografia) e o segundo momento relacionado, exatamente, a um dos encontros do casal quando já estão juntos (e que faz uma deliciosa referência nostálgica a Moulin Rouge!, de 2001).

Quando falamos de La La Land, chegamos ao aspecto nostálgico da cerimônia, que celebrou e honrou importantes figuras e obras de Hollywood, desde o cinema mais autoral às produções comerciais, o que irá nos conectar às entregas da noite. Antes de algumas premiações, era mostrado um vídeo no qual um(a) ator/atriz clássico ou tradicional em Hollywood era homenageado(a) por outro(a) ator/atriz, colocando os primeiros como referência às atuações dos segundos. Logo após o vídeo, ambos, homenageado e quem prestou homenagem, apresentavam os indicados e entregavam-lhes a estatueta (uma interessante ideia ao evento). Desses momentos, figuras importantíssimas ao cinema: Shirley MacLaine,  Michael J. Fox e Meryl Streep, nos mostram a homenagem da Academia tanto a figuras mais históricas, como Maclaine, passando por atuações que vem transcendendo Hollywood, como as de Streep, além das categóricas e clássicas performances a filmes comerciais, como pelo carismático e eterno personagem de J. Fox em Back to the Future, que teve a icônica DeLorean no palco.

Com isso, chegamos às premiações, das quais 24 estatuetas foram divididas entre diversos tipos de obras. Entre os filmes comerciais honrados na cerimônia, Suicide Squad (Esquadrão Suicida), Fantastic Beasts and Where find Them (Animais Fantásticos e Onde Habitam), e The Jungle Book (Mogli: O Menino Lobo) tiveram seus representantes no palco – com destaque ao discurso de Alessandro Bertolazzi (Suicide Squad), no qual ofereceu o prêmio aos imigrantes, por também ser um. Com relação às animações, Zootopia (Zootopia – Essa Cidade é o Bicho) e Piper foram os premiados, com os diretores da animação da Pixar (Zootopia) enaltecendo a mensagem fílmica sobre a importância da mensagem sobre tolerância presente no filme.

As premiações aos documentários também trouxeram discursos políticos e sociais por seus vencedores. A estatueta a O.J. Made in America (com 7h47min de duração) foi agradecida com seu diretor, Ezra Edelman, colocando a obra como um filme não tradicional, e dedicando-o às vítimas da violência policial, motivada pelo racismo. O documentário em curta-metragem The White Helmets foi ainda mais intenso em suas palavras, enaltecendo a ação social do grupo de voluntários, destacados na obra, que ajudam a resgatar pessoas na Síria, e assim, não apenas enalteceram a importância em salvar vidas como também a necessidade mundial para um olhar mais cuidadoso à questão da Síria.

Entretanto, dos discursos sociais, aquele que talvez a maior repercussão seja de Asghar Farhadi, diretor iraniano de Forushande (O Apartamento), premiado como Melhor Filme em Língua Estrangeira. O diretor enviou um pequeno discurso aos seus representantes na premiação, com sua mensagem direcionada a Trump, colocando que a sua ausência é devido ao desrespeito aos imigrantes de seu país através da nova política americana do presidente, e dizendo que dividir o mundo ajuda a imprimir o medo entre as nações. Já a vitória do curta-metragem Mindenki, de Kristóf Deák e Anna Udvardy, teve o prêmio dedicado às crianças, mencionado por Deák como as “únicas pessoas que podem melhorar o mundo”.

As premiações técnicas já começam a nos direcionar para as principais produções indicadas da noite, com Arrival (A Chegada), de Denis Villeneuve, ganhando uma estatueta, Hacksaw Ridge (Até o Último Homem), de Mel Gibson, levando dois Oscars, e La La Land, de Damien Chazelle, com quatro premiações.

Com as categorias principais, primeiramente aos roteiristas e diretores, Barry Jenkins e Tarell McCraney, roteiristas de Moonlight, ganharam na categoria sobre roteiro adaptado; Kenneth Lonergan, roteirista de Manchester by the Sea, ganhou entre os roteiros originais, e Damien Chazelle, com La La Land, se tornou o diretor mais jovem a ganhar uma estatueta do Oscar, e em seu discurso mencionou que seu trabalho é um filme sobre o amor, e que se apaixonou fazendo essa obra.

A premiação aos atores foi, como sempre, mais emocionada. Tivemos a premiação de Mahershla Ali, em Moonlight (Moonlight: Sob a Luz do Luar) e de Viola Davis, em Fences (Um Limite entre Nós), como melhores ator e atriz coadjuvantes, e de Casey Affleck, em Manchester by the Sea (Manchester à Beira-Mar) e de Emma Stone, em La La Land, como melhores ator e atriz na edição. Dos dois mais veteranos, Ali e Davis, vieram discursos sobre a importância na atuação e na entrega ao personagem. Ali mencionou que o ator está sempre servindo ao personagem e que não é o eu particular do intérprete que deve permanecer no trabalho. Davis, em um discurso emocionante, disse que o trabalho do ator deve honrar grandes pessoas, e se mostrou grata por fazer parte da única profissão pela qual se celebra a vida, dedicando seu discurso à importância em exaltar as pessoas comuns. Já os jovens Casey e Emma enalteceram personalidades que estavam no Teatro Dolby. Casey agradeceu Denzel Washington por ter sido uma das primeiras pessoas a terem ensinado-o a atuar, e Emma diz que mirava em suas concorrentes à estatueta para chegar a ser uma grande atriz e diz que o prêmio será um forte incentivo para continuar crescendo e aprendendo na profissão.

A maior surpresa da noite ficaria à última premiação. Para o prêmio de Melhor Filme, Faye Dunaway e Warren Beatty, o eterno casal Bonnie and Clyde, foram os convidados para a entrega desse Oscar. Entretanto, o envelope que foi dado ao casal artístico estava errado, sendo o mesmo da premiação anterior, que havia sido a Emma Stone. Dessa forma, Beatty estava com o envelope de La La Land e Dunaway, ao ser requisita por Beatty para conferir o vencedor, mencionou o filme assim que leu o envelope, o que fez com que toda a equipe do filme mais favorito e indicado do Oscar 2017 passasse pelo enorme constrangimento de entregar as estatuetas em meio ao discurso sobre a “vitória”. O erro foi um dos maiores em todas as edições, entrando para a história e quase estragando o final de uma das cerimônias mais importantes de Hollywood.

Assim, ao final do Oscar 2017, podemos dizer que esse foi um evento repleto de momentos memoráveis, tanto por parte das apresentações musicais, quanto pelos momentos de nostalgia ou das homenagens a diversos profissionais, com premiações desde artistas mais novatos a grandes veteranos já consagrados. Entretanto, o encerramento pode trazer ao 89th Academy Awards o eterna marca do erro do casal Bonnie and Clyde, um final quase trágico a uma premiação na qual, ironicamente, um musical sobre um casal apaixonado era o “queridinho” da Academia.

Abaixo, segue o ranking dos principais filmes premiados:

1º. La La Land: 6 estatuetas

Melhor Diretor (Damien Chazelle);

Melhor Atriz (Emma Stone);

Melhor Trilha Sonora (Justin Hurwitz);

Melhor Canção Original (City of Stars);

Melhor Design de Produção (David Wasco e Sandy Reynolds-Wasco);

Melhor Fotografia (Linus Sandgren);

 

2º. Moonlight: 3 estatuetas

Melhor Filme (Adele Romanski, Dede Gardner e Jeremy Kleiner);

Melhor Ator Coadjuvante (Mahershala Ali);

Melhor Roteiro Adaptado (Barry Jenkins e Tarell McCraney);

 

3º. Manchester by the Sea / Hacksaw Ridge: 2 estatuetas cad

Manchester by the Sea:

Melhor Ator (Casey Affleck);

Melhor Roteiro Original (Kenneth Lonergan);

Hacksaw Ridge:

Melhor Mixagem de Som (Kevin O’Connell, Andy Wright, Robert Mackenzie e Peter Grace);

Melhor Edição (John Gilbert);

 

Demais Vencedores:

Fences: Melhor Atriz Coadjuvante (Viola Davis);

Zootopia: Melhor Animação (Byron Howard, Rich Moore e Clark Spencer);

Forushande: Melhor Filme em Língua Estrangeira (Asghar Farhadi);

O.J.: Made in America: Melhor Documentário (Ezra Edelman);

The White Helmets: Melhor Documentário em Curta-Metragem (Orlando von Einsiedel e Joanna Natasegara);

Mindenki: Melhor Curta-Metragem (Kristóf Deák e Anna Udvardy);

Piper: Melhor Curta-Metragem em Animação (Alan Barillaro e Marc Sondheimer);

Arrival: Melhor Edição de Som (Sylvain Bellemare);

Suicide Squad: Melhor Maquiagem e Penteado (Alessandro Bertolazzi, Giorgio Gregorini e Christopher Nelson);

Fantastic Beasts and Where to Find Them: Melhor Figurino (Colleen Atwood);

The Jungle Book: Melhores Efeitos Visuais (Robert Legato, Adam Valdez, Andrew Jones e Dan Lemmon).

Mash apresenta nova campanha com Bruno Gagliasso

Ator mostra sua ótima forma física esbanjando sensualidade

A Mash, referência em underwear masculino, elegeu pelo segundo ano consecutivo o ator Bruno Gagliasso para estrelar a sua nova campanha. Inspirada no “Manifesto Mash”, que defende que cada um deve ser autêntico e verdadeiro consigo mesmo, o ensaio contou com toda a força e individualidade do estilo de vida e valores do galã, deixando tudo mais real.

O garoto propaganda foi fotografado por André Nicolau no espaço Belchior Brechó, localizado na antiga fábrica da Bhering – Rio de Janeiro. Com stylist de Deborah Ewbank e Make&Hair assinado por Vicente Lujan, Gagliasso exibiu confortavelmente sua ótima forma física, em fotos descontraídas e esbanjando sensualidade.

304779_678249_mash___campanha_inverno_2017___credito_andre_nicolau__1__web_.jpg
Bruno Gagliasso apresenta nova coleção da Mash. (Foto: André Nicolau)

Para o ator, que tem forte identificação com a marca, foi um grande prazer fazer este novo trabalho, “é sempre muito bom e divertido, principalmente por que a Mash é uma grande parceira e eu de fato uso Mash, então fica tudo melhor”, declara o galã.

As peças da campanha fazem parte da coleção de inverno 2017 da Mash e estarão disponíveis no e-commerce da marca e em lojas multimarcas, a partir deste mês.

David Wenham, de 300 e O Senhor dos Anéis, estará na Comic Con Experience 2016

Ator australiano vem ao Brasil para participar do maior evento de cultura pop da América Latina, que acontece de 1 a 4 de dezembro, no São Paulo Expo, e deve reunir mais de 180 mil pessoas

Para a terceira edição da CCXP – Comic Con Experience (www.ccxp.com.br) está confirmada a presença do ator David Wenham, intérprete de personagens marcantes em produções de cinema no universo geek, como o valente Faramir em dois filmes da trilogia O Senhor dos Anéis e o soldado Dilios nos filmes 300 e 300: A Ascensão do Império.

David Wenham confirma presença na Comic Con Experience. (Foto: Divulgação)
David Wenham confirma presença na Comic Con Experience. (Foto: Divulgação)

Nascido na Austrália, Wenham iniciou sua carreira em seu país natal na TV, passando para filmes e também trabalhou em produções teatrais. Um dos primeiros papeis de destaque no cinema foi o personagem Audrey no musical Moulin Rouge!, de 2001, dirigido pelo também australiano Baz Luhrmann. No ano seguinte, David viveu Faramir nos filmes As Duas Torres (2002) e O Retorno do Rei (2003). Ele foi escolhido por conta da semelhança com o ator Sean Bean, que interpretou Boromir, irmão do personagem, no primeiro filme da franquia. Segundo o próprio, “os dois tem narizes grandes”.

“David é um ator que tem tudo a ver com os fãs de cultura pop por ter feito um excelente trabalho em duas franquias cultuadas no cinema, oriundas da literatura e dos quadrinhos. Contar com sua presença na Comic Con Experience será um dos pontos altos do evento”, ressalta Ivan Costa, sócio da CCXP 2016.

A CCXP – Comic Con Experience 2016 acontece entre 1 a 4 de dezembro no São Paulo Expo, próximo à estação Jabaquara do Metrô, com conteúdos para fãs de quadrinhos, cinema, programas de TV, desenhos animados e outras áreas da cultura pop. O evento ocupará 100 mil metros quadrados (80% a mais que na edição de 2015) e espera receber 180 mil visitantes de todos os Estados do Brasil e também do exterior, firmando-se como a maior comic con da América Latina e a terceira maior do mundo em público, atrás apenas da San Diego Comic Con e da New York Comic Con. Os ingressos de sábado (3/12) e pacote para os quatro dias já estão esgotados. Os ingressos para quinta, sexta, domingo e Full Experience estão à venda. Para adquirir ingressos e saber mais, acesse o site www.ccxp.com.br.

Círculo de Fogo 2: ator de Star Wars VII entra para o elenco da produção

Por Minha Série

Círculo de Fogo 2, sequência do longa-metragem de ficção científica de Guillermo del Toro, acaba de ganhar um reforço no elenco.

O ator John Boyega, conhecido por interpretar o personagem Finn (ou FN-2187) em Star Wars: O Despertar da Força, fechou contrato para a continuação.

John Boyega entra para o elenco de "Círculo de Fogo 2". (Foto: Reprodução/IMDb)
John Boyega entra para o elenco de “Círculo de Fogo 2”. (Foto: Reprodução/IMDb)

Boyega irá interpretar o filho do personagem de Idris Elba (que participou do primeiro filme).

Círculo de Fogo, dirigido por del Toro e lançado em 2013, arrecadou US$ 411 milhões mundialmente.

O novo filme terá direção de Steven S. DeKnight (showrunner da primeira temporada de Demolidor) e tem previsão de lançamento para 2017.

Sergio Marone lança linha de óculos sustentável

Conceituado ator brasileiro, Sérgio Marone se prepara para lançar o seu primeiro produto licenciado em edição especial

Sérgio Marone lança linha de óculos. (Foto: Divulgação)
Sérgio Marone lança linha de óculos. (Foto: Divulgação)

Com design moderno e superleve, os óculos Ybirá + Sérgio Marone são unissex, confeccionados artesanalmente com madeiras de manejo, certificadas pelo sistema DOF – Documento de Origem Florestal, que respeitam o meio ambiente e dão ao rosto um caimento perfeito.

O modelo vem disponível em duas cores – imbuía e cedro e duas opções de lentes – cinza ou marrom degrade, que foram fabricadas pela renomada Carl Zeiss com proteção UVA/UVB. Os óculos estão à venda através  do site useybira.com.br/sergio-marone e têm o preço médio para consumidor de R$370,00, com frete grátis e parcelamento em até 6 vezes sem juros.