Arquivo da tag: Canal Viva

MAIO NO VIVA: “TIETA” E “POR AMOR” ESTREIAM NO MÊS DE ANIVERSÁRIO DO CANAL

VIVA completa sete anos no ar

Dois clássicos da teledramaturgia brasileira estreiam em maio no VIVA, no mês em que o canal comemora sete anos: “Tieta” (1989) e “Por Amor” (1997).

Tieta” é uma das novelas mais pedidas pelos assinantes do VIVA e substituirá “A Gata Comeu” (15h30) a partir de 1º de maio. Um dos principais folhetins de Aguinaldo Silva – com parceria de Ana Maria Moretzsohn e Ricardo Linhares – chega ao canal com personagens emblemáticos, como a protagonista, eternizada por Betty Faria, e sua irmã, a caricata Perpétua de Joana Fomm.

novelas_de_maio-img1
“Tieta” estreia em Maio, no VIVA. (Foto: Divulgação)

Já “Por Amor” entra no lugar de “Pai Herói” (23h30) no dia 8 de maio. A novela de Manoel Carlos completa 20 anos e ganha mais uma exibição do canal. A primeira foi em 2010, quando fez sucesso nas tardes do VIVA e garantiu o 1º lugar no total de indivíduos e no público adulto durante seu horário principal (16h30). Comparado ao período de estreia no canal, o potencial de alcance da novela cresce 126%.

novelas_de_maio-img2
Também em maio, Canal VIVA estreia “Por Amor”. (Foto: Divulgação)

Sobre “Tieta”
Inspirada no romance “Tieta do Agreste”, de Jorge Amado, a trama se passa na fictícia cidade de Santana do Agreste, no Nordeste brasileiro, e tem como tema central a reviravolta da vida de Tieta. Vinte e cinco anos após ser escorraçada da cidade pelo pai, Zé Esteves (Sebastião Vasconcelos), ela retorna à terra natal para se vingar de todos que a trataram mal e riram do seu passado. Sua ousadia mexe com a rotina de Santana do Agreste.

Entre os destaques do elenco: Arlete Salles, Armando Bógus, Ary Fontoura, Cássio Gabus Mendes, Cláudio Corrêa e Castro, Danton Mello, Elias Gleizer, Flávio Galvão, José Mayer, Lídia Brondi, Lilia Cabral, Luiza Tomé, Míriam Pires, Otávio Augusto, Paulo Betti, Reginaldo Faria, Tássia Camargo e Yoná Magalhães.

Sobre “Por Amor”
Regina Duarte é a Helena da vez (ao todo, a atriz interpretou três escritas por Maneco) e, assim como na vida real, é mãe de Gabriela Duarte (Maria Eduarda). Ao longo da novela, o autor evidencia ainda mais a questão “o que você faria por amor?” com a troca de bebês entre mãe e filha. A produção também é marcada por outros personagens emblemáticos: Branca (Susana Vieira), Laura (Vivianne Pasmanter) e o casal Milena (Carolina Ferraz) e Fernando (Eduardo Moscovis).

O elenco é formado por nomes como Antonio Fagundes, Ângela Vieira, Carlos Eduardo Dolabella, Carolina Dieckmann, Cássia Kis Magro, Cecília Dassi, Eloísa Mafalda, Fábio Assunção, Marcelo Serrado, Marco Ricca, Murilo Benício, Paulo José, Tonico Pereira, Umberto Magnani e Vera Holtz.

* Fonte: Kantar Ibope Media – MW – PNT Completo (9 Mercados (2010 / 2011) 15 Mercados (2017)) – Total de Indivíduos / AS 25+ (ambos com Pay TV) – Rat% / Cov # – Tabela de Programação: Por Amor VES P- Horário 16h30 – Total do dia (06h às 30h) / Período: 01/06/2010 a 08/02/2011 vs. Jan 2017.

VIVA – Canal Globosat
Estreias maio: “Tieta” e “Por Amor”

“Tieta” – estreia 1º de maio, no lugar de “A Gata Comeu”
Horário principal: de segunda-feira a sábado, às 15h30
Horário alternativo: de segunda-feira a sábado, à 0h30

“Por Amor” – estreia 8 de maio, substituindo “Pai Herói”
Horário principal: de segunda a sábado, às 23h30
Horário alternativo: de segunda a sábado, às 13h30

Mais informações e fotos: www.vivaparaimprensa.com.br

VIVA EXIBE ESPECIAL COMPLETO DA SEGUNDA TEMPORADA DA ‘ESCOLINHA’ EM MARÇO

Seis edições do humorístico – parceria VIVA e Globo – ainda inéditas no canal vão ao ar na semana de 6 a 10

O que não falta é risada e irreverência com a turma mais famosa da TV brasileira! A partir de 6 de março, o VIVA exibe a segunda temporada completa da “Escolinha do Professor Raimundo”, com 16 episódios, sendo seis inéditos no canal. Parceria entre VIVA e Globo, o especial vai ao ar de segunda a sexta-feira, a partir das 20h30.

Na estreia, a diversão é garantida com a exibição dos dois primeiros programas da nova temporada, em sequência. A dose dupla começa com Rolando Lero (Marcelo Adnet) confundindo Zumbi dos Palmares com um ator que interpreta mortos-vivos. É claro que leva nota zero e uma bronca do Professor Raimundo (Bruno Mazzeo). Zé Bonitinho (Mateus Solano) chega à aula com novidade: vai substituir William Bonner no “Jornal Nacional”. “Serei o Zé Bonnêrtinho”, diz o aluno, anunciando que o nome do programa também muda para “Jornal Passional”. Já Tati (Fernanda Souza) explica com seu dialeto caricato a importância de Chico Anysio para o humor: “O cara era super, mega, ultra, blaster criativo. Só de personagens que ele criou foram mais de trocentos. Ele espirrava e nascia um personagem. Era sinistro!”.

escolinha-img.jpg
Canal VIVA exibe segunda temporada da “Escolinha do Professor Raimundo”. (Foto: Divulgação)

O episódio seguinte começa com Seu Boneco (Marcius Melhem) impressionando com seu figurino: paletó branco e quepe. Professor Raimundo (Bruno Mazzeo) não hesita em perguntar se ele vai a uma festa à fantasia. “Estou lançando o mais novo empreendimento turístico do país: o Cruzeiro do Boneco”, explica. Ele conta detalhes de como transformou o “puxadinho” de seu barraco em um navio e incorpora Roberto Carlos, com direito à peruca para imitar o cabelo do Rei. Ao longo da aula, mais surpresas: Batista (Rodrigo Sant’Anna) revela que conta “Raimundinhos” antes de dormir e recorda uma serenata que fez para o mestre, em sua janela.

A semana continua com programas inéditos. Na terça, dia 7, o clima de carnaval invade a sala de aula. Professor Raimundo (Bruno Mazzeo) estranha a turma enxuta, mas a explicação logo vem à tona com o barulho de batucadas e cantoria vindo do corredor da escola. Zé Bonitinho (Mateus Solano), Capitu (Ellen Rocche), Cacilda (Fabiana Karla) e Marina da Glória (Fernanda de Freitas) entram cantando uma paródia da conhecida marchinha “Cabeleira do Zezé”: “Olha o topete do Zé / Pega mulher, pega mulher / Lin-dooo!!”. É que o galã vai virar tema de escola de samba e as meninas fazem questão de prestigiá-lo como destaques no desfile.

Na quarta, dia 8, é a vez de Seu Peru (Marcos Caruso) falar sobre a Olimpíada LGBT. De óculos com purpurina, em formato dos anéis olímpicos, ele comenta algumas das modalidades e competições dos Jogos: salto alto com vara, nado borboleta, tiro com arco de cabelo e 100 metros livres e desimpedidos. Ptolomeu (Otaviano Costa) também é destaque no programa ao interpretar um número musical de “Single Ladies”, no estilo Beyoncé.

Os programas temáticos de Natal e Ano Novo completam a semana nos dias 9 e 10 de março. No período de 13 a 24 de março, de segunda a sexta-feira, o VIVA exibe os 10 programas da segunda temporada que foram ao ar no canal em setembro de 2016.

VIVA – Canal Globosat
“Escolinha do Professor Raimundo” – Segunda Temporada – Especial Completo

Episódios inéditos: de 6 a 10 de março, às 20h30
*Na segunda, os dois primeiros da nova temporada serão exidos em sequência

Demais episódios da segunda temporada: de 13 a 24 de março, segunda a sexta-feira, às 20h30

VIVA RELEMBRA PARTICIPAÇÃO DE SIMONE & SIMARIA NO “AVENTURAS DO DIDI”

Episódio de 2010 vai ao ar nesta quinta

As irmãs Simone e Simaria são as convidadas especiais do episódio de “Aventuras do Didi” que o VIVA exibe nesta quinta, dia 19 de janeiro, às 20h30. Na época em que o programa foi gravado, em 2010, as duas eram vocalistas da banda cearense Forró do Muído.

A dupla interpreta as noivas de Didi (Renato Aragão) e Dedé (Manfried Sant’Anna). Na festa, depois da cerimônia de casamento, as moças deixam seus noivos em dúvida sobre quem é quem, pois usam vestidos idênticos. Durante as comemorações, as cantoras animam a festa com sucessos da carreira. Atualmente, as irmãs formam uma das principais duplas sertanejas do Brasil: Simone & Simaria.

aventuras_do_didi_simone_e_simaria-header.jpg
Simone & Simaria relembra participação em “Aventuras do Didi”. (Foto: Divulgação)

“Aventuras do Didi” – participação de Simone & Simaria
VIVA – Canal Globosat

Horário principal: quinta-feira, dia 19 de janeiro, às 20h30
Horário alternativo: sexta-feira, dia 20 de janeiro, às 11h30

Mais informações e fotos: www.vivaparaimprensa.com.br

 

“FESTIVAL GLOBO REPÓRTER” RELEMBRA DESTINOS INCRÍVEIS PELO MUNDO

Com novas cabeças de apresentação gravadas por Sérgio Chapelin, 20 programas serão exibidos pelo VIVA a partir de 23 de janeiro

A segunda edição do “Festival Globo Repórter” resgata, a partir do dia 23 de janeiro, destinos incríveis de viagens pelo Brasil e pelo mundo. Depois do sucesso do especial, exibido em agosto, com programas temáticos sobre a música brasileira dos anos 1980, o VIVA vai recordar edições que exploram o turismo e que foram ao ar entre 1986 e 2005, na Globo. Sérgio Chapelin gravou cabeças de apresentação inéditas para o especial.

festival_globo_reporter-img4-high.jpg
VIVA relembra destinos incríveis do Globo Repórter. (Foto: Divulgação)

Cenários paradisíacos, roteiros históricos e paisagens de tirar o fôlego. O programa que abre o “Festival” apresenta uma edição de 1994 do “Globo Repórter”, que desbrava lugares exuberantes do litoral brasileiro, das praias de Pernambuco à ousadia do verão carioca. A semana ainda reserva emocionantes aventuras por lugares como Atol das Rocas, Pantanal, Ilha de Páscoa e Austrália.

No período de 30 de janeiro a 2 de fevereiro, o VIVA traz mais destinos exóticos mostrados pelo programa. Na edição sobre a Costa do Nordeste brasileiro, o “Globo Repórter” revela raridades do Oceano Atlântico: florestas submarinas, refúgios de tubarões e o inacreditável peixe-morcego. Outro destaque do especial é o Delta do Parnaíba, localizado entre o Maranhão e o Piauí, que proporciona paisagens exuberantes de suas dunas de areias claríssimas ao encontro das águas do rio com o mar. A semana também conta com mergulhos nas cavernas e nos rios subterrâneos de Cancun e da Chapada Diamantina, além de um passeio às margens do Rio Araguaia e sua vida selvagem.

A terceira semana do especial, que vai ao ar de 6 a 9 de fevereiro, começa com uma edição de 1998. O programa visita dois lugares: o arquipélago de São Pedro e São Paulo e a Baixa Califórnia, o refúgio das baleias cinzentas. A semana ainda destaca os encantos do Maranhão, a influência do verão na Amazônia e as Ilhas Galápagos. Em território equatoriano, o “Globo Repórter” faz uma imersão a sua natureza, que apresenta biodiversidade elevada e fauna peculiar, como o exemplo das tartarugas gigantes. A rota dos vulcões também faz parte do passeio pelas Ilhas Galápagos.

De 13 a 16 de fevereiro, o VIVA resgata programas que apresentam os Lençóis Maranhenses, a Chapada dos Guimarães, o litoral gaúcho e uma expedição pela Savana Africana. Na Chapada dos Guimarães, o repórter Caco Barcellos acompanha de perto a beleza e os mistérios da mata fechada do cerrado do Mato Grosso e das águas onde nascem os rios do Pantanal. Um dos momentos mais surpreendentes da matéria é o registro de mensagens em pedras, escritas por homens das cavernas.

Em sua última semana (20 a 23 de fevereiro), o “Festival Globo Repórter” percorre um roteiro internacional: Egito; Caminho de Santiago de Compostela, na Espanha; Portugal; e Deserto do Atacama, no Chile.

As lembranças vão além das curiosidades locais e das dicas de viagem. Os programas reúnem momentos marcantes da carreira de nomes consagrados do jornalismo: Beatriz Castro, Beatriz Thielmann, Caco Barcellos, Ciro Porto, Ernesto Paglia, Flávio Fachel, Francisco José, Graziela Azevedo, Ilze Scamparini, Isabela Assumpção, José Raimundo, Leilane Neubarth, Marcelo Canellas, Neide Duarte, Paulo Renato Soares, Sandra Passarinho e Sônia Bridi.

VIVA – Canal Globosat
“Festival Globo Repórter – Especial Viagens” – inédito

Estreia 23 de janeiro
De segunda a quinta-feira, às 22h30

Mais informações e fotos: www.vivaparaimprensa.com.br

“OS ANOS 80 ESTÃO DE VOLTA” NO VIVA

Série estreia em janeiro e reúne depoimentos de personalidades icônicas da década

A partir de 8 janeiro, o VIVA resgata grandes momentos dos anos 1980 com a estreia da série “Os Anos 80 Estão de Volta”. Em 11 episódios, a atração reúne destaques marcantes da década, em cenários que vão desde a televisão e o teatro até a música e a moda do país. Com direção geral de Darcy Bürger, e direção e roteiro de Guilherme Bryan, o especial foi gravado em 2015.

os_anos_80_estao_de_volta-img1-high.jpg
Elke Maravilha será uma das personagens da série dos Anos 80 do Canal Viva. (Foto: Divulgação)

“É uma série em que discorremos sobre todos os pontos interessantes da década. Na minha opinião, é uma geração que deixou um legado enorme para o futuro. É puramente afetivo, é uma série em que me vi nela totalmente”, diz Darcy, em depoimento durante a gravação do programa. O produtor e diretor faleceu em agosto de 2016.

Entre os assuntos abordados ao longo dos episódios, fenômenos culturais e de comportamento dos anos 1980: o primeiro Rock in Rio; o surgimento de bandas como Legião Urbana, Titãs e Paralamas do Sucesso, que deram uma cara nacional ao rock; o movimento pelas Diretas Já; a criação do grupo teatral “Asdrúbal trouxe o Trombone”, que revelou uma geração de talentos; o aparecimento do punk no Brasil; o estouro das músicas para crianças e adolescentes e do gênero “soul à brasileira”; a relevância de Abelardo Barbosa e sua “Discoteca do Chacrinha” e dos videoclipes lançados no “Fantástico”; e a consagração de clássicos da televisão como “TV Pirata” e “Armação Ilimitada”.

A série conta com depoimentos de personalidades icônicas da época. André De Biase, Byafra, Dado Villa-Lobos, Diogo Vilela, Elke Maravilha, Evandro Mesquita, Guto Graça Mello, Hamilton Vaz Pereira, Hermano Vianna, Kadu Moliterno, Kid Vinil, Kiko Zambianchi, Léo Jaime, Marcelo Madureira, Marcelo Tas, Michael Sullivan, Miguel Falabella, Nelson Motta, Pedro Cardoso e Sandra de Sá estão entre os convidados.

“O que costumo dizer, talvez seja um exagero, mas, depois da Semana de Artes Modernas de 1922 e da Tropicália, a geração 80 foi o último movimento cultural completo que teve no Brasil, além de se viver até hoje”, comenta Marcelo Madureira. Durante sua participação no programa, Evandro Mesquita também enaltece a importância da década: “Acho que os anos 1980 foram essenciais nessa tomada da juventude de acesso à gravadora, aos teatros. A sair do underground.”.

VIVA – Canal Globosat

“Os Anos 80 Estão de Volta” – inédito
Estreia 8 de janeiro

Horário principal (dois episódios seguidos): domingo, a partir das 18h
Horário alternativo (dois episódios seguidos): sábado, a partir das 18h

50 ANOS DE CLAUDIA RAIA NO VIVA

Canal homenageia a artista com a estreia de “Não Fuja da Raia” a partir de 3 de dezembro

Em 50 anos de vida, 30 dedicados à arte, Claudia Raia consagrou-se como uma artista polivalente. Atriz, cantora, dançarina, apresentadora e comediante: a versatilidade define sua trajetória profissional.

Canal VIVA comemora mês de aniversário de Claudia Raia. (Foto: Divulgação)
Canal VIVA comemora mês de aniversário de Claudia Raia. (Foto: Divulgação)

A partir de 3 de dezembro, mês de aniversário de Claudia (dia 23), o VIVA comemora a data com a estreia de um marco da carreira da atriz: o programa “Não Fuja da Raia”. Exibida em 1995-96 pela Globo, a atração reúne esquetes, números musicais, entrevistas e participações de personalidades como Ana Botafogo, Chico Anysio, Chitãozinho & Xororó, Diogo Vilela, Dirce Migliaccio, Edson Celulari, Elba Ramalho, Faustão, Guilherme Karam, José Wilker, Lima Duarte, Luiz Fernando Guimarães, Marisa Orth, Miguel Falabella, Raul Gazolla, Rosamaria Murtinho, Susana Vieira e Tony Ramos.

Inspirados nos espetáculos teatrais “Não Fuja da Raia” e “Nas Raias da Loucura”, estrelados por Claudia, os seis episódios serão destaque todo sábado, às 20h30, no VIVA. Em dezembro, o canal exibe três programas, nos sábados de 3 a 17. Após a programação de fim de ano do canal, “Não Fuja da Raia” volta ao ar em janeiro, a partir do dia 7.

Na estreia, vai ao ar a primeira edição do “Não Fuja da Raia”, exibido em 1995, como especial de fim de ano da Globo. O episódio mostra Claudia dividindo o palco com bailarinos, em coreografias inspiradas no teatro de revista. Dramatizações e depoimentos de convidados recordam personagens emblemáticos interpretados por ela, como os do humorístico “TV Pirata”. A edição também traz “A Teletonta”, em que Claudia vive Lilica, uma vendedora de eletrodomésticos viciada em telenovelas. O quadro conta com participações especiais e satiriza a relação de aproximação entre o mundo real e a ficção.

No ano seguinte, em 1996, “Não Fuja da Raia” virou atração mensal na faixa de programação “Terça Nobre”, com edições temáticas. A parte ficcional ganha maior espaço nos cinco novos episódios. Além de interpretar personagens variados, Claudia recebe artistas que contracenam com ela ou são entrevistados durante o programa. A música continua predominante na atração, permeando todos os quadros.

O projeto criado por Silvio de Abreu e Jorge Fernando conta com direção musical de Zé Rodrix. A direção geral também é assinada por Jorge Fernando.

“Não Fuja da Raia” – inédito

Estreia 3 de dezembro

Horário principal: sábado, às 20h30
Horário alternativo: sexta-feira, na faixa das 16h

Mais informações e fotos: www.vivaparaimprensa.com.br

“A GATA COMEU”: SUCESSO DOS ANOS 1980 ESTREIA NA SEGUNDA

Protagonizado por Christiane Torloni e Nuno Leal Maia, clássico de Ivani Ribeiro marca o primeiro trabalho de Danton Mello e destaca elenco infantil

Uma das novelas mais pedidas pelos assinantes do VIVA estreia na próxima segunda, dia 24: “A Gata Comeu”. De Ivani Ribeiro, a trama leve e despretensiosa substitui outro grande sucesso da autora, “Mulheres de Areia”.

"A Gata Comeu" esteia segunda-feira no ViVA. (Foto: Divulgação)
“A Gata Comeu” esteia segunda-feira no ViVA. (Foto: Divulgação)

A produção é uma adaptação de “A Barba Azul” (1974), também de Ivani. A novela conquistou o público da década de 80, quando foi exibida no horário das 18h, na Globo, e chamou a atenção para o charmoso bairro da Urca, onde a história foi ambientada. A trama principal gira em torno do divertido e tumultuado romance entre Jô Penteado e Fábio Coutinho, protagonizados por Christiane Torloni e Nuno Leal Maia. Na versão original da trama, a dupla foi interpretada por Eva Wilma e Carlos Zara.

Em busca de seu grande amor, Jô Penteado já noivou sete vezes, até Fábio aparecer na sua vida e mudá-la de vez. Os dois estão em uma excursão marítima, quando um forte temporal atrapalha o passeio, desviando a rota do barco. Todos vão parar em uma ilha deserta, onde ficam presos por dois meses. Apesar das farpas e faíscas entre a dupla, a paixão fala mais alto e daí surge uma relação inusitada. O casal briga como cão e gato e rende cenas engraçadas à história.

A trama conta com personagens carismáticos como as duplas Gustavo (Cláudio Corrêa e Castro) e Tereza (Marilu Bueno), e Conceição (Dirce Migliaccio) e Oscar (Luiz Carlos Arutin). As trilhas nacionais e internacionais também são um sucesso à parte e marcaram a época. Mas quem roubou a cena foi o divertido Clube do Curumim, com crianças que fizeram história na TV. Foi a estreia de Danton Mello e Juliana Martins. O grupo conta ainda com Juliana Lucas Martin, Kátia Moura, Oberdan Jr., Raphael Alvarez e Sylvio Perroni.

No elenco, nomes como Anilza Leoni, Aracy Cardoso, Bia Seidl, Diana Morel, Eduardo Tornaghi, Fátima Freire, José Mayer, Laerte Morrone, Mauro Mendonça, Mayara Magri, Nina de Pádua, Norma Geraldy, Roberto Pirillo, Rogério Fróes, entre outros. A produção foi a primeira novela dos atores Deborah Evelyn e Jayme Periard.

“A Gata Comeu” teve colaboração de Marilu Saldanha, direção de Herval Rossano e José Carlos Pieri, direção geral de Herval Rossano e supervisão de Daniel Filho.

CASAL “BATEU, LEVOU!”

Beleza e dinheiro nunca faltaram na vida de Jô Penteado, uma das personagens mais emblemáticas da carreira de Christiane Torloni. Mas o grande amor de sua vida parece se esconder de seu caminho. Apelidada de Lucrécia Bórgia, por “colecionar” noivos – já são sete em seu passado -, nem imagina que um naufrágio mudaria seu destino. Depois de um imprevisto durante um passeio de lancha organizado por Fábio para seus alunos, todos ficam ilhados e são dados como mortos. Como a embarcação é de sua família, Jô decide ir como guia da excursão. Os primeiros capítulos da novela são antológicos e mostram as aventuras e confusões do grupo, que conta com pessoas de variados estilos e classes sociais, causando situações engraçadas no dia a dia.

Enquanto Jô é mimada e temperamental, Fábio é conservador e tranquilo. As divergências não param por aí, começando por ele não suportar o comportamento dela. Como os opostos se atraem, a empatia foi à primeira vista e “Bateu, levou!” virou o bordão do casal, que trocava insultos e até mesmo tapas na cara. Viúvo, ele dá aulas em uma escola de segundo grau na Urca, e cuida – com a ajuda da auxiliar Zazá (Aracy Cardoso) – dos filhos Cuca (Danton Mello) e Adriana (Kátia Moura). Já Jô tem tudo do bom e do melhor. Herdeira do milionário Horácio (Mauro Mendonça), a quem é muito ligada, ela não se dá bem com a madrasta, Ester (Anilza Leoni). Gláucia (Bia Seidl) e Lenita (Deborah Evelyn) são suas meias-irmãs. Ao longo da novela, a invejosa Gláucia apronta muitas armações para separar o casal.

Os dois demoram a admitir a atração que sentem um pelo outro, mas a relação tempestuosa logo vem à tona. Nem mesmo a presença da noiva de Fábio, Paula (Fátima Freire), na ilha, inibe sua aproximação de Jô.

O CLUBE DO CURUMIM

Sete crianças roubam a cena em “A Gata Comeu”: Danton Mello, Juliana Lucas Martin, Juliana Martins, Kátia Moura, Oberdan Jr., Raphael Alvarez e Sylvio Perroni. O elenco mirim forma o divertido Clube do Curumim, que apronta muitas confusões pelas ruas da Urca.

Foi o primeiro trabalho na TV de Danton Mello e Juliana Martins. Dez anos depois, eles protagonizaram temporada de estreia de “Malhação”. Danton é Cuca, irmão de Adriana (Kátia Moura). Os filhos de Fábio Coutinho (Nuno Leal Maia) são criados pela babá Zazá (Aracy Cardoso). Juliana interpreta Sueli, irmã de outro integrante do grupo: Xande (Oberdan Jr.). Alunos de Fábio, os dois são filhos de Ofélia (Diana Morel) e Martim (Rogério Fróes), e tem mais uma irmã, Paula (Fátima Freire). O Clube do Curumim também é formado por Renato (Sylvio Perroni), filho de Conceição (Dirce Migliaccio) e Oscar (Luiz Carlos Arutin), e pelos irmãos Cecéu (Raphael Alvarez, que hoje é um premiado diretor e produtor de cinema e de TV) e Verinha (Juliana Lucas Martin), filhos de Vicente (Germano Filho).

DUPLAS CARICATAS

E não é só o casal protagonista que proporciona muitos momentos de risada à trama. “A Gata Comeu” também traz as relações hilárias de Gustavo (Cláudio Corrêa e Castro) e Tereza (Marilu Bueno), e Conceição (Dirce Migliaccio) e Oscar (Luiz Carlos Arutin).

Conhecidos como Gugu e Tetê, os pais de Babi (Mayara Magri) vão aumentar a família com a chegada de gêmeos. Para o desespero do marido, durante a gravidez ela tem desejos exóticos como rabanete com açúcar mascavo, churros uruguaios e tutu de feijão com cravo e canela. O casal vive se desentendendo, mas sempre com bom humor. A mãe de Tetê, Dona Biloca (Norma Geraldy), também mora com eles. Ela bem que tenta ajudar a neta, mas os relacionamentos de Babi são sempre controlados pelos pais. Principalmente quando ela conhece Tito (Jayme Periard), com quem Gugu e Tetê não simpatizam.

Já na casa de Conceição e Oscar, ele é um vagabundo assumido, mas só ela não enxerga. Sua esposa é a única a acreditar que ele trabalha muito e é um “santo”. Na sua frente, Oscar se passa por doente, mas, na realidade, é outra pessoa na rua e vive se divertindo. São pais de Renato (Sylvio Perroni) e tios de Edson (José Mayer), considerado um filho para o casal e que, no decorrer da novela, se apaixona por Lenita (Deborah Evelyn). Com o relacionamento, Ivani Ribeiro aborda o amor entre diferentes classes sociais e as dificuldades e preconceitos que muitos enfrentam.

OS PICARETAS: CONDE DE PARMA E CEGO BRAGUINHA

Outros personagens de destaque da produção são os primos Vitório (Laerte Morrone) e Zé Mário (Élcio Romar). O primeiro é garçom de uma pizzaria, mas se disfarça de Conde de Parma, para lidar com pessoas da alta sociedade e impressionar Gláucia (Bia Seidl). Vitório divide apartamento com os amigos e atores Rafael (Eduardo Tornaghi) e Tony (Roberto Pirillo).

A ousadia também faz parte da história de Zé, que inventa outra identidade, a do cego Braguinha, para se aproximar da amada Babi (Mayara Magri).

TRILHA SONORA: NOSTALGIA DA DÉCADA DE 80

Os hits nacionais e internacionais de “A Gata Comeu” conquistaram o público, tornaram a novela ainda mais icônica e marcaram os anos 1980. A começar pelo tema de abertura, “Comeu”, de Caetano Veloso, que ganha a interpretação do grupo Magazine, na época liderado por Kid Vinil.

E a música que embala Jô Penteado delineia o temperamento forte da personagem de Christiane Torloni: “Só Prá o Vento”, mais um sucesso de Ritchie. Já o ilustre professor Fábio (Nuno Leal Maia) tem como tema a canção “Amigo do Sol, Amigo da Lua”, na voz de Benito Di Paula.

As faixas se encaixam impecavelmente nos personagens e no cenário da pitoresca e tranquila Urca. Entre outros destaques: “Choro”, cantada por Fábio Jr.; “Seu Nome”, de Byafra; “Canção de Búzios”, de Sandra de Sá; “Sonho Blue”, de Liliane; “Eu Queria Ter uma Bomba”, estreia de Cazuza em carreira solo; “Smooth Operator”, na voz de Sade; “The Heat Is On”, entoada por Glenn Frey; “Doce Pecado”, interpretada por Santa Cruz; “Heaven”, de Bryan Adams; o tema de Jô e Fábio, “Forever By Your Side”, cantado pela banda Manhattans; a clássica “We Can Change The World”, interpretada por Tremendo; e “Tipo One Way”, que embala o núcleo jovem da novela.

VIVA – Canal Globosat
“A Gata Comeu” – inédito

Estreia dia 24 de outubro
Horário principal: segunda a sábado, às 15h30
Horário alternativo: segunda a sábado, à 0h30

“PAI HERÓI” MARCA A ESTREIA DE JANETE CLAIR NO VIVA

Clássico de 1979 protagonizado por Tony Ramos envolve polêmicas, sede de vingança, realismo social e amores conturbados

Há 37 anos estreava “Pai Herói”, uma das novelas mais emblemáticas de Janete Clair. A partir de 17 de outubro, o folhetim substitui “Laços de Família” e marca o primeiro trabalho da autora no canal.

“Maga das Oito”, “Nossa Senhora das Oito”, “Usineira de Sonhos”. Foram muitos os codinomes que Janete recebeu devido ao sucesso estrondoso de suas obras. Um estilo arrebatador, com histórias envolventes e baseadas na realidade dos brasileiros, que consolidou a carreira da escritora, considerada um dos nomes mais representativos da teledramaturgia do país. A cada novela, a mineira conquistava mais o telespectador e a audiência batia recordes. Em 1979, foi a vez de “Pai Herói” ocupar o horário nobre da Globo. Protagonizada por Tony Ramos, a novela virou um fenômeno nacional e dominou as TVs pelo Brasil.

Clássico de Janet Clair estreia no VIVA. (Foto: Divulgação)
Clássico de Janet Clair estreia no VIVA. (Foto: Divulgação)

A trama central é a busca de André Cajarana (Tony Ramos) pelas verdades do passado de seu falecido pai, Malta Cajarana. Da fictícia Paço Alegre, em Minas Gerais, a Nilópolis, no Rio de Janeiro, a sede de vingança move o protagonista, que só tem uma missão: inocentar e honrar o nome de seu pai. Ao longo da produção, ele divide-se entre o amor de duas mulheres distintas: Carina (Elizabeth Savalla) e Ana Preta (Glória Menezes), personagens icônicas na trajetória profissional das atrizes. Enquanto a primeira é dançarina de balé, a outra é dona de uma casa de samba. Essa é apenas uma das diferenças que formam as personalidades das duas e que encantam André.

O caminho de André também é cruzado pelas armações do padrasto Bruno Baldaracci, interpretado por Paulo Autran, que estreava em novelas. Carlos Zara também vive um antagonista na trama: o inescrupuloso César Reis, seu primeiro personagem na emissora. A novela marca ainda as estreias de Jorge Fernando e Regina Dourado.

Beatriz Segall, Carlos Kroeber, Cláudio Cavalcanti, Dionísio Azevedo, Elza Gomes, Emiliano Queiroz, Fernando Eiras, Flávio Migliaccio, Ivan Cândido, Jonas Bloch, Lélia Abramo, Lima Duarte, Lajar Muzuris, Maria Fernanda, Maria Helena Velasco, Manfredo Colasanti, Monah Delacy, Nádia Lippi, Nildo Parente, Osmar Prado, Paulo Gonçalves, Reinaldo Gonzaga, Rosamaria Murtinho, Suzana Faini, Thaís de Andrade e Yara Lins completam o elenco. A história traz, ainda, temas como: esquizofrenia, exploração da fé, celibato e amores conturbados.

A canção “Pai”, na voz de Fábio Jr., é trilha de abertura da novela e se consagrou como hit na época. A novela tem direção de Walter Avancini, Roberto Talma e Gonzaga Blota.

PROVAÇÃO CAJARANA

“Pai Herói” marcou, não só a teledramaturgia brasileira com seus altos índices de audiência, como a carreira de Tony Ramos. O mocinho André Cajarana é um dos principais personagens do ator, que completa 52 anos de carreira em 2016.

Criado pelo avô paterno (Lima Duarte) na cidade de Paço Alegre, em Minas Gerais, André cresce com a imagem de que seu pai foi um grande homem. Com o falecimento do avô no primeiro capítulo, ele parte para o Rio de Janeiro, em busca da mãe, Gilda (Maria Fernanda), e de esclarecimentos sobre a morte do pai, Malta Cajarana. Seu mundo desmorona quando descobre que, na verdade, ele era taxado como mau caráter, traficante e bicheiro. Entre os crimes de Malta: o assassinato do Frei Nicolau, que se transformou em uma espécie de santo na cidade; o roubo das terras do então amigo Nestor Garcia (Dionísio Azevedo); e a autoria do tiro que deixou Garcia com a saúde debilitada. Mesmo com tantas acusações, André tenta reverter a reputação do pai e provar sua inocência.

O principal suspeito de André é Bruno Baldaracci (Paulo Autran), casado com sua mãe desde o falecimento de Malta. Baldaracci era braço direito dele e, com sua morte, passou a explorar as propriedades da família Cajarana. Com a chegada de André, o padrasto faz de tudo para afastar ainda mais Gilda do filho.

E não é que André tem razão em suas suspeitas? O assassinato do Frei Nicolau não passa de uma situação forjada por Baldaracci para incriminar e denegrir a imagem de Malta. Todo ano, o verdadeiro mandante do crime preserva esta versão e reforça os milagres do Frei, organizando uma romaria pelas ruas de Nilópolis. A peregrinação também serve para garantir lucros à fábrica de velas do vilão.

TRIÂNGULO AMOROSO DE ANDRÉ, CARINA E ANA PRETA

Duas mulheres conturbam a vida e o coração de André Cajarana (Tony Ramos): Carina (Elizabeth Savalla) e Ana Preta (Glória Menezes). Em comum, só a atração pelo galã. Já a personalidade e o temperamento são o oposto. Em “Pai Herói”, Tony Ramos e Elizabeth Savalla repetem a dobradinha de 1977, quando viveram o casal sensação de “O Astro”, também de Janete Clair.

Carina é uma bailarina de sucesso e faz parte da tradicional família carioca Limeira Brandão. Filha de Norah (Beatriz Segall) e neta da geniosa Januária (Lélia Abramo), ela se casa com o tio César Reis (Carlos Zara). Desonesto, ele tem apenas interesse em sua fortuna e nas empresas do Grupo Econômico Limeira Brandão. Para não perder Carina, chega a assumir a paternidade de uma filha que ela mantém em segredo, Ângela (Alexandra Vasconcellos/Isabela Garcia). No decorrer da trama, Carina conhece André e se apaixona pelo rapaz. No entanto, o relacionamento enfrenta altos e baixos diante das barreiras armadas por sua família, pela obsessão de César e pelo principal inimigo de André, Bruno Baldaracci (Paulo Autran). As artimanhas para separar o casal vão desde o sumiço de cartas e telegramas até um atentado contra Carina para incriminar André. As cenas da personagem são embaladas pela canção “Alouette”, de Denise Emmer, filha de Janete Clair e Dias Gomes.

O personagem de Tony Ramos também se envolve com Ana Preta, filha de Nestor Garcia (Dionísio Azevedo), apontado como uma das vítimas de seu pai, Malta Cajarana. Apaixonada por André, ela tenta ajudá-lo a desmascarar seus inimigos. No passado, a moradora do subúrbio carioca teve um caso com Baldaracci, que não desiste de reconquistá-la. Os desentendimentos da dupla trazem momentos espirituosos à trama, como quando Ana Preta chama Nuno de “panetone”. Jenny (Sônia Regina) é fruto do relacionamento do casal.

A personalidade de Ana Preta pode ser explicada pelos versos de “Pode Esperar”, na voz de Alcione, e de “Passarinho”, cantada pela Madrinha do Samba, Beth Carvalho: uma mulher forte, daquelas que não levam desaforo para casa. É dona da gafieira Flor de Lys, que tem Nancy (Regina Dourado), Tarsila (Tessy Callado), Lindaura (Lúcia Helena) e Teodoro (Carlão Elegante) como funcionários. Durante a novela, personalidades da música apresentam-se na casa de samba: Elza Soares, Nelson Gonçalves, Ângela Maria, entre outros.

PAULO AUTRAN: ESTREIA COM BAGAGEM DE EXPERIENTE

Veterano no cinema e no teatro, Paulo Autran estreou em novelas diárias com sua talentosa interpretação de Bruno Baldaracci. De cara, as falcatruas do vilão tragicômico causaram a reação contrária do público que, ao invés de odiá-lo, virou fã de suas tramóias.

O lado devoto à família é uma de suas qualidades, começando pelas óperas que o italiano gosta de cantar para o pai, Pietro (Manfredo Colasanti). Casado com Gilda (Maria Fernanda), eles moram em uma mansão em Nilópolis com os filhos Romão (Fernando Eiras), Clara (Rejane Marques) e Cirilo (Jorge Fernando). Além disso, Baldaracci também é pai de Jenny (Sônia Regina), fruto de um relacionamento extraconjugal com Ana Preta (Glória Menezes).

A DESCOMPENSADA WALKÍRIA DE ROSAMARIA MURTINHO

Janete Clair trata a esquizofrenia através de Walkíria, personagem que ficou emblemática pela interpretação de Rosamaria Murtinho. Um dos motivos de seu desequilíbrio emocional é a relação com a mãe, a autoritária Januária (Lélia Abramo), matriarca da família Limeira Brandão.

Desde a adolescência ela mantém uma paixão pelo primo, César Reis (Carlos Zara), que culmina em um noivado de dez anos. Quando ele termina tudo para ficar com a sobrinha Carina (Elizabeth Savalla), Walkíria se desespera e tem surtos psicóticos. Ao longo da novela, entrega seu amor a Gustavo Gurgel (Cláudio Cavalcanti). Na verdade, o galanteador é um vigarista e se chama Benedito da Conceição.

As músicas “A Chave do Mundo” (estreia de Marina Lima em trilhas) e “Mirrors” (Sally Oldfield) são destaque nas cenas de Walkíria.

POLÊMICAS: QUARTETO AMOROSO COM PADRE E ‘QUEM MATOU?’

Um quarteto amoroso que envolve um padre é um dos destaques na trama de Janete Clair. Aline (Nádia Lippi) é uma jovem enfermeira, voluntária na creche da igreja, comandada pelo padre Romão (Fernando Eiras). Da convivência nasce uma paixão secreta dele pela moça. Em determinada fase da novela, ele se declara para Aline, que lhe pressiona para largar a batina e assumir o amor improvável. Romão fica dividido entre o celibato e a amada. Durante o folhetim, Aline também se encanta pelo irmão do padre, Cirilo (Jorge Fernando) – de quem chega a ficar noiva -, e por Pepo (Osmar Prado). Mas os relacionamentos são interrompidos por armações.

Já a última semana de “Pai Herói” trouxe mais suspense à trama com o assassinato de César Reis (Carlos Zara). Walkíria (Rosamaria Murtinho), Hilário (Reinaldo Gonzaga), Bruno Baldaracci (Paulo Autran) e Gustavo Gurgel (Cláudio Cavalcanti) figuram a lista de suspeitos do misterioso “Quem Matou?”.

VIVA – Canal Globosat
“Pai Herói” – inédito

Estreia dia 17 de outubro
Horário principal: segunda a sábado, na faixa das 23h30
Horário alternativo: segunda a sábado, às 13h30

“TORRE DE BABEL”: A TRAMA POLÊMICA QUE CONQUISTOU O PÚBLICO

Novela de Sílvio de Abreu estreia 10 de outubro no VIVA

Os fãs de teledramaturgia já podem comemorar. Em outubro, o VIVA estreia três novelas emblemáticas: “Torre de Babel”, “Pai Herói” e “A Gata Comeu”.

O mês começa com “Torre de Babel”, que substitui “Meu Bem, Meu Mal” a partir do dia 10. Em 1998, a ousadia de Sílvio de Abreu vinha mais uma vez à tona no horário nobre da Globo. A trama repleta de mistérios, vinganças e conflitos marcou o folhetim, considerado um dos mais importantes da carreira do autor. A abordagem de temas até então considerados incomuns na televisão, como homossexualidade, violência e drogas na classe média, inicialmente virou polêmica na mídia e causou incertezas para o público.

"Torre de Babel" estará de volta no VIVA. (Foto: Divulgação)
“Torre de Babel” estará de volta no VIVA. (Foto: Divulgação)

“A novela foi muito especial e difícil. Pela primeira vez, neste horário, tinha-se a liberdade de falar de todos os assuntos que eram, até aquele momento, tabus. O primeiro capítulo já foi um escândalo. No dia seguinte, os jornais só falavam disso. Aí teve início um rebuliço, uma revolução, digamos assim. A imprensa começou a fomentar ainda mais escândalo do que a novela tinha. Com o decorrer da história, consegui segurar o público. E ele veio… e aí, veio de coração aberto. A novela explodiu e foi um grande sucesso. A trama é muito forte, com personagens muito fortes. Eu tinha fé”, descreve o autor, em entrevista exclusiva ao canal

De controvérsia e duvidosa, “Torre de Babel” conquistou o telespectador e virou mais um sucesso de tantos criados por Sílvio. Com colaboração de Bosco Brasil e Alcides Nogueira, direção geral de Denise Saraceni e direção de Carlos Araújo, José Luiz Villamarim e Paulo Silvestrini.

Personagens ambíguos e um elenco de peso fazem parte da trama: Adriana Esteves, Cacá Carvalho, Christiane Torloni, Claudia Jimenez, Claudia Raia, Cleyde Yáconis, Danton Mello, Edson Celulari, Glória Menezes, Juca de Oliveira, Karina Barum, Letícia Sabatella, Maitê Proença, Marcello Antony, Marcos Palmeira, Natália do Vale, Silvia Pfeifer, Stênio Garcia, entre outros.

20 ANOS COM SEDE DE VINGANÇA

Ambientada em São Paulo, a produção começa com uma cena de crime: o ex-perito em fogos de artifícios José Clementino (Tony Ramos), que trabalha como pedreiro na construção de um luxuoso shopping center, assassina a esposa ao flagrá-la com outros dois homens. Ele é condenado a vinte anos de prisão e, ao ser libertado, coloca em prática seu plano de vingança contra o dono da construtora, César Toledo (Tarcísio Meira), que colaborou para sua acusação. A explosão tão planejada do Tropical Towers acontece, e o enigma da vez é descobrir o responsável, que só é revelado ao fim da trama.

Mais de 200 mil dólares em equipamentos de efeitos especiais foram importados para as cenas da tragédia. A explosão durou aproximadamente seis minutos na novela.

DE JAMANTA A SANDRINHA

A comédia também foi destaque em “Torre de Babel” com personagens caricatos e bordões que ganharam as ruas.

A espevitada Sandrinha enfatizou o lado cômico de Adriana Esteves por sua atuação. Ao som de “Só no Sapatinho”, as aventuras da interesseira garçonete eram marcadas por nuances e trejeitos que cativaram o público. Ela divide o quarto de um cortiço com Bina (Claudia Jimenez). As duas também trabalham na lanchonete de Edmundo Falcão (Victor Fasano). Se Bina tem uma qualidade, é o humor. Espontânea e engraçada, vê sua vida mudar de um dia para o outro ao receber uma herança. Junto à sua melhor amiga, a cozinheira Luzineide (Eliane Costa), eternizou o bordão “Cala a boca, Luzineide!”. Outra frase bastante repetida por Bina era: “Tô podendo!”. Durante a trama, ela divide-se entre Gustinho (Oscar Magrini), Boneca (Ernani Moraes) e Falcão.

Por falar em Gustinho e Boneca, os dois meio-irmãos de Clementino são um sucesso à parte em “Torre de Babel”. No dialeto de Gustinho, o “percebe” é tão usado para pontuar suas falas, que vira complemento de seu nome artístico: Johnny Percebe. Ele faz sucesso como cantor romântico, mas, na verdade, quem tem o talento vocal é Boneca. Por se achar feio, prefere não se apresentar diante do público e empresta sua voz ao irmão.

Mas quem rouba a cena em “Torre de Babel” é Cacá Carvalho, com o carismático Jamanta, dono do bordão “Jamanta não morreu!”. Portador de deficiência mental, o personagem foi abandonado na porta do ferro-velho de Agenor (Juca de Oliveira). Jamanta encantou o público com seu jeito ingênuo e suas trapalhadas. Cada vez que é contrariado, manifesta um tique nervoso que desenvolveu com o passar dos anos. O sucesso do personagem fez com que Silvio de Abreu o trouxesse de volta na novela “Belíssima” (2005).

ATORES TRADICIONAIS. PAPÉIS INUSITADOS

“Ninguém esperava um ator popular ser vilão. Era normal que as pessoas se assustassem com a violência daquela cena no primeiro capítulo”, comenta Tony Ramos em entrevista ao VIVA, ao recordar José Clementino. Através do personagem, Silvio de Abreu debate a dificuldade de ex-presidiários ao tentarem retornar ao mercado de trabalho, diante da escassez de oportunidades e do preconceito social.

E não foi só o veterano que impressionou o público ao aparecer como vilão em “Torre de Babel”. Outros atores também se arriscaram em personagens pouco comuns em suas carreiras. Símbolo sexual no país, Claudia Raia vive o oposto com Angela Vidal. Ao longo da novela, a calculista empresária revela seu lado psicopata e sua paixão doentia por Henrique (Edson Celulari).

Tarcísio Meira (César Toledo) e Glória Menezes (Marta Toledo), o casal símbolo da TV brasileira, também são casados na ficção. Na novela, eles vivem uma crise e se envolvem em relações extraconjugais. Enquanto César reencontra Lúcia (Natália do Vale), um amor do passado, Marta conhece Bruno (Stênio Garcia). Já Marcello Antony ganha notoriedade com Guilherme Toledo, filho do casal. O caçula da família tem temperamento esquizofrênico e é viciado em drogas.

Christiane Torloni e Silvia Pfeifer formam o casal Rafaela e Leila. As duas mantêm uma relação amorosa há anos e, juntas, abrem uma butique de moda no shopping Tropical Towers.

DA SILVA X TOLEDO

De um lado a poderosa família Toledo. De outro, o convívio amargurado dos Da Silva no ferro-velho. José Clementino (Tony Ramos) é filho do violento Agenor (Juca de Oliveira), pai de Sandra (Adriana Esteves) e Shirley (Karina Barum). Ele sofre com a rejeição da filha mais velha, Sandrinha, que não lhe perdoa pelo assassinato da mãe. Shirley é o oposto da irmã: é a única que aceita o pai sem julgamentos. A moça tem um defeito físico na perna que afeta seu jeito de andar, consequência de um desentendimento com Sandrinha no passado. Ao se infiltrar na família Toledo, José Clementino conhece Clara (Maitê Proença), irmã de criação de Marta (Glória Menezes). A convivência faz com que Clementino tenha a chance de se redimir.

César Toledo (Tarcísio Meira) e Marta Toledo (Glória Menezes) têm três filhos: Henrique (Edson Celulari), Alexandre (Marcos Palmeira) e Guilherme (Marcello Antony). Henrique é o primogênito do casal e comanda os negócios do pai. Casado com Vilma (Isadora Ribeiro), com quem tem dois filhos, Junior (Caio Graco) e Tiffany (Stephani Neves), não perde a oportunidade de viver relações fora do casamento. Já Alexandre é cheio de ingenuidade e bondade. Envolve-se com Sandra (Adriana Esteves), que só tem interesse em seu status social. O mais novo dos três, Guilherme, é a ovelha negra da família. Também é uma das vítimas da explosão do shopping Tropical Towers. Ao longo dos capítulos, Celeste (Letícia Sabatella) surge na trama, e revela que teve um filho com ele, durante um rápido relacionamento no Mato Grosso. Guiminha é interpretado por Felipe Latgé.

VIVA – Canal Globosat
“Torre de Babel” – inédito
Estreia dia 10 de outubro

Horário principal: segunda a sábado, às 14h30
Horário alternativo: segunda a sábado, à 1h30

Mais informações e fotos: www.vivaparaimprensa.com.br

VOLTA ÀS AULAS NO DIA 12 COM A ESTREIA DA SEGUNDA TEMPORADA DA “ESCOLINHA DO PROFESSOR RAIMUNDO”

As férias escolares acabaram. A turma mais famosa da tevê brasileira passou de ano com nota 10 em bom humor e volta às telas nesta segunda, dia 12 de setembro, às 20h30, no VIVA

Sucesso em 2015 com sete programas, a nova versão da “Escolinha do Professor Raimundo”, parceria entre VIVA e Globo, ganha 16 episódios inéditos com Bruno Mazzeo e uma turma que dá aula de irreverência: Ângelo Antônio (Joselino Barbacena), Betty Gofman (Dona Bela), Dani Calabresa (Catifunda), Ellen Rocche (Capitu), Evandro Mesquita (Armando Volta), Fabiana Karla (Cacilda), Fernanda de Freitas (Marina da Glória), Fernanda Souza (Tati), Kiko Mascarenhas (Galeão Cumbica), Lucio Mauro Filho (Aldemar Vigário), Marcelo Adnet (Rolando Lero), Marcius Melhem (Seu Boneco), Marco Ricca (Pedro Pedreira), Marcos Caruso (Seu Peru), Maria Clara Gueiros (Cândida), Mateus Solano (Zé Bonitinho), Otaviano Costa (Ptolomeu), Otávio Müller (Baltazar da Rocha) e Rodrigo Sant’Anna (Batista). A nova “Escolinha” tem direção geral de Cininha de Paula e redação final de Daniel Adjafre e Péricles Barros.

Bruno Mazzeo, como professor Raimundo, volta para nova temporada da "Nova Escolinha do Professor Raimundo". (Foto: Divulgação)
Bruno Mazzeo, como professor Raimundo, volta para nova temporada da “Nova Escolinha do Professor Raimundo”. (Foto: Divulgação)

No programa de estreia, Seu Batista (Rodrigo Sant’Anna) aproveita a ausência de Professor Raimundo (Bruno Mazzeo) e dá autógrafos da biografia não autorizada que escreveu sobre o mestre. A fila de alunos se forma, mas o Professor flagra a cena ao entrar na sala. Ainda no episódio, Zé Bonitinho (Mateus Solano) chega atrasado porque seu Bonitomóvel foi parado na blitz da Lei Seca. Já Seu Boneco (Marcius Melhem) tem novidade: anuncia que agora é lutador de UFC. Na versão do personagem, o Ultimate Fight Championship vira Ultimêiti Fáiti Caxia. Dona Catifunda (Dani Calabresa) também arruma emprego novo. A animadora de festa infantil conta que inovou na profissão e lança brincadeiras como “milícia-e-ladrão”, “sequestrinho-relâmpago” e “pic-pega zika vírus”.

Na nova temporada, a cada episódio, Ptolomeu (Otaviano Costa) interpretará números musicais durante suas explicações. No primeiro programa, ele encarna Gaby Amarantos com o hit “Ex Mai Love”. Luciano Pavarotti, Reginaldo Rossi, Mr. Catra, Wesley Safadão e Joelma estão entre os artistas que serão lembrados pelo personagem no especial.

O programa estreia dia 12 de setembro no VIVA com 10 edições diárias, de segunda a sexta, às 20h30. A atração completa, com 16 programas, dentre eles seis inéditos, irá ao ar em outubro, aos domingos, na Globo, e em 2017, no VIVA.

Em 2015, a primeira temporada da nova “Escolinha do Professor Raimundo” garantiu a melhor audiência do VIVA no horário nobre. Durante a exibição dos episódios inéditos, o VIVA foi líder de audiência na TV por assinatura.