Arquivo da tag: Casablanca

As bebidas mais emblemáticas do cinema

Se você pretende combinar uma noite de coquetéis e filmes no sofá, aqui preparamos as melhores bebidas para desfrutar da sétima arte

Nos muitos anos em que o cinema nos conta histórias, o whisky e as bebidas icônicas estão na tela grande para nos fazer desfrutar, rir e, ocasionalmente, derramar uma pequena lágrima. O whisky é um personagem bastante conhecido em cenas que marcaram a indústria cinematográfica, onde, muitas vezes, é retratado como sinônimo de estilo e sofisticação.

Em nenhuma outra manifestação da cultura pop o whisky e os coquetéis são mais estreitamente identificados com humores, sentimentos e momentos específicos como nos filmes. Alguns serviram de inspiração para imortalizar as cenas mais icônicas da sétima arte, como aquela que é possivelmente a imagem mais famosa da história da tela, quando o ator Humphrey Bogart em Casablanca (1942), no papel de Rick Blaine ao lado do piano com um copo na mão, suspira por seu amor perdido, Ilsa Lund (Ingrid Bergman). Ao contrário da lenda, Rick não diz “Toque de novo, Sam”, mas as últimas palavras de “Bogie” na vida foram “Eu nunca deveria ter trocado o whisky pelos martinis”.

Algumas bebidas são simplesmente sinônimo de um momento da tela grande e do personagem que as aprecia. Da aficção de James Bond por The Macallan, o White Russian de “The Dude” em O Grande Lebowski (1998) e a mancha que deixa em sua barba ou a Vodka Tônica no bar de um hotel de Tóquio pela mão de Scarlett Johansson em Encontros e Desencontros (2003). E o que dizer do Manhattan improvisado de Marilyn Monroe no meio da noite na clássica comédia Quanto Mais Quente Melhor (1959) .

Por isso, reunimos uma seleção de bebidas icônicas que certamente encantarão os cinéfilos e os amantes de whisky. Se o seu gosto se inclina para filmes de ação, musicais, pelo whisky single malt ou pelos coquetéis, temos o filme perfeito com sua bebida ideal. Então, mãos à obra:

French 75

De todos os bares, talvez nenhum seja mais famoso do que o Rick’s Café Américain em Casablanca, propriedade do personagem de Humphrey Bogart, Rick Blaine. Nos cenários ambientados no bar, são servidos todos os tipos de bebidas, com destaque para vinho, conhaque, whisky e champanhe. Mas, a bebida que ganhou fama após ser pedida por Yvonne (Madeleine Lebeau) é a French 75, criada por soldados franceses na Primeira Guerra Mundial que leva o nome do canhão de artilharia Howitzer 75mm. Esse coquetel de espumante tem gim, suco de limão, açúcar e champanhe.

The Macallan 1962 Fine & Rare Whisky

O whisky sempre foi considerado uma bebida para pessoas sofisticadas, assim como o incomparável espião James Bond, que adora bebidas com personalidade, especialmente uma boa dose de The Macallan 1962. Em 007 – Operação Skyfall (2012) conhecemos o whisky favorito do agente 007, pois podemos ver uma sequência memorável ao estilo de Guillermo Tell com Daniel Craig e Javier Bardem, degustando um copo deste whisky escocês de 50 anos. Esta garrafa é especial porque é uma homenagem ao 50º aniversário do primeiro filme de James Bond, intitulado 007 Contra o Satânico Dr. No, lançado em 1962 e dirigido por Terence Young.

Vodka Tônica

No primeiro encontro entre Charlotte (Scarlett Johansson) e Bob (Bill Murray) em Encontros e Desencontros, ele pede um whisky, enquanto ela mostra como estava perdida em Tóquio, sem saber o que pedir ao garçom. No final, ele decide por uma juvenil Vodka Tônica, coquetel feito principalmente com vodka, suco de limão e água tônica, que contrasta com o caráter envelhecido do whisky. Essa cena inicia a conversa entre os protagonistas, permanecendo no imaginário coletivo dos cinéfilos como a bebida da melancolia e a companhia ideal para enfrentar a solidão de uma nova cidade.

White Russian

Uma das combinações mais emblemáticas de coquetéis e filmes nas últimas décadas foi o White Russian e o bigode do ator Jeff Bridges em O Grande Lebowski (1998). Inseparáveis durante boa parte do filme, poucos elementos do filme contribuem para demonstrar o caráter preguiçoso de “The Dude”, como pagar um litro de leite com cheque pessoal para misturá-lo constantemente com um dos coquetéis menos populares da época. A comédia policial dos irmãos Coen fez grandes coisas por este digestivo cremoso. A inclusão da bebida neste clássico cult fez com que uma geração mais jovem, que perdeu o apogeu do White Russian em meados do século, se deleitasse com a combinação de vodca, licor de café e creme de leite.

White Angel

Holly Golightly, de Audrey Hepburn, no clássico Bonequinha de Luxo (1961) gosta de beber, sejam coquetéis com champanhe, Manhattans ou Mississippi Punch (uma mistura de conhaque, bourbon e rum). Mas, o favorito dela é, claro, o White Angel. Por mais que tente escapar de outra versão do martini, Holly costuma pedir o coquetel “meio vodca, meio gim, sem vermute” no bar de Joe Bell. Esta comédia romântica dirigida por Blake Edwards e baseada no livro homônimo de Truman Capote não seria a mesma sem o White Angel, a bebida preferida da extravagante Holly Golightly.

Manhattan

Quanto Mais Quente Melhor é considerado um dos melhores filmes clássicos de comédia de todos os tempos, com uma combinação atrativa de Marilyn Monroe, Tony Curtis e Jack Lemmon vestidos de mulher, boa música e uma gangue de gângsteres que não podem dar uma pausa. Marilyn Monroe cativa o público com seu glamour. Como não lembrar da cena em que ela sacode um Manhattan em uma “coqueteleira” em uma garrafa de água quente. O professor Billy Wilder dirigiu este famoso filme em 1959. A essa altura, o coquetel Manhattan já era conhecido, mas com essa cena cômica sua popularidade disparou. Esta bebida clássica é feita com whisky, vermute tinto, gelo e uma cereja marrasquino para enfeitar.

Por falar em clássicos do cinema e do whisky, The Macallan apresentou recentemente James Bond 60th Anniversary Release, com o qual a destilaria escocesa comemora seis décadas de filmes protagonizados pelo lendário Agente 007. A coleção extraordinária compreende seis garrafas de edição limitada contendo whisky single malt em recipientes exclusivos, cada um apresentando um design ilustrativo original e cores que evocam as décadas que representam.

Brissa Ioselli aponta quatro destinos internacionais para ter experiências gastronômicas e sociais únicas

A ex-participante do MasterChef Brasil e expert em gastronomia Brissa Ioselli aponta quatro lugares no mundo onde é possível aliar gastronomia, com ingredientes e sabores exclusivos, ao turismo e lifestyle

Brissa Ioselli, ex-participante do MasterChef Brasil e influenciadora digital, une o seu amor pela gastronomia o seu amor por viagens em roteiros turísticos fascinantes, e partilha suas experiências com seus mais de meio milhão de seguidores nas redes sociais.

Adepta de um estilo de vida saudável, sem dietas radicais e restritivas, Brissa procura sempre transmitir a mensagem de que é possível aliar o prazer de comer e desfrutar de experiências gastronômicas com uma rotina que permita manter a boa forma: “não vale a pena abdicar do prazer de uma taca de vinho ou de uma iguaria gastronômica quando se visita um lugar especial em nome de se manter sempre magra. É possível, com equilíbrio e moderação, obter o melhor dos dois mundos, se abrindo à possibilidade de se permitir viver novas e inenarráveis experiências culturais, sociais e gastronômicas sem abdicar da boa forma. O equilíbrio é a chave.”

Brissa Ioselli aponta 4 destinos internacionais para viver experiências gastronômicas únicas em todo o mundo, com pratos criados com ingredientes endêmicos, que não podem ser apreciados da mesma forma em nenhum outro lugar. Confira:

França 
Lyon – L’auberge du Pont Collonges 

Sopa de cebola do L’auberge du Pont Collonges. (Foto: Divulgação)

Este é o restaurante do chef Paul Bocuse, que tem 3 estrelas Michelin – Recomendo a sopa de cebola, que é super tradicional, sendo um prato emblemático e lendário do restaurante, preparado de forma exclusiva. Ela é feita com caldo de carne, vinho branco, trufas negras, foie gras, cenoura, cebola, salsão, carne, pitadas de sal marinho e pimenta-do-reino, fechada por uma massa folhada para preservar o calor e os aromas. Foi criada em 1975 para um almoço do então presidente francês Valéry Giscard d’Estaing.

Paris –  Le Procope  

Ravioli do Le Procope. (Foto: Divulgação)

Este é o mais antigo de Paris em operação contínua, desde 1686 – O mini ravioli é inesquecível. Esse restaurante foi frequentado por grandes nomes como Molière, Robespierre, Danton, Voltaire, Rousseau e até mesmo Napoleão Bonaparte.

Chile
Casablanca – Vinícola Casas del Bosque  

Casa Del Bosque. (Foto: DIivulgação)

Espanha
Madrid – Café San Gines

Churros de madrid. (Foto: Divulgação)

Fundada em 1894, a Chocolatería San Ginés está localizada no coração de Madrid e é reconhecida por servir o mais gostoso e famoso churros da cidade. Vale o passeio. Nas paredes do café você consegue ver fotos de todas as personalidades famosas que já estiveram por lá.

5 destinos fascinantes e imperdíveis no Marrocos

Agência Abreu lista o que não pode faltar no roteiro por esse incrível país africano

O Marrocos segue conquistando o coração dos brasileiros com o seu charme que é um caldeirão de cultura oriental, africana e europeia. Segundo a Abreu, especialista em levar turistas aos melhores destinos ao redor do globo, a procura pelo país tem aumentado gradualmente nos últimos anos, tendência que se mantém neste princípio de 2019.

Por isso, a agência separou os cinco destinos mais fascinantes do Marrocos e que não podem faltar no roteiro de viagem dos brasileiros.

Marrakech

(Foto: Turismo do Marrocos)


É uma cidade que mistura bem o tradicional e o contemporâneo, garantindo sensações incomparáveis aos visitantes. De um lado, cores brilhantes, aromas orientais, passeios em carruagem e riquezas arquitetônicas. Do outro, avenidas amplas, boutiques de luxo e locais festivos. A Abreu sugere visitas ao verdadeiro oásis que é o Jardim Majorelle e à Mesquita Koutoubia.

Casablanca

(Foto: Turismo do Marrocos)


Palmeiras contornando avenidas largas, praias maravilhosas e uma cidade efervescente: poderia ser um destino tropical, mas estamos falando de Casablanca. Combinando modernidade com bairros antigos, heranças muçulmanas e árabes e vestígios coloniais, é uma cidade múltipla e apaixonante. Seu cartão de visitas é a Mesquita Hassan II, a segunda maior do mundo.

Fez

(Foto: Turismo do Marrocos)


Fez tem uma atmosfera única, que irradia mais de treze séculos de história. Sua medina é lendária, assim como as madraças, belíssimas escolas de estudos islâmicos. Um de seus pontos turísticos mais icônicos é a fonte Nejjarine. Segundo a Abreu, é um bom ponto de partida para explorar Volubilis, o mais extenso sítio arqueológico romano no Marrocos.

Rabat

(Foto: Turismo do Marrocos)


O litoral da capital marroquina é só um dos motivos para visitar esta cidade, que também conta com muitos espaços verdes e cultura de sobra, com obras de arte decorando ruas e praças. O imponente Palácio Real é rodeado por uma enorme muralha e possui um vasto pátio, colégio, mesquita e edifícios do governo.

Meknès

(Foto: Turismo do Marrocos)


Esta cidade é um verdadeiro museu a céu aberto, com muitas surpresas para os visitantes. Com construções consideradas Patrimônio da Humanidade da UNESCO, como a medina e os vestígios do palácio real, o destino tem uma das principais obras hispano-mouriscas do mundo: a porta Bab Mansour, na praça El Hedime. Outros pontos impressionantes são o Estábulo Real, que chegou a abrigar 12 mil cavalos, e o Mellah, antigo bairro judeu.

A Abreu tem diversos pacotes para o Marrocos a partir de US$ 729. O circuito “Cidades Imperiais”, com todos os destinos citados acima, tem saídas exclusivas do Rio de Janeiro e São Paulo. Para mais informações, acessewww.abreutur.com.br ou entre em contato com seu agente de viagens.