Arquivo da tag: Denise Fraga

DENISE FRAGA E DOMINGOS MONTAGNER SÃO DESTAQUES NO PÔSTER DO LONGA DE ONDE EU TE VEJO

Com direção de Luiz Villaça, longa tem estreia marcada para 7 de abril

A Warner Bros. Pictures divulga o pôster do novo longa do diretor Luiz Villaça (“O Contador de Histórias”) De Onde Eu Te Vejo, uma comédia romântica protagonizada por Denise Fraga (“As Melhores Coisas do Mundo”, série de TV “Retrato Falado”) e Domingos Montagner (“Gonzaga – De Pai Para Filho”). A imagem (anexa) destaca os personagens principais Fábio e Ana Lúcia.

Pôster o filme "De Onde Eu Te Vejo". (Foto: Divulgação)
Pôster o filme “De Onde Eu Te Vejo”. (Foto: Divulgação)

De Onde Eu Te Vejo conta a história de amor de um casal através de sua separação. Em meio a uma São Paulo em constante mudança e efervescência cultural, Ana Lúcia (Denise) e Fábio (Domingos) se separam após 20 anos de casamento e ele passa a viver no apartamento do outro lado da rua.

Eles terão que aprender a viver a nova realidade – a separação, a crise no trabalho e a mudança de cidade da filha – e perceberão que no meio da confusão da vida moderna é possível reinventar uma nova forma de amar.

Completando o elenco do filme estão Marisa Orth, Juca de Oliveira, Laura Cardoso, Fúlvio Stefanini, Marcelo Airoldi, Laila Zaid e Manoela Aliperti.

O longa tem direção de Luiz Villaça, realizador de filmes como “O Contador de Histórias”, “Cristina Quer Casar” e “Por Trás do Pano”, além da série de TV “Retrato Falado”. O roteiro é de Leonardo Moreira e Rafael Gomes.

De Onde Eu Te Vejo é uma produção da BossaNovaFilms e uma coprodução da Globo Filmes e Warner Bros. Pictures, que também é responsável pela distribuição do longa com estreia prevista para 7 de abril de 2016.

“Galileu Galilei” com Denise Fraga volta ao Tuca

A importância dessa revisita a Bertolt Brecht é justamente o seu caráter popular, já comprovado no grande êxito de Alma Boa de Setsuan, que ficou em cartaz por dois anos e meio, com mais de 220 mil espectadores.  Foi durante esse período que surgiu a ideia de montar Galileu Galilei.

“Cada vez que eu lia o texto, um frisson invadia meu peito. A origem de um projeto de teatro para mim é quase como uma fofoca. Ao ler o texto é como se eu escutasse algo no ouvido que eu não pudesse deixar de passar adiante. A necessidade de me apoderar das palavras de um autor e dar comunicabilidade ao que parece encarcerado no papel é o que me move, me empurra pro palco.  Quando vejo, já estou lá, tentando fazer voar tal ideia.  Tomei coragem e resolvi ser Galileu”, diz Denise, que, a partir de maio, dará vida ao grande cientista italiano redesenhado por Brecht, que se apropria desta situação histórica e, com afiado humor e ironia, abre ramos da riqueza desse conflito para além do acontecimento.

Denise Fraga volta ao palcos com "Galileu Galilei", no TUCA, dia 29/01. (Foto: João Carlos)
Denise Fraga volta ao palcos com “Galileu Galilei”, no TUCA, dia 29/01. (Foto: João Carlos)

Denise Fraga convidou Cibele Forjaz para dirigir essa montagem, realizando um desejo que alimentava há anos. “Quando Denise me convidou, juntou a fome com a vontade de comer: o desejo de trabalhar com ela e a vontade de voltar ao texto de Brecht que já havia montado no final dos anos 90.Denise é uma atriz que sempre admirei de longe e que me ganhou totalmente quando trabalhamos juntas numa leitura de “Ponto de Partida”, de Gianfrancesco Guarnieri”, diz Cibele.  “Ela tem um desejo obsessivo de ensaiar, assim como eu. Somos operárias do teatro e nos reconhecemos profissionalmente!”. Por sua vez, Denise vê em Cibele uma sensibilidade única que “nos leva para o campo dos sonhos, nos fazendo acreditar numa história ao mesmo tempo em que vemos a mágica do fazer teatral.  Brecht ia adorar Cibele.  Cibele adora Brecht.  Esta senhora da luz não ilumina não só o palco com suas lindas imagens,  mas faz brilhar cada linha de uma ideia.”

Brecht costumava falar em seus diários da necessidade de DIVERTIR PARA COMUNICAR e empregou essa receita em toda a sua obra. “Ele se faz valer de uma boa história, do humor e do entretenimento para deixar claras as suas ideias. A grande estrela deGalileu Galilei é o poder da palavra. A clareza de raciocínio, o humor, o fio inebriante por onde Brecht escolhe contar essa história nos leva passo a passo a um profundo estado de reflexão”, relata Fraga.

Na Itália do século XVII, Galileu consegue construir um telescópio melhor que os existentes e explorar os céus como nunca antes haviam conseguido.  Com os satélites de Júpiter, ele finalmente comprovaria a doutrina de Copérnico de que o Sol é o centro do Universo e de que a Terra se move e gira em torno dele. Galileu passa a defender e a propagar esta ideia, apesar de saber que ela era contrária ao dogma da Igreja.  Entretanto, este homem apaixonado, o cientista genial movido por uma nova verdade, vê os senhores do poder estabelecido se negarem à obviedade dos fatos.

A ideia da Terra não ser o centro do Universo ameaçava convenientes estruturas de poder.  Estávamos em 1609,  em pleno movimento da Contra Reforma.  Galileu tinha muito prestígio e amizades dentro do próprio clero e acreditou que, com este escudo, poderia seguir em frente para instalar seu novo esquema de mundo.  Ledo engano.  Foi perseguido pela Santa Inquisição, processado duas vezes, e, ameaçado de tortura, foi obrigado a negar, abjurar, suas ideias publicamente. Somente em 1992, mais de três séculos após a sua morte, a Igreja reviu o processo da Inquisição e decidiu pela sua absolvição.

Mas não é só da biografia de Galileu que Brecht quer falar.

“Privilegiando a vida à história, o homem ao herói, seu Galileu Galilei nos faz acreditar  que a história do mundo foi construída por homens que tinham suas fraquezas e suas dúvidas misturadas a seus atos de coragem e clareza. Homens que acordam, lavam o rosto, tomam seu café́ com leite e, mobilizados por suas ideias e projetos, muitas vezes, se enredam em terríveis jogos de poder”  – completa Denise.

Brecht coloca em xeque o herói, seu significado social, a discutível necessidade de sua existência numa sociedade que compromete sua liberdade em seus inevitáveis jogos de poder.  Com isso, chama toda a plateia para compartilhar de sua questão

O espetáculo da diretora Cibele Forjaz desvenda o fazer teatral diante do público, com atores que manipulam o cenário e fazem a contra-regragem, totalmente disponíveis artisticamente para contar a história que Brecht reinventou, trazendo à cena uma profusão de formas, conceitos, parodias grotescas, cenas pungentes, emoção e muito riso, um estranhamento carnavalizado com a intenção de, talvez, criar um espetáculo genuinamente épico brasileiro.  O elenco mistura atores parceiros de longa data de Denise e de Cibele, em sua Cia Livre: Ary França, Rodrigo Pandolfo, Lúcia Romano, Maristela Chelala, Vanderlei Bernardino, Jackie Obrigon, Luís Mármora, Silvio Restiffe e Théo Werneck – como ator e músico.  “Juntamos um time de dar água na boca. Nosso super objetivo em comum: contar muito bem a história de Brecht-Galilei!”, fala Cibele

A trilha sonora de Lincoln Antônio e Théo Werneck cria novas canções, ambientes sonoros e reinventa músicas originais de Hanns Eisler para a obra original de Brecht. Márcio Medina cria um interessante espaço cenográfico valorizando as inúmeras analogias ao movimento circular sugerido pelo texto. Os figurinos de Marina Reis passam pela Renascença chegando até o futuro próximo, ora identificando épocas, ora sugerindo a atemporalidade das questões e, finalmente, a luz de Wagner Antônio contribui para criação de climas e espacialização, valorizando  a ótica e a luz tão estudadas por Galileu.

Se, em A Alma Boa, a questão principal era: “Como ser bom e ao mesmo tempo sobreviver no mundo competitivo em que vivemos?”, em Galileu, ela extrapola os limites do individual e pergunta: “Como posso ser fiel ao que penso sem sucumbir ao poder econômico e político vigente? Como contribuo para o avanço social sem me preocupar unicamente com meu conforto individual?”

Galileu Galilei é uma profunda e divertida reflexão sobre o que somos, o que viramos, o quanto abandonamos de nós, a luta de classes, o “ser mandado” e “ser patrão”, a tirania do poder econômico, as liberdades de escolha e o preço a pagar por elas.

A quantos absurdos conseguiremos nos submeter com cara de paisagem?

“O que eu espero é divertir as pessoas com um espetáculo festivo e fazê-las sair do teatro pensando em qual será a nossa alternativa para escapar desta areia movediça. Reiterar a fé na ideia de que o conhecimento e a razão humana ainda são os  melhores instrumentos de luta contra a repressão, a injustiça, a miséria e o único caminho possível para o avanço social.” –  acredita Denise.

GALILEU GALILEI – Teatro Tuca (672lugares)

Rua Monte Alegre, 1024 – Perdizes

Informações: 3670.8455

Vendas: www.ingressorapido.com.br e 4003.1212

Bilheteria: de terça a domingo a partir das 14h. Aceita dinheiro e todos os cartões, crédito e débito. Não aceita cheque. Acesso para deficiente. Ar-condicionado. Vallet no teatro aos sábados e domingos – R$ 20. Estacionamento conveniado: Píer Park da Rua Monte Alegre, 835 – R$ 14.

Horários:

Sextas e Sábados às 21h | Domingos às 19h

Ingressos:

Sextas R$ 50 | Sábados e Domingos R$ 70

Duração: 140 minutos

Recomendação: 12 anos