Arquivo da tag: Enoturismo

Villa Brunholi completa 30 anos de turismo e gastronomia em Jundiaí

Reconhecido pela culinária italiana e vinhos tradicionais, complexo também tem inovado portfólio e é o primeiro exportador de caipirinha 100% natural

Há 30 anos, a família Brunholi iniciava a empreitada de transformar as terras que abrigavam plantações de uva para fabricação de vinhos e sucos em algo maior – um complexo que reuniria restaurante, turismo e uma lojinha para vender as delícias fabricadas no local: vinhos, licores, geleias, sucos, doces e massas. O que iniciou como um pequeno negócio inovador, é hoje um dos principais pontos do turismo de enogastronomia do interior de São Paulo, tendo em torno de 100 colaboradores e produtos premiados internacionalmente.

Ao longo dos anos, a Villa Brunholi expandiu e se tornou um complexo de turismo completo: serve almoço e jantar à la carte durante a semana, às sextas a noite, os clientes ainda podem aproveitar o Festival de Massas, que, com um valor único por pessoa é possível provar vários pratos do menu. Aos finais de semana, um café colonial com pães, bolos, geleias, antepastos e várias delícias produzidas no local. A opção é um verdadeiro convite a um descanso no redário após a refeição e uma caminhada pelo pomar e mini-fazenda, que depois pede uma nova parada no restaurante para um almoço autenticamente italiano: molhos e massas produzidos no local, e as ervas do molho pesto são colhidas diretamente na horta da Villa Brunholi, com um perfume e sabor irresistíveis.

Viila Brunholi completa 30 anos. (Fotos; Edu Guimarães)

Para Sandra e Paulo Brunholi, irmãos e quarta geração à frente do empreendimento familiar, o crescimento do local sempre foi gradativo e constante. “Tudo começou com a venda dos vinhos, depois iniciamos uma pequena loja, 10 anos depois, reformamos e se tornou uma adega. Na sequência, inauguramos o restaurante, depois veio a fábrica de bebidas, ampliamos a adega e construímos o Museu do Vinho. É um crescimento que nunca para, sempre de olho nas tendências e nos turistas, buscando oferecer diferenciais e comodidades, como é o caso da nossa brinquedoteca que tem um espaço amplo e várias atrações para as crianças”, relembra Paulo, que é também engenheiro químico e criador de bebidas autênticas da casa.

Apesar da tradição do local estar ligada aos vinhos Brunholi, a inovação não poderia ficar de fora, e a Villa Brunholi tem uma linha de cachaças premiadas, como é o caso da Cachaça Ouro, que recebeu medalha de ouro no Festival de Bruxelas, e a Cachaça Premium Envelhecida, que ganhou medalha de ouro no Concurso Nacional de Destilados do Brasil. O portfólio de bebidas também ganha destaque com o gin Decreto 89 e a estrela da adega: a Caipirinha Brunholi, que é 100% natural e conquista turistas de todas as partes, sendo a primeira caipirinha engarrafada que leva apenas três ingredientes: cachaça, limão e açúcar. A novidade já tem sido exportada e vem conquistando espaço na República Dominicana, Reino Unido e Portugal.

Enoturismo é na Villa Brunholi. (Fotos; Edu Guimarães)

Com o intuito de comemorar o marco de 30 anos, a Adega Brunholi lança, em setembro, a nova bebida do portfólio: o Limoncello Brunholi, trazendo uma homenagem às raízes italianas, já que a bebida é quase “uma caipirinha italiana”. Também foram desenvolvidos pratos e sobremesas que harmonizem com a novidade, deixando o menu do restaurante com pedidos especiais para marcar essa nova fase.

Festa especial acontece em setembro

No dia 21, a partir das 20h, é comemorada a festa de 30 anos da Villa Brunholi, com menu desenvolvido pelo chef Gilli Lima, reconhecido pelo trabalho internacional na Itália e Grécia, com entrada, prato principal, sobremesa, água e vinho Brunholi inclusos. O valor para participar do jantar é de R$150 (individual) ou R$250 (casal) e a festa conta com músicas italianas do I Cantanti D´Italia, um grupo tradicional de Jundiaí, que resgata as tradições italianas. Informações pelos telefones: (11) 4584-1219 e (11) 4584-7619.

Confira o menu:

Mesa de pães e antepastos de entrada – pão italiano, focaccia, ciabata, grissini, corniccione ao limone, salame italiano e lombo defumado, provolone, parmesão, gorgonzola e brie com mel, sardela, alichela, antepasto de berinjela e azeitonas

Pratos principais (empratado em serviço sequencial) – risoto da casa com linguiça calabresa fresca ao alecrim, abóbora kabocha e pimenta biquinho; rondelle de espinafre com ricota, mozarela, catupiry e tomate seco ao molho branco; cordeiro ao molho de vinho branco, acompanhado de coalhada seca com hortelã e batatas rústicas.

Sobremesa – Trilogia de chocolate -três mini sobremesas especiais da casa (cannoli de Nutella, tiramissu e chocoterapia, um exclusivo brownie, mergulhado em ganache de chocolate e coberto com chantilly e farofa de pistache, servido com sorvete de creme).

Tours enológicos na França

Pacotes da operadora Françatur para as regiões da Borgonha e Provence incluem degustações e visitas às famosas maisons de vinho

A França traz o vinho em seu DNA. Com 15 regiões principais que há séculos se dedicam à produção da bebida, o país é um dos maiores – e melhores – fabricantes do líquido de Baco no mundo. E é para algumas dessas aclamadas regiões vinícolas que a operadora Françatur oferece pacotes repletos de degustações e visitas às famosas maisons produtoras.

Na Borgonha, uma das áreas da França mais lembradas quando o assunto é vinho, o roteiro de três dias inclui ida à cave Domaines Famille Picard, em Beaune, com direito à prova da bebida. Lá, também são visitados uma fábrica de mostarda, outro símbolo da região, e o Museu do Vinho. Paradas em Vézelay, Saulieu, Semur-en-Auxois, Dijon e Vougeot completam a programação.

Enoturismo é uma das opções da Françatur. (Foto: Divulgação)

Já a Provence mostra que suas deslumbrantes paisagens não são terreno fértil apenas para a imaginação de pintores e escritores, mas também para uvas que originam vinhos muito característicos, caso do icônico Châteauneuf du Pape. É o que comprovarão os participantes deste roteiro de três dias, que prevê degustação tanto num domaine (propriedade com uma longa história relacionada ao vinho) produtor de algumas das melhores safras do Vale do Rhône como no Palácio dos Papas, em Avignon, a portentosa construção que serviu de sede à Igreja Católica no século 14.

Mais informações no site www.francatur.com.br ou nos telefones (21) 2102-2440 e (11) 3149-3163.

Fim do ano no Chile com hospedagem em premiada vinícola

Viña Matetic e seu hotel La Casona estão localizados em meio à bela natureza do Vale do Rosário

Uma viagem ao Chile pode ser tudo o que você precisa para finalizar o ano com o pé direito e começar o próximo com o corpo e a mente relaxados. O hotel La Casona, localizado dentro da premiada Vinícola Matetic, no Vale do Rosário, a 120 quilômetros da capital de Santiago, está rodeado por uma natureza exuberante, com paisagens únicas, vinhedos orgânicos e biodinâmicos, e uma flora e fauna sem igual, sendo ideal para escapar da rotina.

São diversas opções de atividades pelos mais de 9.000 hectares da propriedade, com passeios a cavalo, de bicicleta, de carro ou caminhadas de todos os níveis. Outro grande destaque da região é a sua gastronomia, que ressalta ingredientes locais, cultivados de maneira sustentável. Não à toa, o restaurante da Matetic, o Equilibrio, ficou com o primeiro lugar na renomada premiação mundial “Great Wine Capitals” 2018. O ambiente completa a experiência com seu design aconchegante e sofisticado, feito a partir de materiais nobres, com vista para o parque e para o lago.

Matetic La Casona 176 P.jpg
Viña Matetic é opção para o reveillon para os amantes de vinho. (Foto: Divulgação)

Ainda, para acompanhar os pratos, pode-se escolher um dos contemplados vinhos produzidos na vinícola, como o tinto EQ Pinot Noir 2015, com sabor intenso e textura fresca devido às notas de frutas vermelhas misturadas com especiarias, o Matetic Syrah, ou os da linha Corralillo, todos com destaque positivo em importantes publicações na imprensa internacional, como “The Wine Advocate” de Robert Parker, no guia de vinhos “Descorchados 2019” e na revista “Wine & Spirits”.

“Para nós é muito gratificante receber este tipo de reconhecimento, pois reafirma o trabalho profissional e de grande dedicação realizado todos os dias por nossa equipe, sempre orientados a oferecer um excelente atendimento a quem nos visita”, comenta María Paz Fernández, Gerente de Turismo da Vinícola Matetic.

A preocupação com o meio ambiente também está entre os compromissos do empreendimento, que foi escolhido para receber o 8º Encontro de Viticultores Biodinâmicos do Sul, ocasião que formou a associação de vinhedos biodinâmicos da América Latina, a fim de promover ações sustentáveis entre os produtores.

Já o hotel-boutique La Casona é reconhecido pela sua infraestrutura, que conta com 10 apartamentos elegantemente decorados, sala de estar com lareira e mesa de bilhar, terraço com piscina e espaço para eventos. Foi classificado como o melhor da região de Casablanca pelo TripAdvisor, que concede o certificado a partir de avaliações positivas dos hóspedes e viajantes. Recentemente, também entrou para o “Hall da Fama” do site, após receber o Certificado de Excelência por 5 anos consecutivos (https://www.tripadvisor.cl/Hotel_Review-g1023792-d1018193-Reviews-Hotel_La_Casona_de_Vina_Matetic-Casablanca_Valparaiso_Region.html).

Mais informações sobre a Vinícola Matetic e o La Casona podem ser obtidas em www.matetic.com, no telefone (+56) 22611-1520, nas redes sociais @mateticvineyards, no e-mail reservas@mateticwg.comou com os principais operadores e agências de turismo brasileiros.

Dez vinhos para provar durante as vindimas do Alentejo

Região portuguesa é notória produtora da bebida e garante rótulos de muita qualidade

É tempo de vindimas no Alentejo, a região mais autêntica de Portugal. É no mês de setembro que os produtores do excelente vinho local colhem as uvas e dão início a um processo que resulta em algumas das melhores bebidas do mundo. Nesta época, o destino fica cheio de programações exclusivas, que vão desde a colheita até a pisa das uvas.

Tudo é feito com muito carinho e alegria, até porque o período das vindimas é um momento de festa para aqueles que cuidaram das vinhas o ano todo. E que tal aproveitar esta fase para provar alguns dos rótulos alentejanos? Listamos dez deles abaixo.

Prova de Vinhos 2 - Herdade dos Grous - Credito Turismo do Alentejo.JPG
Alentejo também é conhecida por seus vinhos. (Foto: Divulgação)

Malhadinha
É o mais famoso rótulo da Herdade da Malhadinha Nova, que nasceu com o sonho de produzir o melhor vinho do mundo. Se ainda não chegaram lá, estão perto, e o Malhadinha tinto é prova disso: feito a partir de diversas castas, apresenta um aroma complexo de paladar cheio.

Torre de Palma
Em Monforte, o Torre de Palma mostra que é possível, sim, ser muito bom em várias coisas. É um hotel de primeira linha, que oferece muita qualidade e conforto aos seus hóspedes, mas também é o orgulhoso produtor de vinhos inesquecíveis, sejam eles tintos ou brancos.

Torre
O Esporão é um respeitado produtor de vinhos, que está entre os mais conhecidos da região alentejana, e o Torre é um de seus rótulos tintos, memorável, icônico e muito original. Feito com uvas colhidas manualmente e envelhecidas em barricas de madeira francesa, garante um sabor único.

Equinócio
Um branco de personalidade, o Equinócio é uma bebida que encanta ainda mais quando se conhece onde e como ele foi criado: o Cabeças do Reguengo. É uma propriedade fascinante, empenhada em fazer slow wines. Esta quinta familiar recupera o sistema agrícola tradicional e aposta nos elementos da natureza.

Invisível
O Invisível é um dos projetos originais da Ervideira. A curiosidade é que ele consiste em um vinho branco feito com uvas tintas. Isso é possível pois utilizam apenas a “lágrima” da uva, gotas de suco que se tiram da mesma sem esmagá-la nem usar a casca. Impossível não ficar curioso para provar.

Monte dos Amigos
Fáceis de beber, os vinhos Monte dos Amigos foram desenvolvidos pela Casa Relvas para celebrar a amizade. Tinto, branco ou rosé são perfeitos para acompanhar uma roda de conversa com aquelas companhias queridas.

Monsaraz
Este rótulo da CARMIM conta com diversas variações de tinto. Se o clássico é macio e redondo, o Monsaraz Millennium tem taninos firmes e final de prova prolongado. O Reserva, por sua vez, é amplo e profundo, enquanto o Cabernet Sauvignon é potente e fresco. São inúmeras opções para agradar qualquer enófilo.

Arché
Este não é um vinho, mas uma aguardente vínica, produzida pela Herdade do Sobroso. Feita com destilação lenta e harmoniosa e envelhecida durante mais de 10 anos em barricas de carvalho francês, tem alto teor alcoólico, aroma de vinho e notas de especiarias.

Herdade dos Grous Moon Harvested
Esta edição nasce da aplicação de conhecimentos ancestrais, que dizem que os ciclos da lua interagem com o desenvolvimento das plantas. Por isso, suas uvas foram colhidas manualmente na fase lunar mais adequada, resultando em uma bebida de cor rubi profunda e sabor rico.

Marquês de Borba Branco
Para preservar a frescura, as uvas são colhidas de manhã cedo e vão direto para pequenas caixas, começando assim a produção de um vinho branco de acidez bem marcada e casada, desenvolvido pela adega João Portugal Pramos.

Do Douro ao Alentejo, Portugal oferece grande diversidade de roteiros enoturísticos

Conheça as principais rotas de vinhos do país luso e suas especificidades

É impossível falar de Portugal e não lembrar da extensa variedade de vinhos que já é marca registrada em todo o mundo. Afinal, são mais de 250 castas de uvas que proporcionam ampla oferta de todos os tipos. A grande presença de regiões vinícolas de norte a sul coloca o país no mapa do enoturismo e tem atraído cada vez mais visitantes que desejam não apenas experimentar os sabores, mas também conhecer todo o processo de fabricação e sentir o vinho.

Apesar de sua curta extensão, Portugal oferece uma série de roteiros que proporcionam a ampla dimensão do enoturismo, que inclui não somente as adegas, vinhas e caves portuguesas, mas também uma viagem cultural pelas tradições e costumes das regiões, quintas e casarões históricos, desfrutando vinhos e outros produtos de produção própria, como os frutos e compotas, queijos, azeites e doçaria artesanal. No fim do verão, há também as emblemáticas vindimas, o período da colheita e de celebrações típicas.

Tudo isso em hotéis e acomodações que, embora sejam frequentemente associadas ao turismo rural, possuem a infraestrutura e tecnologia que dão a Portugal o status de um país autêntico, genuíno e moderno.

image002.jpg
Alentejo possui rotas para conhecer os melhores vinhos de Portugal. (Foto: Divulgação)

 

De norte a sul

Duas regiões concentram os maiores espaços dedicados ao enoturismo português. No Norte, o Vale do Douro é a grande referência em produção vinícola e naturalmente possui uma tradição em receber turistas, sobretudo o Alto Douro Vinhateiro, Patrimônio Mundial da Unesco, onde se produz o famoso vinho do Porto. Além das vinhas e adegas, a região traz um misto de vilas calmas e aprazíveis com paisagens de vinhedos, castelos e outros lugares onde vale muita a pena fazer uma parada e olhar o horizonte.

Outro roteiro imperdível é a visita às dezenas de caves do vinho do Porto, onde é possível conhecer detalhes históricos da fabricação da bebida (desde a colheita das uvas ao processo de envelhecimento), além da emblemática degustação de vinhos. Elas ficam abertas para visitação durante todo o ano. Ainda no Douro, há a região de Favaios, que é sinônimo de Moscatel, com visitas guiadas por adegas e caves.

A Rota dos Vinhos Verdes também é destaque turístico no Norte, na região do Minho. Além de descobrir as origens e sabores da milenar cultura vinícola, quem optar por esse roteiro poderá aproveitar desde praias a montanhas, vales e rios, além de uma paisagem única onde o verde, que dá nome ao vinho, é a cor dominante.

O outro grande ponto enoturístico de Portugal é o Alentejo, no Sul do país, onde se encontram vários dos principais produtores nacionais, considerada como a melhor região vinícola do mundo para visitar em 2014. A vinha corre ao longo de extensas planícies e acompanha olivais e florestas. É nesta paisagem de vastos horizontes que se inserem quintas e herdades produtoras de vinho com créditos firmados na hospitalidade e na gastronomia por que são conhecidas, sobretudo em Évora, que também é Patrimônio Mundial, e em outras sete localidades: Portalegre, Borba, Redondo, Reguengos, Vidigueira, Amareleja/Granja e Moura.

Mas o enoturismo em Portugal não se resume ao Alentejo e ao Norte. No Centro, ao redor de cidades como Viseu, Coimbra e Aveiro, há propriedades de antigas caves portuguesas, embora todas elas tenham acompanhado as atuais tendências de produção vínica e desfrutem dos mais modernos métodos de produção. São casas que trazem um legado histórico, por vezes até com núcleos museológicos.

Na região de Lisboa, mais precisamente no Vale do Tejo, estão concentrados alguns dos melhores produtores e também ótimos roteiros turísticos, a se destacar os percursos do Tesouro Gótico, Touros e Cavalos, Beira Tejo e Tesouro Manuelino, todos com uma série de adegas e quintas para visitação. Nos arredores da capital, há de se lembrar também das regiões de Carcavelos, Colares e Bucelas, cidade que abriga o Museu do Vinho e da Vinha.

Perto de Lisboa fica Lourinhã, a única região demarcada para a produção de aguardente vínica em Portugal, e uma das três no mundo (ao lado de Cognac e Armagnac, na França), o que por si só é um grande atrativo para o enoturismo.

Mais ao sul, a Rota da Península de Setúbal tem visitas a adegas, mas também proporciona contato direto com a natureza. A visita a castelos e fortalezas, em Setúbal, Palmela e Sesimbra, ao palácio da Bacalhôa ou a espaços culturais, como o Museu Agrícola da Quinta da Atalaia ou o Museu do Queijo de Azeitão, são características desta região com história, que apresenta sabores dos vinhos branco, tinto, rosé ou o Moscatel de Setúbal, produtos de excelência da península.

Nas ilhas também há excelentes roteiros enoturísticos. Nos Açores, não há como deixar de mencionar a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, Patrimônio Mundial da UNESCO, um misto de natureza vulcânica e práticas culturais ancestrais.

Ainda no Atlântico, destaca-se o Vinho Madeira que nos mais variados pontos do globo ganhou fama e prestígio. Das mais de 30 castas diferentes, destaque para as mais nobres – Sercial, Boal, Verdelho e Malvasia, este último representando o vinho doce, encorpado de perfume intenso e cor vermelha.  As vinhas, dispostas nas encostas, sustentadas por paredes de pedra, fazem lembrar escadarias, que em partes da ilha ligam o mar à serra em paisagens deslumbrantes.

Vinhos de Portugal

O tradicional bonde lisboeta “Prazeres 28”, um dos ícones culturais e turísticos de Portugal e da cidade de Lisboa, está presente no evento Vinhos de Portugal 2017, que acontece na cidade do Rio de Janeiro nos dias 2, 3 e 4 de junho, no CasaShopping, com uma série de iniciativas que visam promover o enoturismo. Na semana seguinte, o evento chega ao Shopping JK Iguatemi, em São Paulo (9, 10 e 11 de junho).

Conhecido em várias cidades do país e referência em Lisboa, o bondinho faz um verdadeiro passeio por um país moderno e diversificado, mas que mantém as suas raízes. Quem tomar assento estará embarcando em uma viagem pelas regiões vinícolas de Portugal, dando a conhecer castas e vinhos memoráveis, que já são marcas registradas da terra de Camões em todo o planeta.

Durante os dias do evento, quem visitar o bonde pode testar uma mesa interativa, onde os visitantes manipularão aromas e texturas. O foco é a diversidade dos vinhos portugueses para que os participantes possam ter uma experiência real e sensorial. Serão igualmente conduzidas três palestras por dia de 30 minutos cada, em formato ‘storytelling’, onde intervenientes poderão degustar vinhos de Portugal, para sentirem no copo o que viram na mesa de aromas.

O ‘storytelling’ será todo voltado ao Vinho Português (contar a magia do vinho, o equilíbrio das castas e que cada vinícola tem uma história diferente). Encantar o consumidor dizendo por que o vinho português é tão especial (e no final, dar dicas de harmonização). Serão degustados quatro vinhos por palestra.

Dentro do amarelinho, quem embarcar vai encontrar um aplicativo com informações sobre os vinhos de Portugal, com perguntas mais frequentes, gastronomia e guia do viajante com curiosidades.