Arquivo da tag: Geek

Ubisoft anuncia que lançamento de Assassin’s Creed Valhalla será em 17 de novembro

Jogo será lançado totalmente em português do Brasil e coloca os jogadores na pele de Eivor, um líder viking que enfrenta grandes desafios para estabelecer seu povo em um novo lar enquanto luta por poder e pelo controle da Inglaterra

A Ubisoft acaba de anunciar no Ubisoft Forward, sua conferência digital, que Assassin’s Creed Valhalla, o próximo jogo da série Assassin’s Creed, será lançado globalmente e 100% em português do Brasil em 17 de novembro de 2020 para Xbox One, PlayStation 4, PC (via Epic Game Store, Ubisoft Store e UPLAY+) e Stadia, a plataforma gamer de nova geração do Google.

Assassin’s Creed Valhalla também chegará para o Xbox Series X e PlayStation 5 após o lançamento dos consoles. Os jogadores que adquirirem o game para Xbox One X ou PlayStation 4 poderão utilizá-los com os dois videogames da próxima geração sem pagar mais por isso*.

O gameplay inédito apresentado na conferência digital da Ubisoft mostrou novos recursos que os jogadores poderão aproveitar, como empunhadura dupla de armas, invasões, ataques e atividades em cenários de mundo aberto. As invasões, por exemplo, têm mais ação e são mais brutais do que qualquer experiência já vista em Assassin’s Creed, permitindo aos jogadores utilizarem um novo sistema de combate visceral com agressões, desmembramentos e decapitações. Eivor, o protagonista, poderá lutar ao mesmo tempo com dois machados, espadas e até escudos e enfrentará a maior variedade de inimigos apresentada na série. Além disso, o retorno da icônica Hidden Blade dá a Eivor uma precisão cirúrgica e mortal para seus ataques.

Assassin’s Creed Valhalla é um ambicioso jogo de RPG de ação que coloca as escolhas dos jogadores e a exploração no centro da experiência. Com desafios em todos os seus ambientes e paisagens de tirar o fôlego, o game apresenta personagens únicos e surpreendentes com histórias misteriosas. Os jogadores poderão escolher o gênero de seus personagens, mudá-lo durante as partidas, e ainda personalizar a aparência de formas variadas, como com diferentes cortes de cabelo, tatuagens, pinturas de guerra, armas e equipamentos.

Desenvolvido pela Ubisoft Montreal em colaboração com outros estúdios da Ubisoft**, Assassin’s Creed Valhalla apresenta a épica saga de Eivor, um virtuoso líder viking criado em um ambiente cercado de lendas sobre batalhas e glórias de seu povo. O novo game oferece uma experiência viking arrebatadora e transporta os jogadores para um dinâmico e belo mapa de mundo aberto que contrasta com o cenário brutal da Idade das Trevas na Inglaterra. Para ganhar seu lugar entre os deuses em Valhalla, os jogadores precisarão saber usar novos recursos e habilidades, realizando invasões, aumentando seus assentamentos e demonstrando poder e influência.

Para mais informações sobre Assassin’s Creed Valhalla, acesse http://www.assassinscreed.com.

*Assassin’s Creed Valhalla explora as possibilidades do Smart Delivery, recurso que permite aos jogadores usarem seus games de Xbox One e Xbox Series X em qualquer um dos dois consoles, quando o da nova geração for lançado. Jogos de PlayStation em mídia digital e Blu-ray dão acesso à versão digital correspondente no PlayStation 5 sem custos adicionais, mas requerem um console PlayStation 5 com o disco (no caso de mídia física) inserido no aparelho, conta na PSony Entertainment Network, espaço adicional de armazenamento e conexão de internet de banda larga.

**Os outros estúdios da Ubisoft são: Sofia, Singapura, Montpellier, Barcelona, Kiev, Bordeaux, Shangai, Chedgu, Filipinas, Quebec, Bucareste e Pune. Também contou com a ajuda externa da Sperasoft.

Imaginarium promove semana de descontos especiais durante a Harry Potter Week

Produtos licenciados em parceria com a Warner Bros.Cosumer Products estão disponíveis nas lojas físicas e no site da marca entre os dias 13 e 19 de julho

Wingardium leviosa! A Imaginarium, líder em presentes criativos e inovadores, preparou uma semana de descontos especiais com itens de uma das sagas mais amadas pelos fãs. Então, Potterheads de plantão, preparem-se para essa novidade! A Harry Potter Week contará com cinco produtos licenciados em parceria com a Warner Bros. Consumer Products, que ficarão disponíveis com valores promocionais entre os dias 13 e 19 de julho, nas lojas físicas e também no site da marca: https://loja.imaginarium.com.br/harry-potter

Para geek nenhum ficar de fora, os cinco produtos selecionados possuem preços entre R$ 24,90 a R$ 129,90. Entre as opções estão: caneta em formato de varinha, copo com canudo de LED, luminária da Edwiges, estojo do livro monstruoso e copo para viagem com o pomo de ouro em 3D. Ótimas opções para aumentar a coleção ou até mesmo presentear aquela pessoa especial.

Mas a criatividade não para por aqui. Além das opções com valor promocional, a Imaginarium tem uma coleção completa de produtos pensados especialmente para os fãs que sempre desejaram receber a famosa carta diretamente de Hogwarts. Tem luminária com comando de voz (bem ao estilo bruxo), bandeja para laptop, planner, marcadores de página, guarda-chuva com estampa do Mapa do Maroto e muito mais. Basta procurar a loja mais próxima ou comprar pelo e-commerce para receber no conforto de casa.

Serviço:

Harry Potter Week Imaginarium – 13 a 19 de julho

Produtos disponíveis nas lojas físicas e site da Imaginarium.

Para acessar o e-commerce, clique aqui https://loja.imaginarium.com.br/harry-potter

Ubisoft lança livro da série The Division no Brasil

Publicado no Brasil pela Editora Galera Record, Tom Clancy’s The Division Broken Dawn estará disponível a partir de 3 de agosto, por R$34,90; pré-venda garante um gift card com óculos de visão noturna para ser usado com o game e um pôster com arte exclusiva

Um novo livro irá enriquecer e ampliar ainda mais a experiência dos jogos da série Tom Clancy’s The Division. A Ubisoft anuncia que Tom Clancy’s The Division Broken Down chega ao mercado em 3 de agosto e explora a narrativa em torno do surgimento da Divisão, um grupo autônomo de agentes especiais preparados para agir em momentos apocalípticos. Entre outras passagens, o livro revela, em primeira mão e com detalhes, os eventos que sustentam a história dos jogos Tom Clancy’s The Division e a ambientação de toda a série.

No Brasil, Tom Clancy’s The Division Broken Down é publicado pela Editora Galera Record e já está em pré-venda exclusiva no Submarino por R$34,90. Os consumidores que adquirirem o livro antes do lançamento ainda irão receber um gift card com óculos de visão noturna para ser utilizado com o game e um pôster com arte exclusiva.

“A Ubisoft sempre busca expandir o universo de seus jogos em diferentes mídias e plataformas, agregando conteúdos e adicionando valor à experiência dos games. No Brasil, onde alcançamos resultados expressivos com os livros da saga Assassin’s Creed, acreditamos que The Division tem enorme potencial. Com The Division 2, por exemplo, o país já superou 616 mil jogadores e hoje é o quarto maior mercado global do jogo”, disse Bertrand Chaverot, diretor da Ubisoft para América Latina.

A História

Em um futuro próximo, um misterioso vírus começa a se espalhar durante a Black Friday dos Estados Unidos e, com o frenesi das compras, a doença desconhecida progride rapidamente.

Meses depois, diante de um governo destruído, de uma infraestrutura decadente e de uma civilização em pleno descontrole, surge a Divisão, um grupo autônomo de agentes preparados para agir em situações extremas e que se torna responsável por proteger a população das consequências sociais da pandemia, de predadores, saqueadores e criminosos que aproveitaram o caos social gerado para oprimir a sociedade.

Um desses agentes é Aurelio Diaz, um homem íntegro que investiga o caso de um colega que abandonou seu posto e causou a morte de diversos civis. As pistas o levam até April Kelleher, uma civil que viajou de Nova York para o Meio-Oeste americano em buscas de respostas e de uma cura para o vírus mortal.

Mesmo distantes e enfrentando dificuldades, April e Aurelio precisarão se adaptar às novas circunstâncias e começam a perceber que suas histórias estão conectadas.

Com narrativa acelerada e envolvente, The Division: Broken Dawn é uma obra de suspense com o selo Tom Clancy de qualidade e que vai apresentar fatos inéditos ocorridos entre os dois jogos da série The Division.

Tom Clancy’s The Division: Broken Dawn
Alex Irvine
308 pág. | R$34,90
Grupo Editorial Record

Next gen é agora: GPUs NVIDIA GeForce são as primeiras com suporte completo aos recursos do DirectX 12 Ultimate

(Foto: Divulgação)

NVIDIA lançou o GeForce Game Ready Drivers que oferecem suporte completo aos recursos do Microsoft DirectX 12 Ultimate, incluindo DirectX RayTracing (DXR), sombreamento de taxa variável (VRS), mesh shaders e sampler feedback.

Esses drivers fazem das GPUs NVIDIA RTX as primeiras e únicas com suporte de hardware ao DX12 Ultimate, além de oferecer o software necessário para tirar total proveito da API da Microsoft. Com esta atualização, a NVIDIA também se torna o primeiro fabricante de GPU a oferecer, com um driver público, suporte ao agendamento de GPU acelerado por hardware.

Esta atualização também inclui suporte para nove novos monitores compatíveis com G-SYNC e configurações otimizadas com um único clique para dezenas de jogos.

Suporte completo ao Microsoft DirectX 12 Ultimate

O DirectX 12 Ultimate da Microsoft representa o que há de mais moderno em interfaces de programação de aplicativos gráficos (APIs) e funciona com todas as GPUs GeForce, TITAN e Quadro RTX. A NVIDIA foi pioneira nos recursos do DirectX 12 Ultimate com o lançamento da arquitetura de GPU Turing em 2018. Com esta versão do software, desenvolvedores de jogos, criadores e jogadores ganham acesso a um conjunto completo de ferramentas para a revolucionária tecnologia de Ray Tracing em tempo real.

“É necessário um portfólio abrangente de software para tirar proveito dos recursos de hardware de última geração”, disse Sean Pelletier, gerente sênior de produtos e software GeForce da NVIDIA. “Na NVIDIA, o suporte ao DirectX 12 Ultimate é mais do que uma caixa de seleção, é uma garantia de que realizamos o trabalho necessário para oferecer aos nossos clientes um produto completo com um conjunto de recursos que pode levar toda a indústria adiante.”

O DirectX 12 Ultimate padroniza as muitas tecnologias inovadoras da GeForce RTX para jogos de próxima geração e multiplataforma. Trata-se de um conjunto de recursos do DirectX 12 que representa um novo padrão gráfico compartilhado entre o PC e o console e inclui: DirectX Raytracing (DXR) tier 1.1, Variable Rate Shading (VRS) tier 2, Mesh Shaders e Sampler Feedback.

Amplo suporte para softwares de criação

O Studio Driver também oferece desempenho e confiabilidade aprimorados a vários dos principais softwares de criação. Nas últimas semanas, as aplicações que receberam melhorias ou aceleração por RTX incluem: Adobe Premiere Pro 14.2, Adobe Substance Alchemist, Blender 2.83, Chaos V-Ray 5 para Autodesk 3ds Max e Corel Painter 2021.

Desempenho aprimorado pelo agendamento de GPU acelerado por hardware

Com esta atualização de software, a NVIDIA oferece suporte ao agendamento de GPU acelerado por hardware, um novo recurso que também foi introduzido pela atualização do Windows 10 de maio de 2020. O agendamento de GPU acelerado por hardware permite que as GPUs lidem com os cálculos de reprodução de vídeo e games com mais eficiência, gerenciando diretamente sua memória de vídeo.

Esse novo recurso também pode ajudar a melhorar o desempenho e reduzir a latência nos hardwares suportados. O agendamento de hardware funciona independentemente da API (DirectX, Vulkan, OpenGL), de modo que uma ampla variedade de aplicativos e jogos pode se beneficiar desse novo recurso, incluindo softwares de Filmes e TV, Netflix e jogos.

Nove novos monitores compatíveis com G-SYNC

Os monitores ASUS VG259QM, Dell AW2521HF e LG 34GN850 são os mais novos modelos a integrar o programa de compatibilidade com G-SYNC. A iniciativa planeja educar os consumidores sobre quais monitores trazem uma boa experiência de entrada de variação de taxa de atualização (variable refresh rate, ou VRR).

Os monitores validados recentemente são: AOC AG273F1G8R3, ASUS VG27AQL1A, Dell S2421HGF, Lenovo, G24-10, LG 27GN950, LG 32GN50T / 32GN500, Samsung 2020 Odyssey G9, Samsung 2020 Odyssey G7 27 “e Samsung 2020 Odyssey G7 32”, dando aos jogadores ainda mais opções ao procurar uma ótima exibição de jogos.

No programa de compatibilidade com G-SYNC, a NVIDIA trabalha junto com os fabricantes de monitores para validar a experiência nos aparelhos compatíveis com o protocolo AdaptiveSync. Aqueles que passam são certificados como “Compatível com G-SYNC”. Para uma lista completa de monitores compatíveis com G-SYNC, clique aqui.

Configurações ideais de jogos em “um clique”

As configurações ideais de um clique do GeForce Experience permitem que você configure instantaneamente as opções de jogo para o hardware do seu sistema, garantindo uma jogabilidade otimizada e suave. Mais de 700 títulos são suportados e, desde o lançamento do driver anterior, adicionamos suporte para mais 12:

  • Age of Empires III: Complete Collection
  • Command & Conquer Remastered Collection
  • Deadside
  • Gears Tactics
  • Mafia II: Definitive Edition
  • Monster Train
  • ONE PIECE: PIRATE WARRIORS 4
  • Outer Wilds
  • Roblox
  • Shop Titans
  • Streets of Rage 4
  • Total Tank Simulator

“THE LAST OF US – PARTE II” MARCA O FIM DE UMA GERAÇÃO E ENCERRA A HISTÓRIA COM CHAVE DE OURO – CONFIRA NOSSA ANÁLISE SEM SPOILERS

Por Luigi Buratto

(Foto: Reprodução)

SOBRE O JOGO

Em 2013, o mundo recebia o jogo ‘The Last of Us’, exclusivo para Playstation, produzido pela Naughty Dog e vencedor do maior prêmio (melhor jogo) do The Game Awards. Sete anos depois, veio a tão esperada sequência e, apesar das críticas variadas, ele vem se consolidando como um dos maiores títulos do PS4 até o momento.

Dirigido por Bruce Straley e Neil Druckmann, ‘The Last of Us’ é um jogo de ação-aventura e sobrevivência, que se passa em um mundo pós-apocalíptico onde um fungo mortal (Cordyceps) tomou conta de mais da metade da população, os transformando em zumbis. O game é em terceira pessoa, e na primeira parte o jogador toma controle de Joel, um contrabandista que tem a importante missão de levar uma garota, Ellie, que foi mordida, porém não se tornou infectada, até a base de um grupo militar chamado de Vagalumes, atravessando os Estados Unidos, para tentar desenvolver uma cura para a doença.

‘The Last of Us’ conta com uma mecânica de combate furtivo e uso de armas brancas e de fogo, onde seus inimigos mais mortais nem sempre são os infectados, mas sim os humanos sobreviventes.

RESUMO DO FINAL DA PRIMEIRA PARTE – Este trecho contém spoilers do primeiro jogo!!

Ao final da primeira parte, nós vemos Joel se apegando a Ellie como uma filha, fato que após a morte de Sarah (sua filha de sangue), pensávamos não ser possível. Após uma jornada intensa onde ela salva sua vida e lhe dá esperanças de ser feliz novamente, ele se recusa a entregar a garota para que os médicos e cientistas tentassem fabricar uma cura, já que isso a mataria no processo. Para isso, Joel toma a infeliz decisão de realizar uma chacina no Hospital St. Mary para salvar sua protegida. Ele mata o médico cirurgião responsável pela criação da cura e provavelmente um dos únicos sobreviventes capaz de realizar isso e resgata Ellie inconsciente, fugindo do hospital.

Quando a garota acorda, pergunta a Joel o que aconteceu lá, e ele mente dizendo que não existia nenhuma cura, e que ela não poderia fazer mais nada.

Essa ação tem muitas consequências e é exatamente deste ponto que a segunda parte se desenrola.

(Foto: Reprodução)

O QUE MUDOU DO 1º PARA O 2º GAME?

Após 7 anos e uma geração de diferença (PS3 para o PS4), era de se esperar que muitas coisas fossem aprimoradas para o segundo jogo. Apesar da mudança não ser tão brusca, para não afetar o desenrolar da história, os programadores nos presentearam com alguns aspectos novos que tornaram a ‘The Last of Us’ muito mais dinâmico. O jogador agora pode desviar dos ataques, se jogar no chão e andar rastejando, além de conseguir fabricar uma variedade muito maior de armas e habilidades que promovem uma gama maior de estilos de jogo.

Você pode adotar um estilo totalmente stealth, com arco e flechas, armas com silenciadores e abates furtivos ou ir para o combate, atraindo grandes grupos de inimigos e os detonando com coquetéis molotov, granadas de fumaça e flechas explosivas, além de muito “tiro, porrada e bomba”. A violência e gore em ‘The Last of Us’ adquirem níveis hiper-realistas. Dependendo da arma que você usa, ou do ângulo que você executa os ataques, esguichos de sangue voam na direção do corte, formando avermelhadas poças irregulares, membros são dilacerados e os inimigos imploram por suas vidas caso tenham tomado dano crítico.

(Foto: Reprodução)

Se os gráficos do primeiro jogo já eram de tirar o fôlego, a sequência para Playstation 4 veio para se consolidar como um dos melhores gráficos da geração. Com cenários e biomas variados, ‘The Last of Us – Parte II’ nos leva de montanhas congeladas, florestas verdes, estações de metrô infestadas a porões antigos cheios de esporos e estaladores, em cenas que são tão intensas, que só queremos parar por alguns minutos e tirar alguns prints no modo foto.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

A atenção que os desenvolvedores tiveram ao menor nível de detalhes é impressionante, desde a fabricação e upgrade das armas na bancada, a interação com o cenário, os diálogos durante o combate, até a forma como as personagens pegam os objetos e guardam na mochila.

(Foto: Reprodução)

Tudo parece ter sido feito de forma minuciosa, e graças a brilhante técnica de motion capture, que consiste em gravar cenas com atores reais, utilizando pontos de referência para dar maior profundidade e precisão nos movimentos do personagem, nós podemos presenciar uma das melhores cenas in-game que o jogo tem, quando a Ellie para pra tocar seu violão. Muitos fãs e musicistas, inclusive, já usaram desta função para compor e gravar covers de músicas famosas, o que deixou o jogo ainda mais conhecido e viral.

(Foto: Reprodução)

A modelagem dos personagens e zumbis, em ‘The Last of Us’, também sofreu uma significativa evolução, os corredores, infectados, estaladores e vermes ganharam uma aparência mais realista e horrenda, e fomos apresentados a outros tipos de monstros. Não vamos dar spoilers, mas ao contrário do primeiro game, temos até um grande boss na qual será necessário muita estratégia e munição para derrotá-lo.

(Foto: Reprodução)

A HISTÓRIA DE THE LAST OF US PARTE II

Um dos pontos chave do sucesso de vendas, e também da mistura de críticas positivas e negativas, se dá ao fato de que a trama do jogo é algo nunca antes visto no mundo dos games. Trata-se de um roteiro que foge de qualquer clichê, deixa o jogador ansioso, tenso, com raiva e triste. Uma montanha-russa de emoções elaborada pra testar o psicológico até o fim.

The Last of Us – Parte II’ mostra uma história de ódio, da vingança nua e crua, com suas nuances de violência bruta e flashes de romanticismo e humanidade, mas ao mesmo tempo nos conecta com essas emoções, nos fazendo sentir o mesmo que os personagens.

Um dos principais pontos a destacar é que toda ação tem uma consequência e é justamente essa dualidade dos fatos que nos leva a paradoxos de questionamento moral. Não sabemos quem é mau e nem quem é bom, todos são julgados por suas ações e no final aprendemos que ‘’a vingança nunca é plena, mata a alma e a envenena”, como diria Seu Madruga, do seriado Chaves.

VEREDITO

‘The Last of Us – Parte II’ chegou em um momento complicado, onde a natureza humana está em seu ápice, em meio a um caos, portanto, se faz difícil o seu entendimento, que é de extrema necessidade. Entender o jogo é a parte mais importante e se você está jogando, “só por jogar”, então sinto muito, mas ele não é pra você.

Tha Last of Us – Parte II’ não é um jogo apenas para divertir, ele passa mensagens muito poderosas, retrata com fidelidade momentos muito complicados e escolhas difíceis. Com mecânicas interessantes, gráficos surpreendentes e um roteiro que prende, ele é uma das grandes maravilhas desta geração, e com o lançamento do PS5 batendo na porta, muito provavelmente um dos últimos grandes títulos exclusivos.

NOTA 5/5

HyperX e Champion® Athleticwear anunciam linha de vestuário que será vendida no Brasil

Reflective Collection é a segunda parceria entre as marcas e conta com camiseta, moletom de fleece com capuz e chinelo com velcro, todos com design exclusivo e logotipos reflexivos

(Foto: Divulgação)

A HyperX, divisão gamer da Kingston Technology, anuncia globalmente a HyperX x Champion® Reflective Collection, uma collab de roupas exclusiva e limitada, desenvolvida pela Champion® Athleticwear, fabricante de moda esportiva desde 1919. Composta por camiseta, moletom de fleece com capuz e um chinelo com velcro que pode ser usado com meia, todos em preto fosco com logotipos reflexivos, a coleção limitada começa a ser vendida em mais de cem países no próximo dia 9 de julho, às 12h (horário de Brasilia), pelo site http://www.champion.com.

Este é o primeiro lançamento internacional de vestuário da HyperX e a segunda coleção criada em conjunto com a Champion® Athleticwear. “A primeira foi um grande sucesso e a comunidade pedia e ansiava por designs exclusivos desenvolvidos pelos profissionais da HyperX e Champion®. Para esta nova coleção, combinamos aspectos do design clássico com uma tecnologia de tratamento reflexivo e personalizado, que ilumina os logotipos de uma forma especial, capturando o brilho da luz e refletindo de volta”, explica Stephanie Winkler, gerente de marketing estratégico da HyperX. “Este conceito tem tudo a ver com os periféricos RGB da HyperX, que oferecem estilo e bom gosto atemporal, também características da Champion® Athleticwear”, completa.

A camiseta e o moletom são unissex e estarão disponíveis dos tamanhos P ao GGG. Já o modelo masculino do chinelo terá tamanhos do P ao GG. Para mais informações sobre a disponibilidade da coleção visite a página HyperX Collab .

Para saber mais sobre a HyperX e seus produtos, visite http://www.hyperxgaming.com/br .

FORTNITE – O MELHOR DOS DOIS MUNDOS

Por Henrique Moita

Há muito tempo, existe uma disputa entre duas grandes empresas de entretenimento. DC e Marvel travam uma disputa acirrada, seja em quadrinhos, filmes, séries e animações.

Tirando alguns raros crossovers que aconteceram entre as empresas, parecia improvável que veríamos novamente algum material que pudesse ter os personagens das duas editoras.

Até que chegamos a um dos maiores games da atualidade, Fortnite. A Epic Games parece não medir esforços e quer, cada vez mais, unificar esses dois universos em seus jogos

Tudo começou com um evento, que ajudaria a promover um dos filmes mais aguardados de 2018, ‘Vingadores – Guerra Infinita’. Na época, foi “apenas” um modo no qual você se transformava no Titã Louco, Thanos, ao pegar uma Manopla do Infinito. Ela te dava diversos poderes, além de um aumento significativo nos status de vida.

O objetivo era, obviamente, que todos os outros matassem o possuidor da manopla. Quem conseguisse tal feito, tinha a chance de se transformar em Thanos também, já que o item caia no chão. Como todo bom battle royale, quem ficasse por último venceria o jogo.

Depois, para o lançamento de ‘Vingadores – Ultimato’, além de um modo especial, no qual as armas presentes no jogo eram as dos Vingadores, como arco do Gavião Arqueiro, o martelo Rompe Tormentas do Thor e as luvas da armadura do Homem de Ferro.

O jogo também era disputado em dois times. Um seria os Vingadores, enquanto o outro o exército do Thanos. O objetivo era simples: os lacaios do Titã tinham que adquirir as joias do infinito, enquanto os Heróis Mais Poderosos da Terra tentariam impedir que isso acontecesse, caso não conseguissem, tinham que eliminar o inimigo, antes que eles fossem mortos. Junto com esse modo, vieram as primeiras skins da Marvel, Viúva-Negra e Senhor das Estrelas. Ambas chegaram acompanhadas de picaretas e mochilas do seu conjunto. A do Starlord ainda trazia uma asa-delta no formato da nave dos Guardiões da Galáxia.

Então, no passado, vimos que a Epic não iria ter uma parceria apenas com a Marvel. Isso porque tivemos a chegada de um dos maiores personagens da DC Comics, o Batman. Ele não veio sozinho e trouxe junto com a sua skin uma da Mulher-Gato. Para fechar com chave de ouro, uma parte do mapa foi transformada em Gotham, a cidade do morcegão, aproveitando a temática da temporada que falava que vários mundos estavam colidindo no jogo.

Skin de Batman e Mulher-Gato . (Foto: Divulgação)

Agora chegamos em 2020 e parece que a parceria Epic Games com Marvel e DC está a todo o vapor, logo no começo do ano, com o lançamento de ‘Aves de Rapina – Arlequina e Sua Emancipação Fantabulosa’, tivemos a skin da Harley Quinn disponível na loja. Ela vinha com dois estilos, uma com a aparência da personagem em ‘Esquadrão Suicida’ e outra com a de ‘Aves de Rapina. E também veio com duas picaretas, uma em forma de bastão de beisebol, usado no primeiro filme e outra em forma de uma marreta, usada no segundo longa.

Skins de Arlequina. (Foto: Divulgação)

Depois, tivemos a “skin secreta” do Deadpool, na temporada 2. Esse foi ainda mais diferente, já que o Mercenário Tagarela ainda se transformou em um pequeno boss, dentro do mapa, junto com outros que já tinham na época. Quando você conseguia mata-lo, ele dropava uma pistola dupla, que quando dava dano em um inimigo, recuperava parte da sua vida como recompensa. Parece algo “roubado”, mas como o dano era muito pequeno, não era de grande ajuda, fazendo com que muitos players nem pegassem a arma.

A skin do Deadpool trazia dois estilos, uma com a roupa clássica do personagem e outra cinza e preto, sendo a que ele usa na X-Force. Ambas as skins, você tinha a opção de jogar com ele usando ou não a máscara. Aproveitando a referência à X-Force, foi lançada na loja, um conjunto de skins da própria organização. Nela, vinham as do Cable, Dominó e Psylocke. Elas também vieram com as famosas mochilas e picaretas, sempre presentes nesses conjuntos. A última, inclusive, veio com uma asa-delta exclusiva.

Chegando na atual temporada, logo no trailer de apresentação, já nos foi mostrado que a skin extra da temporada (já que não dá mais para chamar secreta, porque eles revelam logo de cara), seria a do Aquaman. Essa é bem particular, pois diferente das outras skins, que por mais que estivessem ligadas aos filmes, não tinham a aparência do ator que os interpretava, é a cara do próprio Jason Momoa. O ator inclusive chegou a compartilhar na sua conta do Instagram o teaser da temporada que mostrava o tridente do Rei dos Mares.

Skin do Aquaman. (Foto: Divulgação)

Então, quando tudo nos levava a acreditar que essa seria uma “temporada da DC”, nos deixando esperançosos que pudéssemos ter um conjunto de skins do filme do Aquaman (seguindo a lógica do que aconteceu com o Deadpool), fomos recebidos com uma skin do Capitão América. Ela entrou na loja na noite do dia 02 e deve ficar até o dia 04, para bater com a comemoração do Dia da Independência dos Estados Unidos. Junto com ela, tivemos um pequeno trailer, que nos deixa agora com a teoria que teremos mais skins do universo Marvel também, já que no fim do trailer, eles focam a maneira como Steve Rogers chegou na ilha do Fortnite. E foi, nada mais nada menos, que usando a Bifrost, a ponte de Asgard.

Skin do Capitão América. (Foto: Divulgação)

Lembrando que, por enquanto, ainda esse ano, teremos duas estreias de filmes ligados a DC e a Marvel, Mulher-Maravilha 1984 e Viúva Negra, respectivamente. Será que teremos skins desses filmes também?

O que nos resta agora é esperar e torcer para que essa parceria entra a Epic Games e as duas empresas continue firme e forte, porque quem tem a ganhar com isso, somos nós, os jogadores.

HyperX ensina a escolher a memória RAM ideal e melhorar a performance da máquina

(Foto: Divulgação)

Leigo ou heavy user, todo mundo em algum momento já quis saber quanto seu dispositivo tem ou precisa ter de memória RAM. A curiosidade se justifica, já que a capacidade da memória é decisiva para a performance da máquina. Mas a quantidade de bytes não é tudo, e conhecer um pouco mais sobre o assunto pode ajudar o consumidor a fazer a melhor escolha na hora de comprar um computador pronto, montar uma máquina ou atualizar o sistema.

Iuri Santos, gerente de tecnologia da HyperX no Brasil, marca da Kingston, maior fabricante de memórias independente do mundo, afirma que a memória RAM, junto da CPU, é o ‘cérebro’ da máquina. “É como imaginar uma pessoa sem memória. Como ela poderá fazer uma conta de cabeça se não se lembra sequer do que tem que somar? Quando fazemos a conta no papel, escrevemos os números e enviamos essas informações para o cérebro calcular. Com a memória RAM o processo é parecido, ou seja, ela é responsável por registrar e armazenar os dados na CPU, sejam temporários ou permanentes”, explica Iuri.

Segundo ele, a memória RAM é ainda mais importante para o gamer, pois o computador precisa calcular a física de cenário, objetos e personagens no jogo, processar a inteligência dos inimigos e passar todas as informações para a placa de vídeo fazer o desenho na tela, por exemplo, da forma mais rápida possível, pois qualquer atraso pode travar o jogo. “Geralmente, quedas de frame em cenas complexas nos jogos estão relacionadas a uma configuração inadequada de memória RAM no sistema e não a uma falta de força de processador ou da placa de vídeo”, diz o gerente de tecnologia da HyperX.

Situações como essa podem ser resolvidas com um upgrade de RAM. O processo para aumentar a memória e deixar a máquina mais estável e veloz é simples e pode ser ainda mais facilitado com o tutorial preparado pelo gerente de tecnologia da HyperX, a seguir:

• Antes de mais nada, identifique a geração do processador do computador e o chipset da placa-mãe em que ele está instalado. Esses dois pontos determinam as tecnologias compatíveis com o sistema.

• Em seguida, observe os componentes de memória que já estão instalados no sistema e verifique se já estão sendo utilizados todos os números de canais de memória que o computador disponibiliza. O canal de memória é a forma que a CPU tem para acessar simultaneamente mais informações por ciclo de processamento. Algumas máquinas podem ter dois, quatro ou até oito módulos de memória, mas cada chipset terá a sua tecnologia de canal determinada em conjunto com o processador instalado.

• Caso a máquina tenha apenas um módulo de memória instalado, a instalação de um segundo, com a mesma configuração, número de chips e capacidade, fornecerá o dobro da capacidade computacional em relação à atual. Um módulo de memória instalado sozinho permite o processamento de 64 bits de dados por ciclo, e hoje em dia todas as máquinas são compatíveis com ao menos o dual channel (dois canais). Dessa forma, preenchendo os dois canais, cada um com um módulo de memória de 64 bits, o processamento de dados é dobrado para 128 bits, o que resulta em melhor performance da máquina na hora de processar as informações.

• Com os dois canais funcionando, é importante verificar se a configuração atual atende à demanda de memória dos programas usados. Hoje em dia, um sistema com ao menos 16GB de memória RAM permite rodar muito satisfatoriamente os jogos mais recentes. Existem programas que, sozinhos, rodam muito bem com apenas 8GB de RAM, mas, em muitos casos, para gamers que querem jogar e fazer streaming ao mesmo tempo, por exemplo, 16GB passa a ser o novo ponto de partida, utilizando sempre dois módulos de 8GB nas placas-mãe dual channel ou quatro módulos de 4GB nas quad channel (quatro canais). Observe que sempre número par, dependendo da quantidade de canais de memória disponíveis na plataforma utilizada.

• Um detalhe importante referente a módulos de alta velocidade é que, geralmente, quanto menos módulos utilizar, maior se torna a velocidade em MHz compatível com a plataforma. Por exemplo, 32GB podem ser configurados usando quatro módulos de 8GB ou dois de 16GB, em plataformas dual channel, mas, quando possível, deve-se dar preferência para a configuração com apenas dois módulos de 16GB, permitindo assim que módulos com frequências mais altas possam ser utilizados. Já em plataformas quad channel, o ideal é usar 4 módulos de memória ao invés de oito módulos, sendo sempre importante respeitar o número múltiplo de quatro.

• Verifique se as memórias utilizadas têm as mesmas frequências. Os processadores Intel de 6ª e 7ª geração e os AMD Ryzen de 1ª geração podem, com segurança, fazer uso de memórias de 2400MHz de frequência, principalmente de dois módulos em dual channel. Já os processadores Intel de 8ª e 9ª geração e AMD Ryzen de 2ª e 3ª geração em placas-mãe com chipsets da família 400 e 500, principalmente, podem seguramente trabalhar com 2666MHz de frequência. Se o chipset da placa-mãe começar com Z ou X, geralmente 3200MHz é uma frequência segura para o funcionamento das memórias em overclock de fábrica através do conhecido perfil XMP. Frequências mais altas podem ser utilizadas, mas a recomendação é verificar quantos módulos e de qual capacidade são compatíveis em tal frequência para cada modelo de processador e placa-mãe.

• Falando em memórias padrão, a terceira geração AMD Ryzen trabalha nos chipsets da família 500, com memórias de 3200MHz, sendo frequências mais altas dependentes apenas da compatibilidade da placa-mãe e do número de módulos de memória instalados. Os processadores Intel de 10ª geração têm como especificação, e dependendo do modelo do processador, até 2933Mhz e aceitam memórias mais rápidas, também conforme o modelo da placa-mãe em que for instalado.

“Com essas informações fica mais fácil fazer o computador rodar jogos e todos os programas sem engasgos. Se tiver apenas um módulo de memória instalado, procure o upgrade para estabelecer o dual channel. Caso queira melhorar ainda mais, troque o módulo atual por um par de módulos mais rápidos. Se preferir deixar o sistema pronto para multitarefas e os jogos do futuro, use módulos maiores na velocidade ideal para o conjunto de placa-mãe e processador instalados no sistema. Nunca deixando módulos em quantidade ímpar ou fazendo upgrades instalando módulos de características muito diferentes. O sistema com um ótimo processador, ótima placa-mãe, turbinado com um SSD, deve ter a memória RAM certa para estar 100% preparado para todas as batalhas no mundo dos games”, finaliza o gerente de tecnologia.

A HyperX oferece memórias RAM DDR3 e DDR4 nas linhas FURY, Predator e Impact, com kits de 4GB a 256GB e frequências de 2400MHz a 4800MHz.

Para mais informações sobre a HyperX e seus produtos, visite http://www.hyperxgaming.com/br .

Free Fire inaugura loja oficial com produtos na Shope

Em parceria com a Garena, e-commerce oferece itens licenciados do Battle Royale mais baixado do Brasil

(Foto: Divulgação)

A Garena, produtora e desenvolvedora global de jogos, em parceria com a Shopee, plataforma líder de comércio eletrônico, acabam de lançar a loja oficial de produtos Free Fire. Os conteúdos licenciados já estão disponíveis.

Agora ficou mais fácil e prático aos fãs brasileiros adquirirem produtos oficiais do Battle Royale mobile mais jogado no Brasil em 2019, incluindo camisetas temáticas, mochila esportiva e transversal, e pelúcias de pets de Free Fire. O frete é grátis para todo o Brasil.

Free Fire é um dos maiores Battle Royale do mundo, que atingiu recentemente um novo recorde de mais de 80 milhões de usuários ativos diários de pico no primeiro trimestre de 2020. Atualmente o game possui mais de 450 milhões de jogadores globais e foi o 3º jogo mais baixado da Google Play Store no primeiro trimestre de deste ano.

69,8% das mulheres no Brasil jogam jogos eletrônicos, revela PGB

Segundo a 7ª Pesquisa Game Brasil, público feminino é maioria entre os jogadores brasileiros, representando 53,8% dos gamers no país

Contrariando o senso comum de que “videogame é coisa de menino”, a 7ª edição da Pesquisa Game Brasil (PGB) mostra que 69,8% das mulheres no Brasil jogam jogos eletrônicos, independentemente da plataforma. Fora isso, pelo quinto ano consecutivo do estudo, o público feminino aparece como maioria entre os gamers brasileiros, representando 53,8% dos jogadores no país.

“Existe uma falsa noção de que os homens são os principais consumidores de jogos eletrônicos no Brasil, mas não apenas as mulheres representam a maioria deste público quanto também estão cada vez mais engajadas nos games, dos eSports aos consoles, passando pelo celular”, afirma Carlos Silva, Head de Gaming na Go Gamers.

Realizada pelo Sioux Group, através da unidade de negócios Go Gamers, ESPM e Blend New Research, a PGB considera jogadores (ou gamers) todos aqueles que afirmam possuir o hábito de jogar jogos digitais. Nesta 7ª edição, a pesquisa ouviu 5.830 pessoas em 26 Estados e no Distrito Federal, no mês de fevereiro.

Presença casual e hardcore
PGB divide o público de jogos eletrônicos no Brasil em dois grupos: os que se consideram e os que não se consideram gamers. O primeiro, caracterizado como hardcore, é aquele cujo hábito de jogar é destacado dentro de suas preferências de entretenimento. Por sua vez, o segundo é tido como casual, que possui o hábito de jogar, porém em menor tempo e frequência.

De todos os jogadores no Brasil, 67,5% são casuais e 33,5% hardcore. Neste primeiro grupo, que é o mais populoso, as mulheres representam 61,9%. Já no segundo grupo, embora a maioria seja masculina, o público feminino marca forte presença, com 38,7%. Considerando apenas o total de mulheres que jogam no país, 76,7% se identificam com o perfil casual, enquanto 23,3% se definem como hardcore.

A hardcore gamer possui uma população menor, mas muito relevante e engajada: jogam três vezes ou mais por semana, em sessões que duram por volta de 3h. Já entre as jogadoras casuais, o estudo mapeou que este público joga pelo menos uma vez por semana, em partidas que levam até 1h por sessão.

Do celular ao console
De acordo com a PGB, 69,8% das mulheres que jogam jogos eletrônicos no Brasil têm o smartphone como plataforma favorita, e 50,1% jogam todos os dias nele. O bom desempenho dos celulares junto ao público gamer feminino mostra, mais uma vez, que estes aparelhos seguem alinhados aos anseios da comunidade gamer no país.

Mas em quantidade de horas, as mulheres jogam mais nos consoles, com 38,4% dedicando de 1 a 3h por dia. Já nos celulares, 32,7% do público feminino joga por até 1h por dia, mesma quantidade de horas que 36% das mulheres investem diariamente para jogar no computador.

Acesse o site oficial da PGB para saber mais sobre a 7ª edição do estudo e baixar a versão gratuita.