Arquivo da tag: Guerra Fria

Black Ops voltou

1981. O auge da Guerra Fria. As potências mundiais lutam pelo controle e uma ameaça oculta se aproxima. Em Call of Duty: Black Ops Cold War os jogadores participam de operações obscuras, travando batalhas que nunca aconteceram para impedir uma conspiração que vem se formando há décadas.

Uma campanha single-player alucinante, com os protagonistas de Black Ops, Alex Mason, Frank Woods e Jason Hudson se unindo com novos operadores para rastrear um inimigo misterioso conhecido apenas como Perseus.

Na próxima geração de Multijogador de Black Ops o jogador poderá viajar o mundo, dos desertos da Angola até o congelante Mar Negro, em uma experiência cross-play compeltamente conectada, incluindo 6v6, 12v12 e o modo Fireteam de 40 jogadores.

Além disso, uma nova experiência co-op de Zumbis aguarda por todos os esquadrões na estreia da história Dark Aether, “Die Maschine”. Enquanto o jogador se une a uma equipe de resposta tática com apoio da CIA, conhecida como Requiem, os terríveis segredos de experimentos da Segunda Guerra Mundial ameaçam acabar com o equilíbrio da ordem mundial.

A próxima geração de Black Ops está chegando. Pré-venda disponível em: https://bit.ly/preorderCW

TNT Séries estreia “The Hour”

Canal exibe premiada série inglesa todas as sextas

‘The Hour’ chega na TNT Séries. (Foto: divulgação)

Drama, jornalismo e espionagem. Em plena Guerra Fria, dois amigos jornalistas têm a oportunidade de trabalhar no local em que sempre sonharam. Logo eles descobrem uma rede de conspirações que afetam altas esferas de poder e se veem diante de uma briga política entre o governo e seus empregadores, enquanto uma série de conflitos pessoais complica ainda mais a cena. TNT Séries estreia de The Hour, uma produção britânica ambientada na década de 50, muito bem recebida pela crítica. Todas as sextas-feiras, às 23h15 (horário de Brasília) .

The Hour é um drama de espionagem com uma história ambientada em 1956. No Palácio Alexandra, sede da BBC, os jornalistas e melhores amigos Bel Rowley e Freddie Lyon estão encerrando outro longo dia de trabalho no noticiário cinematográfico da rede. Cansados ​​de serem constantemente subestimados e destinados todos os dias a cobrir compromissos de realeza e eventos esportivos, ambos desejam relatar histórias maiores e mais ousadas e ter a liberdade para gerenciar sua própria agenda. Mas tudo está prestes a mudar. Clarence Fendley, um velho amigo de Freddie, está montando um novo programa de atualidade chamado The Hour, um programa semanal de notícias que não será apenas a oportunidade que eles estavam procurando, mas que os levará a uma história de profundas e perigosas manipulações.

Toda sexta-feira, às 23h15, um novo episódio de ‘The Hour’. (Foto: divulgação)

Não demorará muito até que essa equipe de notícias, em meio a crise do Canal de Suez, descubra uma conspiração do MI6 para encobrir mentiras, assassinatos e crimes do governo, levando ainda mais a uma feroz luta política entre poder e a BBC. Mas estes não serão os únicos conflitos. O apresentador Hector Madden entrará em cena para formar um triângulo amoroso com os protagonistas.

The Hour ganhou um Emmy Awards em 2013 por Melhor Roteiro de Minissérie e uma indicação para a mesma categoria um ano antes. Em 2011, foi indicada a três Globos de Ouro de Melhor Minissérie, Melhor Atriz e Melhor Ator e, um ano depois, repetiu o Melhor em sua categoria. Além disso, ele obteve oito indicações para os prêmios BAFTA entre 20011 e 2012.

A minissérie é protagonizada por Romola Garai (Bel Rowley), Ben Whishaw (Freddie Lyon), Dominic West (Héctor Madden), Anna Chancellor (Lix Storm), Joshua McGuire (Isaac Wengrow), Lisa Greenwood (Sissy Cooper), Oona Chaplin (Marnie Madden) e Julian Rhind-Tutt (Angus McCain).

The Hour chega na TNT Series todas as
sextas, às 23h15

John le Carré volta à Guerra Fria e a alguns de seus personagens icônicos, 27 anos depoi

Em “Um legado de espiões”, o mestre da literatura de espionagem alterna o enredo entre os dias atuais e a década de 1960, cenário de seus mais famosos romances

image005.jpgEle mesmo um ex-espião, John le Carré mudou os parâmetros da literatura de espionagem mundial. O talento para narrativas e o conhecimento dos bastidores do assunto alçaram seus livros ambientados na Guerra Fria à categoria de clássicos, e os transformaram em referências para futuros autores do gênero. Em “Um legado de espiões”, que chega às livrarias no fim de outubro pela Record, Le Carré retoma as trajetórias de alguns de seus principais personagens 27 anos depois do lançamento de “O peregrino secreto”, até então último livro protagonizado por George Smiley, seu personagem mais famoso.

Na trama, Peter Guillam, parceiro e discípulo de Smiley na Circus – como é chamado o Serviço Secreto Britânico em suas histórias, inspirado no MI6 – vive tranquilo, mas um tanto atormentado, numa fazenda na Bretanha após sua aposentadoria. Um dia, recebe uma carta que o convoca, com urgência, a prestar esclarecimentos à antiga agência.

Assim, ele vai ser obrigado a relembrar um episódio difícil de sua trajetória profissional: a operação Windfall, que, na década de 1960, acabou dando muito errado e matando um casal de agentes e amigos de Guillam – em uma passagem que é parte do enredo do clássico “O espião que saiu do frio”.  Nos dias de hoje, os filhos do casal estão dispostos a descobrir exatamente o que aconteceu – e a arrancar muito dinheiro dos cofres britânicos no processo.

Le Carré vai alternando entre passado e presente, com as memórias e depoimentos de Guillam, mergulhando numa incrível retomada de seu familiar universo e dos temas que lhe são mais caros: a Guerra Fria e os conflitos morais da espionagem. E aqui ele vai além porque, ao relacionar os eventos do passado com os dias atuais, o personagem – e também o autor – compara o trabalho de agências de inteligência ontem e hoje, além de refletir sobre a legitimidade daquela guerra e até que ponto as ideologias que a guiaram permanecem vivas.

“Um legado de espiões” é o nono romance da série George Smiley. Ele encerra a franquia iniciada com “O morto ao telefone”, de 1961, e que tem também entre seus títulos obras como “O espião que sabia demais”. Nos próximos meses, a Record lançará ainda novas edições dos outros oito livros, com capas novas e traduções revisadas

John le Carré nasceu em 1931 e estudou nas universidades de Berna e Oxford. Deu aula no Eton College e trabalhou no Serviço Secreto Britânico por breve período durante a Guerra Fria. Há mais de 50 anos vive exclusivamente de sua escrita. Divide seu tempo entre Londres e Cornualha.