Arquivo da tag: Prêmio Pulitzer

“American Pastoral” é baseado no romance de Philip Roth, vencedor do Prêmio Pulitzer em 1998

 Com Ewan McGregor na direção e protagonismo, o longa tem estreia prevista para  o dia 15 de dezembro nos cinemas brasileiros

"Pastoral Americana" chega em dezembro nos cinemas. (Foto: Divulgação)
“Pastoral Americana” chega em dezembro nos cinemas. (Foto: Divulgação)

O filme Pastoral Americana (American Pastoral, EUA, 2016), com estreia prevista para o dia 15 de dezembro no Brasil, é baseado no romance homônimo vencedor do Prêmio Pulitzer em 1998 – de Philip Roth, que faz a crônica das profundas mudanças que aconteceram na América em meados de 1960, entre a agitação provocada pela impopular Guerra do Vietnã. Com Ewan McGregor (Star Wars) na direção e protagonismo, o drama conta a história de Seymour Levov (McGregor), que aparentemente tem uma vida perfeita, casado com uma bela mulher (Jennifer Connelly, Noé) e herdeiro dos negócios rentáveis de seu pai. Porém, tudo complica quando a filha do casal (Dakota Fanning, Agora e para sempre) começa a manifestar atitudes políticas extremistas, participando de atos terroristas mortais durante o conflito no país vietnamita.

A adaptação, que levou cerca de 13 anos para ganhar as telas do cinema, concentra-se na busca de um pai pela filha e em temas que decorrem sobre a incerteza, destinos alterados, família e perda. Para dar vida ao enredo, o roteirista John Romano, doutor em Literatura e professor de Inglês na Universidade de Columbia, imergiu não só na história de vida americana deste período – marcado pela transição do otimismo do pós-Segunda Guerra e do conformismo do final da década de 40 até a ruptura tumultuada e libertária dos anos de 1970 – mas a ligação entre os fatos históricos e os momentos mais íntimos da família do romance de Philip Roth.

“Eu conhecia bem o livro e sabia que era o melhor livro já escrito sobre os anos 1960 sob a perspectiva da revolução da Guerra do Vietnã nos lares e nas famílias. Roth estava olhando para a família e as raízes psicológicas da revolta da juventude. Seu foco é, portanto, nosso foco. É a experiência humana”, comenta o roteirista.

Um dos desafios de Romano foi tentar equilibrar o compromisso de ser fiel à linguagem tão própria de Philip Roth ao mesmo tempo em que deveria temperar a narrativa cinematográfica. “Eu abordei a adaptação com uma compreensão literária do romance e senti que era importante ser fiel, porque Roth é brilhante na criação dos meandros de seu texto, mas um filme precisa te pegar pelo colarinho e manter sua atenção o tempo todo. Há algumas mudanças estruturais, mas eu senti que era importante ser fiel o máximo possível ao que Roth criou”, afirma.

Os personagens e as relações entre eles ganharam destaque também no roteiro adaptado destaca o roteirista. “Esse é um filme sobre a relação entre um pai e uma filha. É também sobre ser humano, sobre ser um pai e ter problemas familiares. Temas como esses não são de época. São atemporais”, diz Romano.

No elenco estão também Valorie Curry (The Following), Uzo Aduba (Orange Is The New Black), Molly Parker (House Of Cards), Rupert Evans (Alexandria) e David Strathairn (Boa Noite, Boa Sorte).

Autora finalista do Pulitzer lança thriller

Misturando ficção científica, uma história fantástica e reflexão sobre a sociedade contemporânea, “Doadores de sono” chega às livrarias pela Record

Editora Record lança livro da ganhadora do prêmio Pulitzer. (Foto: Divulgação)
Editora Record lança livro da ganhadora do prêmio Pulitzer. (Foto: Divulgação)

Autora finalista do prêmio Pulitzer, a americana Karen Russell constrói em “Doadores de sono” um enredo asfixiante e intrigante, no qual mistura o thriller a uma reflexão sobre se os fins justificam os meios; e que fala ainda sobre um futuro bem factível para uma geração que não descansa das telas de celulares e tablets, e para a qual o sono está muitas vezes condicionado a remédios.  Na trama, uma epidemia assola os Estados Unidos: as pessoas perderam a capacidade de dormir. Depois de semanas e até meses acordadas, acabam morrendo com a cabeça a mil, sem conseguir descansar.

A doença deu origem à criação da Corpo do Sono, uma organização que convence sonhadores saudáveis a fazer doações para os insones, e cuida das transfusões. Sob o comando dos enigmáticos irmãos Storch, o alcance da Corpo do Sono só cresce, e ela já está presente nas principais cidades americanas. A protagonista da trama é Trish Edgewater, principal recrutadora da empresa. Ela consegue arregimentar os doadores mais irredutíveis graças à história trágica de sua irmã, Dori, uma das primeiras vítimas da insônia letal.

Mas Trish começa a se sentir culpada em evocar a memória da irmã tão repetidamente. E suas crenças vão ser ainda mais abaladas quando ela encontrar a Bebê A, a primeira doadora universal de que se tem notícia. Com um sono tão puro e sem pesadelos, ela consegue salvar muitos doentes de uma vez só. No entanto, a relação com os pais da criança e a exploração constante do sono da menina fazem com que Trish comece a repensar suas motivações e sua relação com a Corpo do Sono. Paralelamente, o misterioso Doador Q infecta diversos insones ao espalhar um pesadelo horrível, que acaba criando uma nova epidemia.

“Doadores de sono” já teve os direitos de exibição para a TV vendidos para a ABC TV, que deve transformar a história numa série.