Arquivo da tag: Séries Netflix

[Trailer] Fate: A Saga Winx estreia no dia 22 na Netflix

A série de seis episódios será lançada nesta sexta-feira (22) na Netflix

Na adolescência, lidar com emoções, romances e amizades não é tarefa fácil. Imagina ainda passar por tudo isso sendo uma fada e aprendendo sobre seus próprios poderes? A série Fate: A Saga Winx acompanha exatamente a jornada de cinco fadas adolescentes em Alfea, um internato mágico que fica em um lugar chamado nada mais nada menos que Outro Mundo!

Com intrigas, muita magia e mistérios, as jovens devem aprender a dominar seus poderes enquanto lidam com rivalidades e monstros que ameaçam suas existências. Do criador Brian Young (The Vampires Diaries), Fate: A Saga Winx é um live-action inspirado no desenho animado italiano O Clube das Winx, criado por Iginio Straffi.

O elenco é formado por Abigail Cowen como Bloom (O Mundo Sombrio de Sabrina, Os Fosters),  Hannah van der Westhuysen como Stella (Grantchester), Precious Mustapha como Aisha (Endeavour), Eliot Salt como Terra (Normal People), Elisha Applebaum como Musa (Undercover Hooligan), Sadie Soverall como Beatrix (Rose Interpreta Julie), Freddie Thorp como Riven (A Descoberta das Bruxas, Safe), Danny Griffin como Sky (So Awkward), Theo Graham como Dane (Hollyoaks) e Jacob Dudman como Sam (Não Fale com Estranhos). Eve Best (Enfermeira Jackie), Robert James-Collier (Downton Abbey), Josh Cowdery (Animais Fantásticos e Onde Habitam), Alex Macqueen (The Thick of It) e Eva Birthistle (O Último Reino) também fazem parte da série.

Fate: A Saga Winx é uma série original Netflix, produzida pela Archery Pictures Production em parceria com Rainbow. A série de seis episódios reúne Brian Young como showrunner e produtor executivo e Judy Counihan e Kris Thykier da Archery Pictures, além de Cristiana Buzzelli e Joanne Lee da Rainbow também como produtoras executivas. 

Fate: A Saga Winx  estreia globalmente na Netflix em 22 de janeiro de 2021.

Série estreia nessa sexta. (Foto: divulgação)

A união faz a força!

Cobra Kai entrega na 3ª temporada os desfechos do que rolou na anterior, com passado e presente caminhando juntos, e protagonistas unindo forças para derrotar um vilão indigesto

Antonio Lemos

Se eu falar que o clima de nostalgia estava no ar durante a terceira temporada de ‘Cobra Kai’, certamente seria um clichê. A continuação da série originária do clássico ‘Karatê Kid’ foi disponibilizado pela Netflix no primeiro dia de 2021 (melhor notícia até então) e não perdi tempo para tirar a tarde ao maratonar os 10 episódios (poxa produtores, poderia aumentar a quantidade de capítulos, é muito pouco).

Assim como no post anterior, vai rolar alguns spoilers, mas nada que faça os leitores deixarem de mão e não acompanhar, Já posso adiantar que foi uma das melhores temporadas produzidas com passado e presente caminhando juntos, lições, dramas, a famosa treta entre os protagonistas e aquela frase que costumamos ouvir de que a “união faz a força”.

Para começar, não há salto no tempo desde a fatídica batalha na West Valley High School entre Cobra Kai e Miyagi-Do, onde todos saíram perdendo. Miguel (Xolo Maridueña) ficou entre a vida e a morte com possibilidade de não andar, Robby (Tanner Buchanan) passou alguns episódios foragido, Samantha (Mary Mouser) se sentiu culpada por tudo que ocorreu e passou a ter crises de pânico, e Tory (Peyton List) queria se vingar da sua rival. Enquanto isso, os protagonistas Daniel LaRusso (Ralph Macchio) atravessava problemas com os seus negócios, manchados pelos acontecimentos, e Johnny Lawrence (William Zabka) procurava consertar os erros do passado e presente.

Terceira temporada de Cobra Kai já está disponível na Netflix. (Foto: divulgação)

Por falar em passado e presente, a narrativa atemporal com os principais personagens continuou. Podemos perceber, por exemplo, como se desenhou a personalidade de John Kreese (Martin Kove), onde era um simples funcionário de lanchonete e sofria bullying dos clientes, virou soldado na Guerra do Vietnã e tornou aquele vilão indigesto que torcemos para levar a pior no final. De um personagem secundário na temporada anterior a persona fria, rasteira e venenosa como uma cobra.

Com o desenrolar da trama, LaRusso e Lawrence tiveram raros momentos de que poderiam trabalhar em equipe e um objetivo em comum; Robby. Os dois apareciam em cenas dignas de filmes policiais (daqueles bem pastelões) dos anos 1980, com tons de humor e a pancadaria comendo solta. Ambos não queriam recuperar o amor e a confiança do garoto, que mais para frente terá um desfecho indigesto. No entanto, qualquer faísca que saísse no pavil, eles acabavam brigando como adolescentes imaturos. Paralelamente, conforme dito parágrafos atrás, os negócios de Daniel não andavam bem, e precisou cruzar o oceano para poder ter o crédito necessário, além de buscar o seu equilíbrio na ilha de Okinawa (Japão) – estão sentindo alguma referência com algum ‘Karatê Kid’ no ar? Pois é, os personagens de A Hora da Verdade Continua (1986) reaparecem em sua vida, e a conexão com o saudoso Sr. Miyagi (Pat Morita) ficou mais forte do que nunca.

Enquanto nos Estados Unidos, a esposa do personagem de Macchio, Amanda (Courtney Henggeler) percebeu que o Cobra Kai virava ameaça e passou a se unir com o “bonde” de quem queria Kreese longe do West Valley. Já o personagem de Zabka continuava sendo aquele cara irreverente e sem filtro, onde os melhores momentos da temporada foi ao lado do seu pupilo Miguel. Do processo de recuperação do adolescente, passando por usar o Facebook no computador e tirar fotos para adicionar na rede social, e levá-lo a um show de rock mesmo de cadeira de rodas, o tratamento era de pai e filho e jamais imaginaria que curtiria Lawrence mesmo assistindo mil vezes o filme de 1984. É um cara que busca sua redenção a cada temporada e será que terá um final feliz?

Alguém se lembra da última cena da 2ª temporada, quando o celular de Lawrence é lançado na praia e tem uma notificação de amizade do Facebook? A pessoa naquela mensagem era nada mais do que Ali Mills (Elisabeth Shue), primeiro amor de ambos no longa de quase 37 anos. O clima de revival entre os dois durou pouco, com direito a loira pedir para que o personagem de Zabka não estrague o seu futuro.

As lutas entre os adolescentes continuavam, não com a mesma gravidade no high school, mas a revanche entre as moças era inevitável de acontecer. Além disso, até então, alguns alunos saem do Cobra Kai e migram ao novo dojô criado por Lawrence. Um novo torneio de karatê vai agitar o West Valley, e com novos membros na academia de Kreese – praticamente todos sem nada na cabeça – e com poucos lutadores nos estabelecimentos dos protagonistas, nada como juntar suas forças para tentar derrotar o inimigo, que continua mais perverso e sem compaixão do que nunca. A rivalidade entre os dois vão até o túmulo, isso é fato, mas uma trégua para um bem maior promete agitar nos próximos capítulos. Para alegria geral da nação, teremos 4ª temporada, sim senhor!

Sabendo equilibrar a leveza natural dos seus personagens, a produção se mantém na sua proposta original, e entrega uma experiência divertidíssima e vibrante desde as narrativas até as cenas de ação. Como disse na parte introdutória: é uma das melhores temporadas (ainda acho a 2ª melhor), porém, o único problema é que são 10 episódios.

‘Amizade Dolorida’, ‘(Des)encanto)’, ‘Pai em Dobro’ e mais na Netflix, em janeiro

Por Rodrigo Bocatti

A Netflix não está para brincadeira e prometeu muita novidade para 2021. Em janeiro, a plataforma já trouxe uma das séries mais aguardadas para esse ano novo: ‘Cobra Kai’. A terceira temporada já está disponível para os assinantes. Outras estreias aguardadas são a segunda temporada de ‘Amizade Dolorida’, a terceira parte de ‘(Des)encanto’ e o filme ‘Pai em Dobro’, com Maísa no elenco.

O Expresso do Amanhã. (Foto: divulgação)

Para quem gosta de maratonar séries poderá aproveitar e muito já que ainda continuamos em quarentena (então fique em casa!). Além das já comentadas aqui, ‘A Rainha do Sul’, ‘O Expresso do Amanhã’ e ‘Carmen San Diego’ ganham continuações. Além de outras produções.

Amizade Dolorida. (Foto: divulgação)

E quem gosta de filme também terá muito para curtir. ‘Pieces of Woman’, ‘A Escavação’ e ‘Zona de Combate’ são os grandes destaques do streaming. Documentários também estreiam neste mês. Para as crianças, a coleção do Universo Lego estará disponível.

Pai em Dobro. (Foto: Divulgação)

Confira as principais estreias da Netflix:

5 de janeiro:

– A Casa Mágica da Gabby;

6 de janeiro:

– Tony Parker – Entre os Maiores;

7 de janeiro:

– Pieces of a Woman;

8 de janeiro:

– Lupin – 1ª temporada;

– Memórias de Idhún – 2ª temporada;

13 de janeiro:

– Night Stalker: Tortura e Terror;

15 de janeiro:

– (Des)encanto – Parte 3;

– Dawson’s Creek – 1ª a 6ª temporada;

– Pai em Dobro;

– Zona de Combate;

– Carmen San Diego – 4ª temporada;

– Kuroko No Basket

21 de janeiro:

– Dix Pour Cent – 4ª temporada;

22 de janeiro:

– Fate: A Saga Winx – 1ª temporada;

– Vovó Saiu do Armário;

– O Tigre Branco;

– Jurassic World: Acampamento Jurássico – 2ª temporada;

26 de janeiro:

– Expresso do Amanhã – 2ª temporada

27 de janeiro:

– Amizade Dolorida – 2ª temporada

29 de janeiro:

– A Escavação;

– Brooklyn Saints: Paixão Pelo Esporte

‘Fuller House’ não decepciona e entrega uma boa última temporada

Por Rodrigo Bocatti

Acredito que você tiver por volta de uns 30 anos deve ter visto, ou conheceu, a série ‘Três é Demais’, uma sitcom que mostrava a história de um pai solteiro que criava três filhas, com a ajuda de dois amigos. Quando a Netflix anunciou que ia produzir uma continuação do seriado, os fãs mais nostálgicos ficaram felizes, ainda mais com o anúncio que o elenco original retornaria.

‘Fuller Hous’ estreou, em 2016, com grandes expectativas nostálgicas e nos entrega isso. A história é similar, mas agora com D.J (Candace Cameron) cuidando de três filhos, sendo o mais novo, Tommy, interpretado pelos gêmeos Dashiell e Fox Messit, como aconteceu com a Michele (Mary Kate/Ashley Olsen). Os outros são Jackson (Michael Campion) e Max (Elias Harger).              

As temporadas passadas trouxeram algumas situações cômicas, como a viagem para o Japão, onde Steve (Steve Hale) ia se casar e acaba se declarando para D.J, que impede o grande amor da sua via de se amarrar com outra e, ao mesmo tempo, ela termina o relacionamento com Matt (John Brotherton). E então, começa um namoro entre D.J e Steve, como na série original.

Stephanie (Jodie Sweetin) começou a série como uma irmã que mora no porão, após sua carreira de DJ na Europa acabar. Ela se envolve em algumas confusões que lembram os anos 90 e ainda solta seu bordão “que grosseria’. Ela acaba se envolvendo, e apaixonando, por um Gibbler, o Jimmy (Adam Hagenbuch), onde engatam um namoro divertido.

Ele é irmão da inesquecível Kimmy Gibbler (Andrea Barber), que é separada de Fernando (Juan Pablo Di Pace), e mãe de Ramona (Soni Bringas). Mãe e filha moram na casa da família Turner e o ex-marido de Kimmy é vizinho deles, onde mora junto com Jimmy.

 Ao longo das temporadas, tivemos muitas participações especiais de Jesse (John Stamos), Danny (Bob Saget) e Joey (Dave Coulier), que se tornaram personagens recorrentes, mas sem roubar o brilho dos protagonistas.

Para quem não se lembra, a primeira parte da última temporada terminou com o pedido de casamento de Steve para D.J, onde essa aceitou. Então, a sexta temporada girou em torno dos preparativos dos casamentos. Isso mesmo, no plural, Jimmy pediu a mão de Steph e Kimmy e Fernando decidiram se casar novamente.

Além dos casais, os jovens também brilharam. Mesmo começando um pouco perdidos, Ramona, Jackson e Max se encontram no decorrer das temporadas e tem momentos cômicos e fofos. Os dois primeiros, que se consideram irmãos, sempre estão se ajudando, até nas primeiras paixões. Max, o gênio da família, não decepciona e rouba a cena em alguns momentos.

A série teve alguns problemas de ritmo, mas acredito que na quarta temporada acertaram de vez a mão e caminhou sem problemas. Claro que rola muito confusão e as risadas são garantidas, mas também a série não peca em emoção, já que estamos nos despedindo de uma família que é igual a qualquer a maioria: cheia de defeitos, mas perfeita no jeito dela e quando briga logo se acerta.

Nota: 4/5

O fim do começo de tudo – 3%

Por Rodrigo Bocatti

Última temporada de ‘3%’ já esta na Netflix. (Foto: divulgação)

Lançada em 2016, a série original da Netflix ‘3%” foi a primeira produção brasileira da gigante do streaming, e depois dela veio ‘Coisa Mais Linda’, ‘O Mecanismo’, ‘Boca a Boca’ entre outras. Porém agora a história chega ao fim, com sua derradeira temporada, e fecha bem todo um ciclo. Com poucos episódios a série tem seus altos e baixos, mas a história não se perde e tem alguns momentos emocionantes.

Só para relembrar um pouco a história: a série conta a história dos moradores do Continente, que vivem em uma condição precária. Porém, os jovens quando completam 20 anos têm a chance de mudar de vida e ir para o Maralto, onde a vida é melhor e não tem problemas, mas para isso eles precisam passar por um processo e apenas 3% são aprovados para viverem no chamado ‘paraíso’.

Depois somos apresentados ao casal (ou trisal, né) fundador e conhecemos um pouco de como começou o Maralto, e também vemos como está a vida dos protagonistas, uns que passaram no Processo e outros que foram reprovados.

A partir daí Michele (Bianca Comparato) e Rafael (Rodolfo Valente), que foram aprovados, tentam destruir o Maralto por dentro, já que são infiltrados da Causa (uma organização que visa acabar com o Processo), e Joana (Vaneza Oliveira) e Marco (Rafael Lozano), que voltam para o Continente, mas pensam em um plano de encerrar os testes.

Guerra em ‘3%’ parece ser iminente. (Foto: divulgação)

Passamos também pela construção da Concha, onde Michele (já expulsa do Maralto) promete aceitar todas as pessoas sem nenhuma prova, porém quando uma tempestade de areia afeta a construção e a líder recusa a ajuda do Maralto (já que eles queriam liderar a Concha) ela se vê em uma posição crucial e decide aplicar provas para algumas pessoas deixarem o local. E então, quando descobrem o que aconteceu, quem saiu quer entrar novamente e uma guerra quase se instaura.

Nesse meio tempo, o plano do Maralto de sabotar a Concha é descoberto. A culpa recai sobre Marcela (Laila Garin), que buscava tomar o comando do local, mas é capturada pelo povo da Concha e se tornar uma prisioneira. Enquanto isso no Maralto, André (Bruno Fagundes) – irmão de Michele – se tornar o líder do processo e está sedento por guerra.

Enfim chegamos na última temporada, com uma guerra prestes a estourar, um novo processo se inicia, com participantes sedentos para irem para o Maralto, porém lá alguns moradores da Concha são convidados para uma missão diplomática no Maralto, mas eles elaboram um plano para acabar com tudo. E isso pode desencadear uma guerra no Continente.

Enquanto isso, Marcela tenta reaver seu posto de comandante, diante de André, porém ele segue com o Processo, com provas que colocam em risco a resistência física dos competidores. Mas um plano interno, dos funcionários do Processo, pode dar uma reviravolta na história.

Tudo parece estar encaminhando para uma guerra sem fim entre os moradores do Maralto e Continente, porém Joana encontra uma maneira de a paz finalmente reinar entre eles, mas diante de uma última prova.

A última temporada tem uma dinâmica muito boa e a história segue sem maiores percalços. Não faltam momentos de emoção e tensão. Vaneza Oliveria, a Joana, vinha em uma crescente com sua personagem e agora, no fim do ciclo, vemos no que ela se tornou: um ponto de esperança para esse mundo pós-apocalíptico.

 Nota: 4,5/5

Novas temporadas de ‘Lucífer’, ‘3%’ e ‘The Rain’ são os destaques de agosto da Netflix

Por Rodrigo Bocatti

A Netflix preparou a volta de grandes séries que são grandes sucessos na plataforma de streaming. ‘Lucifer, ‘3%’ e ‘The Rain’ terão para novas temporadas disponibilizadas.

Tom Ellis faz um retorno triunfal, como Lucifer, Chloe repensa o amor, Ella finalmente encontra um cara legal e Amenadiel se adapta à paternidade. A continuação chega dia 21;

A série brasileira ‘3%’ chega em sua derradeira temporada, com o conflito entre a Concha e o Maralto se escancarado e uma guerra é iminente. Mas, enquanto o Processo 108 se inicia sob uma liderança nova e ainda mais agressiva, os integrantes da Concha são convidados para uma visita diplomática ao Maralto. A proposta de paz acaba sendo o pretexto para a destruição que definirá o futuro desse mundo dividido. Estreia dia 14.

No dia 06 de agosto, ‘The Rain’ volta para sua terceira temporada e anos após a chuva dizimar a população da Escandinávia, Simone e Rasmus se desentendem sobre como salvar a humanidade.

Entre os filmes que chegam à plataforma, os destaques são ‘No Coração do Mar’ e ‘Círculo de Fogo A Revolta’. Sucesso nas salas de cinemas, os longas chegam dias 01 e 13, respectivamente.

O primeiro filme, conta a história real que inspirou Moby Dick, com Cris Hwmswoth no elenco. E no segundo, o filho de Stacker Pendercost, Jake, se une a um amigo piloto e uma hacker para enfrentar uma nova ameaça kaiju na batalha para salvar a humanidade

Confira as principais estreias da Netflix, em agosto:

01 de agosto:

– No Coração do Mar;

– Além de Escuridão – Star Trek;

– Armações do Amor;

– Colateral;

– Footloose;

– Fuga de Alcatraz;

– Good Burguer;

– Instinto Selvagem;

– Lenda Urbana;

– Loucademia de Polícia 2: A Primeira Missão;

– Love Story – Uma História de Amor;

– Operação Sombra – Jack Ryan;

– Ressurreição;

– Sleight – O Truque Perfeito;

03 de agosto:

– Casa Grande;

04 de agosto:

– Mundo Mistério – temporada 1;

05 de agosto:

– Unbreakable Kimmy Schmidt: Kimmy x Reverendo

06 de agosto:

– The Rain – temporada 3;

07 de agosto:

– Alto Mar – temporada 3;

– Natureza Discreta – temporada 1;

– Sunset – Milha de Ouro – temporada 3;

– Dançarina Imperfeita;

12 de agosto:

– Greenleaf – temporada 5

13 de agosto:

– Círculo de Fogo – A Revolta;

14 de agosto:

– 3% – temporada 4;

– Assalto ao Banco Central – temporada 1

– Teenage Bounty Hunters – temporada 1;

– Dirty John – O Golpe do Amor – temporada 1;

– Power;

18 de agosto:

– A Cidade Onde Envelheço;

19 de agosto:

– Crimes de Família;

20 de agosto:

– Biohackers – temporada 1;

– John à Procura de Aliens

21 de agosto:

– Lucifer – temporada 5;

– Hoops – temporada 1

– Missão Pijamas;

– Tammy: Fora de Controle;

25 de agosto:

– Gatunas – temporada 2;

– O Destino de Uma Nação;

26 de agosto:

– Mansão de Praia – temporada 1

28 de agosto:

– Cobra Kai – temporadas 1 e 2;

– Sou um Assassino: Em Liberdade – temporada 1;

– Origens Secretas;

– Quase uma Rockstar;

31 de agosto:

– Em Prova: Amiga do Inimigo

Belezas naturais, construções seculares da República Tcheca fazem do país a locação cenário perfeito para todo tipo de filme. E é possível conhecer todos eles.

(Foto: Divulgação)

A República Tcheca foi escolhida pela Netflix para ambientar a segunda temporada da sua série The Witcher, baseada no livro do escritor polonês Andrzej Sapkowski e as filmagens recomeçarão já em 3 de agosto. Iniciadas em fevereiro, as filmagens tiveram que ser interrompidas um mês depois, depois que o ator norueguês Kristofer Hivju, que também apareceu em Game of Thrones, testou positivo para o novo coronavírus e tudo foi   interrompido devido às restrições da pandemia.

Mas The Witcher é apenas o capítulo mais novo de uma longa história de filmes e séries gravados na República Tcheca. Dois grandes sucessos de bilheteria recentes foram gravados no país. Jojo Rabitt, indicado ao prêmio da Academia, foi gravado na cidade de Žatec; e Homem-Aranha – Longe de Casa teve o primeiro beijo de Peter Parker e Mary Jane em plena Ponte Carlos, em Praga.

O cinema descobriu a República Tcheca para ambientação no início dos anos 90, logo após o fim da era comunista no país quando diretores mundialmente famosos e equipes de produção foram atraídos  pela beleza de tirar o fôlego de Praga  e pelos icônicos marcos arquitetônicos da capital, que também ofereciam locação locais e equipes de baixo custo, mas altamente qualificados.
 

Paris ou Viena?

A arquitetura perfeitamente preservada, as ruas típicas dos séculos 18 ou 19 permitem reproduzir, em Praga várias capitais europeias, como nesses filmes:

Amadeus (1984)
O filme do diretor tcheco Miloš Forman sobre a vida de Mozart, contado pelos olhos do compositor rival Salieri, foi aclamado em todo o mundo e ganhou nada menos que oito Oscar, incluindo Melhor Filme, Melhor Ator e Melhor Diretor. Embora a maior parte da história seja ambientada em Viena, o filme foi filmado principalmente em Praga, alguns anos antes da queda do comunismo.

A escolha de Praga não foi mera coincidência. Figura proeminente da Nova Onda Tcheca na década de 1960, Miloš Forman fugiu do país em 1968 após o esmagamento da Primavera de Praga o que fez com que a polícia secreta da então Tchecoslováquia, mantivesse a produção   de Amadeus sob vigilância. Mas Praga tem importante ligação com o próprio Mozart que ali estreou sua ópera Don Giovanni. No filme, a locação é o mesmo local da estreia de 1787: o Teatro de Repertório.  E Praga também aparece no filme como Viena do século 18.

(Foto: Divulgação)

O Ilusionista (2006)
Escrito e dirigido por Neil Berger, apoiado por uma incrível trilha sonora de Phillip Glass, O Ilusionista conta a história de um mágico, interpretado por Edward Norton, tentando conquistar o amor de uma mulher de classe alta e a possível futura princesa do Império Áustro-Húngaro. A história se passa em Viena da virada do século 19 para o 20.

Viena, no filme, é “interpretada” por Praga, inclusive no Divadlo na Vinohradech (usado como local onde o personagem principal realiza seus truques de mágica) e em outras cidades tchecas como os castelos de Český Krumlov e Konopiště.  

Os Miseráveis (1998)
No filme do diretor dinamarquês Billie August, adaptação do clássico de Victor Hugo, Paris é, na verdade, Praga e  outras partes da República Tcheca, incluindo as cidades de Kutná Hora, Zatec e Vrbno.

(Foto: Divulgação)

Missão Impossível (1996)
O filme cult de Brian de Palma foi a primeira grande produção a ser filmada em Praga em meados dos anos 90. As cenas de abertura no centro histórico também são algumas das mais memoráveis: como a de John Voight correndo na ponte Carlos (surpreendentemente vazia), Tom Cruise perto da Praça da Cidade Velha durante a famosa explosão do restaurante do aquário  etc. Outros locais de filmagem dignos de nota incluem o Hotel Evropa, na Praça Venceslau, e no Museu Nacional.


A Identidade Bourne (2002)
Praga foi uma parte importante dos bastidores do primeiro episódio da busca vingativa de Jason Bourne: A Identidade Bourne, um clássico de seu próprio gênero. Filmado em muitos outros locais europeus, tem em Praga as cenas que se passam ficticiamente em Zurique, na Suíça. Se você prestar atenção, poderá ver Matt Damon dormindo no parque na ilha Kampa ou andando ao lado da principal estação ferroviária de Praga.

Karlovy Vary com vocação para o cinema

Karlovy Vary, a bela cidade balneária da Boêmia que todos os anos recebe seu tradicional Festival Internacional de Cinema precisou, em razão da pandemia, transferir o evento de julho para 2021. Mas a cidade pode ser visitada através de filmes de grande popularidade.

As Férias da Minha Vida, que está com muita frequência na programação das TVs a cabo, mostra a cidade e seu famoso Grand Hotel Pupp em muitas cenas dessa película encabeçada por Queen Latifah, contando a história da simpática vendedora que pensa ter doença terminal e gasta tudo que tem para passar os seus últimos dias fazendo o que mais deseja, justamente em Karlovy Vary.

(Foto: Divulgação)

A cidade, uma das favoritas em programas de turismo na República Tcheca e que fica a pouco mais de 120 km de Praga foi, ficticiamente, uma cidade de Montenegro no filme 007 Cassino Royale.  Nele, James Bond se hospeda no Hotel Splendide que é, na verdade, o cinco estrelas Grand Hotel Pupp, um dos mais antigos e luxuosos da República Tcheca. Para filmar a entrada e a sala de jogos do Cassino Royale foram usadas as instalações do edifício dos Balneários Imperiais enquanto a estação de trem de Montenegro é a Colunata de Molino, no centro histórico de Karlovy Vary. E o hospital onde Bond se recupera após a tortura fica em Planá, perto de Tachov, na Boêmia do Leste.

(Foto: Divulgação)

Suíça da Boêmia

No filme As Crónicas de Nárnia, os quatro irmãos caminham por uma paisagem nevada espetacular e, em certo momento, cruzam uma ponte de pedra. Trata-se da Porta de Pravcice, um cartão postal da região conhecida como Suíça Boêmia, no norte da República Tcheca.