Arquivo da tag: Suspense

Escape 60 apresenta sala “S.O.S. – Salvem Nossas Almas”

Localizada na unidade da Henrique Schaumann, a atração apresenta uma história de terror em um cenário totalmente assustador, onde os jogadores têm apenas 60 minutos para escapar

Sala S.O.S – Salvem Nossas Almas. (Foto: divulgação)

Para  começar 2022 de uma forma repleta de emoção, diversão e muita novidade, o Escape 60, marca pioneira no desenvolvimento de jogos de fuga presenciais e on-line no Brasil, apresenta o retorno da sala ‘S.O.S. – Salvem Nossas Almas‘, agora na unidade da Henrique Schaumann, em Pinheiros. 

No desafio, o excêntrico Schmock, após ter sofrido bullying na época do colégio, decide se vingar de todos os colegas de classe em um jantar de comemoração de dez anos de formatura. Os jogadores viram reféns e são trancados em uma sala de jantar aterrorizante. Um segredo, no entanto, é revelado, e os participantes descobrem que, na verdade, Schmock está morto há um ano e pronto para se vingar do bullying sofrido no passado. A equipe tem apenas 60 minutos para se livrar da maldição, caso contrário, serão levados para o além.

Podem participar de quatro a dez jogadores, lembrando que a sintonia e a interatividade entre os integrantes são as principais dicas para desvendar os enigmas. Em caso de necessidade, existe um botão de emergência, que abre a porta da sala antes dos 60 minutos de prazo.

Vale ressaltar que todos os cuidados para segurança e higiene continuam sendo tomados e muito bem controlados. As unidades funcionam com horas marcadas, a fim de seguir o protocolo da Covid-19 e garantir a segurança de colaboradores e clientes, sem perder a diversão. 

Para agendamento e mais informações sobre essa e outras salas do Escape 60, basta acessar o site https://escape60.com.br/.

Serviço

Sala “S.O.S. – Salvem Nossas Almas”

Endereço: Rua Henrique Schaumann, 717 – Pinheiros, São Paulo

Horário: Segunda a Quinta e Domingo das 10h às 21h; Sexta e Sábado das 10h às 23h

Valor do ingresso: R$ 99,90 por pessoa

Jogadores: de 4 a 10 pessoas

“MORTE NO NILO”: VEJA NOVO TRAILER E PÔSTER DO FILME DIRIGIDO POR KENNETH BRANAGH COM ELENCO RENOMADO

Thriller de mistério no romance de Agatha Christie estreia em 10 de fevereiro de 2022

Já está disponível o no trailer de MORTE NO NILO da 20th Century Studios. Uma história de paixão dirigida pelo 5 vezes indicado ao Oscar® Kenneth Branagh e protagonizada por um elenco de destaque que chegará aos cinemas em 10 de fevereiro de 2022.

MORTE NO NILO é um filme de suspense baseado no romance de Agatha Christie de 1937 sobre o caos emocional e as drásticas consequências de um amor obsessivo. Kenneth Branagh retorna com o icônico detetive Hércules Poirot e a ele se junta um elenco estelar com a participação de Tom Bateman, Annette Bening (4 vezes indicada ao Oscar®), Russell Brand, Ali Fazal, Dawn French, Gal Gadot, Armie Hammer, Rose Leslie, Emma Mackey, Sophie Okonedo, Jennifer Saunders e Letitia Wright. MORTE NO NILO, que reúne os criadores do filme de 2015 ASSASSINATO NO EXPRESSO ORIENTE, tem roteiro de Michael Green, baseado no romance de Christie, e é produzido por Ridley Scott, Kenneth Branagh, p.g.a., Judy Hofflund, p.g.a. e Kevin J. Walsh, com Mark Gordon, Simon Kinberg, Matthew Jenkins, James Prichard e Mathew Prichard como produtores executivos.

As férias do detetive belga Hércules Poirot a bordo de um glamuroso navio a vapor no Egito se transformam em uma terrível procura por um assassino, enquanto a lua-de-mel idílica de um casal perfeito é tragicamente interrompida. Ambientada em uma épica paisagem de vistas arrebatadoras do deserto e as majestosas pirâmides de Gizé, está história de paixão desenfreada e ciúmes apresenta um grupo cosmopolita de viajantes impecavelmente vestidos, e as reviravoltas inesperadas suficientes para deixar o público inquieto e perplexo até o chocante desfecho.

Filmada com as câmeras Panavision de 65 milímetros no final de 2019, MORTE NO NILO transporta o público para a década de 1930, recriando muitos locais que serviram de inspiração para o glamuroso thriller da alta sociedade de Christie.

Com a volta do público aos cinemas, a Disney se comprometeu com o lançamento apenas nos cinemas de MORTE NO NILO. O presidente de produção da 20th Century Studios, Steve Asbell, comenta: “A visão elegante e abrangente de Ken para esta clássica história merece ser vista na maior tela possível. Estamos muito orgulhosos deste filme, de nosso brilhante elenco e do trabalho estelar que trouxe MORTE NO NILO para as telonas. Sabemos que o público está ansioso para experienciar a próxima aventura de Hércules Poirot, e temos o prazer de continuar a trabalhar com Ken enquanto ele empresta sua magistral visão da narrativa para o mais novo filme desta célebre franquia”.

James Prichard, presidente e diretor executivo da Agatha Christie Ltd., acrescenta: “Mais de 100 anos depois após a publicação do primeiro romance de Agatha Christie, suas obras de ficção policial seguem imensamente populares e continuam a ser redescobertas por pessoas do mundo inteiro. Estou muito feliz que a Disney e nossos parceiros acreditem nesta franquia, que ajudou a apresentar as obras clássicas de Christie a milhões de novos fãs. Estamos honrados de trabalhar com a Disney, Ken e todos os que se dedicam a manter o grande legado desses títulos para as gerações futuras”.

Thriller psicológico ‘Inimiga Perfeita’ estreia 

COM UMA TRAMA INTRIGANTE SOBRE AMOR E SEGREDOS, LONGA ESTARÁ DISPONÍVEL PARA COMPRA E ALUGUEL NAS PLATAFORMAS DIGITAIS

(Foto: divulgação)

Inspirado no best-seller “Cosmetique de L’Ennemi”, da autora belga Amélie Nothomb – ainda inédito no Brasil -, o thriller “Inimiga Perfeita” (A Perfect Enemy) está disponível para compra e aluguel nas plataformas digitais Claro Now, Vivo Play, iTunes/Apple TV, Google Play e YouTube Filmes. Com distribuição da Synapse Distribution, o longa poderá ser encontrado nas versões dublada e legendada.

Com locações na Alemanha, Espanha e França, o filme acompanha a história de Jeremy (Tomasz Kot, de “Guerra Fria”), um bem-sucedido arquiteto. Ele acaba conhecendo Texel (Athena Strater, de “A Grande Mentira”) enquanto espera por seu voo em um terminal que projetou 20 anos atrás. Ela insiste em contar a sua história de vida, onde o presente e o passado de Jeremy se misturam, deixando o encontro cada vez mais suspeito. O longa foi exibido no Festival Catalão de Filmes Internacionais de 2020, em Sitges, na Espanha.

Dirigido pelo espanhol Kike Maíllo, ele conta que “em uma época em que queremos constantemente nos exibir, com ‘Inimiga Perfeita’ eu falo sobre os monstros que mantemos no armário e os pecados que tentamos esconder dos outros e de nós mesmos. É intrigante retratar as falhas que varremos para debaixo do tapete na esperança de que ninguém seja capaz de descobri-las”. Maíllo já trabalhou com Daniel Brühl no longa Eva (2012) e dirigiu o filme Toro (2016).

O roteiro do longa foi escrito pelo cineasta em parceria com os roteiristas Cristina Clemente e Fernando Navarro. Apesar de ainda ser inédita no Brasil, a obra de Amélie Nothomb que inspirou o filme já foi traduzida para 24 idiomas e vendeu 1 milhão de cópias.

Thriller psicológico estrelado por Dylan O’ Brien, ‘Efeito Flashback’ 

FILME ESTARÁ DISPONÍVEL PARA COMPRA E ALUGUEL EM PLATAFORMAS DIGITAIS

O suspense “Efeito Flashback” (Flashback/The Education of Fredrick Fitzell), protagonizado por Dylan O’ Brien – estrela da trilogia de filmes “Maze Runner”-, estará disponível a partir de 5 de novembro para compra e aluguel nas plataformas digitais Claro Now, Amazon, Vivo Play, iTunes/Apple TV, Google Play e YouTube Filmes. Com distribuição da Synapse Distribution, o longa poderá ser encontrado nas versões dublada e legendada.

Aos 30 anos, Fred (Dylan O’Brien) vive uma crise de identidade. Após cruzar casualmente com alguém que conheceu na adolescência, ele começa a ter assustadores flashbacks sobre uma garota da sua escola que desapareceu. Ele percebe que a resposta para este mistério pode estar em uma droga chamada Mercúrio e embarca em uma viagem ao passado pelas dimensões de sua memória.

“O desafio inicial foi determinar como seria abordada a questão da existência do livre-arbítrio e traduzi-lo em uma narrativa envolvente e uma história profundamente emocional”, conta o diretor e roteirista Christopher MacBride. O cineasta conta, ainda, a sorte que teve em contar com um elenco talentoso envolvido na trama que estava há anos em sua cabeça.

Produzido por Lee Kim (“A Conspiração”), o elenco ainda traz nomes como Liisa Repo-Martell (“A Garota Ideal”), Hannah Gross (“Mindhunter”) e Donald Burda (“American Gods”).

“ESPÍRITOS OBSCUROS”: SAIBA MAIS DO NOVO FILME DE TERROR DA SEARCHLIGHT PICTURES, QUE ESTREIA DIA 28 DE OUTUBRO NOS CINEMAS

Com direção de Scott Cooper, produção de Guillermo del Toro e Keri Russel como protagonista, a produção traz como enredo a lenda de Wendigo, criatura do folclore algonquiano

Quem curte filme de terror/suspense, não pode deixar de conferir Espíritos Obscuros nos cinemas. A história se passa em uma cidade isolada do estado de Oregon (EUA), onde uma professora do ensino fundamental (Keri Russell) e seu irmão xerife (Jesse Plemons) se envolvem com um enigmático aluno (Jeremy T. Thomas) cujos sombrios segredos levam a encontros aterrorizantes com uma lendária criatura ancestral que aparece diante deles. Baseado no conto The Quiet Boy de Nick Antosca, o filme conta com a direção de Scott Cooper e com a produção do aclamado Guillermo del Toro.

Para conhecer mais sobre a produção e entrar no clima da história, confira abaixo algumas informações sobre Espíritos Obscuros:

DIRETOR E PRODUTOR ACLAMADOS PELA CRÍTICA

(Foto: divulgação)

Scott Cooper já conquistou os corações dos cinéfilos com sua direção em filmes de sucesso, como: Coração Louco (2009), Tudo por Justiça (2013) e Hostis (2017). Agora, com sua bagagem de produções, Cooper parte para o gênero do terror. “Depois de fazer um drama musical em Coração Louco, um suspense thriller em Tudo Por Justiça, um filme de gângsters com Aliança Do Crime e um western com Hostis, parecia natural seguir para o terror”, diz o diretor.

Procurando um sentindo a mais para o filme, saindo do clássico de terror por terror, o entusiasmo de Cooper por Espíritos Obscuros foi consolidado quando o cineasta Guillermo Del Toro (HellboyO Labirinto Do Fauno, e o vencedor do Oscar® A Forma Da Água) embarcou no projeto como produtor. Cooper diz que o envolvimento de Del Toro emprestou imediatamente um senso tranquilizador do propósito artístico. “Um dos motivos pelos quais decidi fazer o filme é por causa de Guillermo e sua incrível habilidade em criar criaturas”, comenta. “Eu não o teria feito sem sua ajuda para criar algo que parecesse real e que pertencesse à Terra”.

O ELENCO

(Foto: divulgação)

Para os protagonistas, Cooper e Del Toro chamaram a vencedora do Globo de Ouro® Keri Russell e o indicado ao Emmy® Jesse Plemons para interpretarem Julia e Paul, os dois irmãos que lutam contra demônios do passado e demônios reais. Os atores infantis são Jeremy T. Thomas (interpretando Lucas Weaver) e Sawyer Jones (Aiden Weaver).

Thomas teve um grande desafio ao ter que interpretar três personalidades muito distintas na produção: irmão, filho e aluno. “Meu personagem, Lucas, na maioria das vezes fica quieto e na dele, e sofre bullying de um personagem chamado Clint. Então, o filme começa comigo sendo machucado mentalmente e fisicamente”, conta o ator mirim.

Cooper comenta também que a personagem Julia se identifica com Lucas e, por isso, criam uma relação especial. “Os dois têm irmãos mais novos, relacionamentos difíceis com o pai e a mãe de ambos morreram quando eles eram jovens. Com isso, ela se conecta com ele, como espíritos semelhantes tentando passar pelos obstáculos que os dois tiveram que superar”, explica.

A LENDA DE WENDIGO

(Foto: divulgação)

O Wendigo (também “winddsgvigo” ou “wetiko”) é, na mitologia das tribos indígenas americanas, uma criatura devoradora de homens semelhante a um cervo e/ou espírito maligno nativo das florestas do norte da costa atlântica e da Região dos Grandes Lagos dos Estados Unidos e Canadá. Segundo a lenda, é uma criatura destrutiva e canibalista associada ao inverno, ao frio e à fome, e está presente no sistema de crença tradicional de muitos povos de língua algonquiana, incluindo Ojibwe, o Saulteaux, o Cree, o Naspapi e o Innu.

Para dar vida ao monstro inspirado no Wendigo em Espíritos Obscuros, Cooper e Del Toro confiaram fortemente em vários membros e especialistas da comunidade nativa americana, incluindo Grace T. Dillon, conselheira nativa americana e membro do grupo de povos indígenas Anishinaabe, que ofereceu uma expertise única. “Nos anos 90, havia um senso de que o Wendigo poderia ter sido inspirado pelo contato indígena com nações europeias”, diz Dillon, que também atua como professora no Programa de Estudos das Nações Indígenas na Universidade Estadual de Portland, em Portland (Oregon, EUA). “Ele pode se manifestar de muitas formas, mas é sempre, em primeiro lugar, um espírito”.

Espíritos Obscuros estreia dia 28 de outubro nos cinemas.

ALÉM DE “A CASA SOMBRIA”: OUTROS FILMES DE TERROR E SUSPENSE DA SEARCHLIGHT PICTURES

Filme de David Bruckner e estrelado por Rebecca Hal, em exibição nos cinemas, é mais um dos títulos que provam a excelência do estúdio nos gêneros

Dirigido por David Bruckner (O Ritual), A Casa Sombria – da Searchlight Pictures – está em cartaz nos cinemas e conta a história de Beth (Rebecca Hall), uma viúva que lida com a morte inesperada do marido e vive sozinha em uma casa à beira do lago que ele construiu. Quando passa a ter visões perturbadoras de uma presença na casa, a protagonista começa a vasculhar os pertences de seu marido, ansiando por respostas. O que ela descobre são segredos terríveis e um mistério que está determinada a resolver.

Fundada em 1994 como Fox Searchlight Pictures, a Searchlight Pictures hoje faz parte da The Walt Disney Studios. Seus títulos arrecadaram mais de US$ 5,3 bilhões em todo o mundo e acumularam mais de 100 prêmios, incluindo estatuetas do Globo de Ouro, do BAFTA e do Oscar. A Casa Sombria, que conquistou 86% no Rotten Tomatoes – site especializado que compila as principais críticas de filmes e séries – não é o primeiro, nem o último filme de terror e suspense da Searchlight Pictures. Confira, abaixo, outros longas que provam a excelência do estúdio nos gêneros – incluindo lançamentos futuros!

Extermínio – Os Dias Estão Contados (2002)

(Foto: divulgação)

Nesse filme dirigido por Danny Boyle e estrelado por Cillian Murphy, um vírus poderoso, que deixa as vítimas em um estado permanente de raiva assassina, transformou o mundo em uma terra aparentemente desolada e devastada. Agora, um pequeno grupo de sobreviventes deve lutar para se manterem vivos, sem saber que o pior ainda está por vir. O filme ganhou uma sequência, Extermínio 2, em 2007 – ambos disponíveis no Star+.

REC (2007)

(Foto: divulgação)

REC é o primeiro de uma franquia de quatro filmes no estilo found footage, subgênero do terror que passa uma ideia documental, com elementos que criam um clima realista. No filme, um repórter de televisão e um cinegrafista acompanham uma equipe de emergência para um prédio escuro, ficando presos dentro de algo assustador. O filme espanhol foi muito bem recebido pelos críticos, com 89% de aprovação no Rotten Tomatoes, e recebeu prêmios na época, como Prêmio de Melhor Filme do Fantasporto (Festival Internacional de Cinema Fantástico do Porto) em 2008 e Melhor Indie/Produção Estrangeira no Reaper Award 2009.

Cisne Negro (2010)

(Foto: divulgação)

Assim como A Casa Sombria, o clássico Cisne Negro se encaixa no gênero de suspense psicológico. No filme de Darren Aronofsky, Natalie Portman vive uma bailarina que luta para manter sua sanidade mental durante o maior desafio de sua carreira: interpretar a Rainha Cisne em uma adaptação de “O Lago dos Cisnes”. Ela é instigada ao máximo por seu determinado diretor artístico e ameaçada por uma sedutora bailarina rival.

O filme, que está atualmente disponível no Star+, recebeu 257 indicações e 92 vitórias a diversos prêmios, incluindo cinco indicações ao Oscar nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Fotografia, Melhor Montagem e Melhor Atriz – em que Natalie Portman venceu a categoria, assim como em muitos outros prêmios, como nos Prêmios Globo de Ouro, Screen Actors Guild e BAFTA. Além disso, Cisne Negro foi a quinta produção de terror a ser nomeada na categoria de Melhor Filme, depois de O Exorcista (1973), Tubarão (1975), O Silêncio dos Inocentes (1991) e O Sexto Sentido (1999).

Casamento Sangrento (2019)

(Foto: divulgação)

Também disponível no Star+, o filme é protagonizado por Samara Weaving e acompanha uma noite de núpcias que toma um rumo sinistro quando os sogros da noiva a obrigam a participar de um jogo aterrorizante.

Espíritos Obscuros (2021)

(Foto: divulgação)

No dia 28 de outubro, estreia nos cinemas nacionais Espíritos Obscuros, filme dirigido por Scott Cooper (Coração LoucoTudo por Justiça) e produzido pelo aclamado Guillermo Del Toro (A Forma da ÁguaO Labirinto do Fauno). Na trama, uma professora (Keri Russel) da cidadezinha do Oregon e seu irmão (Jesse Plemons), o xerife local, descobrem que um jovem estudante (Jeremy T. Thomas) está abrigando uma criatura sobrenatural.

‘A Casa Sombria’ – Terror “água com açúcar”

Protagonizado por Rebecca Hall, longa decepciona fãs do gênero

Por Antonio Lemos

(foto: divulgação)

Assistindo ao trailer, dava para imaginar que ‘A Casa Sombria’ iria prender e assustar os fãs do gênero terror. Nada feito. Apesar do nome, o longa não tem nada de assustador, e nem a boa atuação de Rebecca Hall – de ‘Godzilla vs Kong’, ‘Iron Man 3’, entre outros – foi capaz de segurar a produção de David Bruckner durante quase 110 minutos de duração.

Na trama, Beth (Hall) está em processo de luto por conta do suicídio inesperado do marido, Owen (Evan Jonigkeit). Segundo a personagem, eles estavam juntos há 14 anos. Ela tenta o melhor que pode para se manter bem, mas acaba tendo dificuldades por conta de sonhos e visões perturbadoras de uma presença na casa construída pelo casal em frente a um rio e afastado de tudo.

Em determinado momento, a protagonista começa a descobrir que o doce e gentil Owen não tinha nada de bonzinho. Ele esconde segredos obscuros – desde livros, estátuas, que parece àqueles bonecos de vudu e mulheres parecidas com a personagem, dando a crer que havia um relacionamento fora do casamento -, todos pertinentes à aparição de uma sinistra casa invertida do outro lado de um lago, que espelha a própria residência que moram.

Geralmente vimos em filmes de suspense/terror aquele ator/atriz principal fazer de tudo para solucionar o mistério. ‘A Casa Sombria’ é ao contrário. Bruckner consegue deixar o espectador tanto quanto confuso com Hall, que, quando imaginamos que o negócio é real, na verdade, é um dos ‘trocentos’ sonhos durante as noites de sono.

As duas partes usa altas doses de mistério e referências ao obscurantismo e macabro, porém, quando chega a reta final, o filme começa a criar aquele potencial de te enganar quando você acha que tem todas as respostas possíveis e um verdadeiro desfecho. O filme esquece todo o clima de terror psicológico e suspense, abusa dos clichês com o duelo do “ser humano do bem contra o espírito do mal” e dá uma solução bem “água com açúcar” com o desfecho da protagonista.

A conclusão deixa a desejar. Primeiro, deixa em aberto se teria alguma continuação, depois, pelo fato de contradizer com o próprio enredo. Por fim, o luto é romantizado e subjetivizado sobre aceitação da perda, que soa mais engraçada do que profundo. Além disso, o lado obscuro de Owen deixa um verdadeiro buraco. Afinal de contas: o que motivaria o personagem de Jonigkeit a fazer tudo isso?

‘A Casa Sombria’ não entrega o que vendeu nos trailers, sem uma conclusão digna e nem o ato final que mudou o tom do longa. Bruckner foca mais na atuação de Hall para entregar uma trama focada no luto e na aceitação da perda. Se procura terror, espíritos e suspense, o filme, que estreiou nesta quinta-feira (23), não é indicado.

[Teaser Oficial e Primeiras Imagens] Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence tentam salvar o mundo no teaser de Não Olhe para Cima

Estreia na Netflix: 24 de dezembro
Nos cinemas: 09 de dezembro
Direção: Adam McKay
Roteiro: Adam McKay
História: Adam Mckay & David Sirota
Produção: Adam McKay, p.g.a. & Kevin Messick, p.g.a.

Direção de Fotografia: Linus Sandgren, ASC, FSF
Designer de Produção: Clayton Hartley
Edição: Hank Corwin, ACE
Figurino: Susan Matheson
Trilha Sonora: Nicholas Britell

Elenco: Leonardo DiCaprio, Jennifer Lawrence, Rob Morgan, Jonah Hill, Mark Rylance, Tyler Perry, Timothée Chalamet, Ron Perlman, Ariana Grande, Scott Mescudi, Himesh Patel, Melanie Lynskey, Michael Chiklis, Tomer Sisley, Cate Blanchett e Meryl Streep
 

Sinopse: A estudante de astronomia Kate Dibiasky (Jennifer Lawrence) e seu professor, Dr. Randall Mindy (Leonardo DiCaprio), descobrem que um cometa está prestes a colidir com a Terra, mas ninguém parece se importar. Alertar a humanidade sobre o impacto fatídico da rocha do tamanho do Monte Everest não será nada fácil. Com a ajuda do Dr. Oglethorpe (Rob Morgan), eles embarcam em um tour midiático que vai do gabinete da indiferente presidente Orlean (Meryl Streep) e seu filho bajulador Jason (Jonah Hill) até as ondas de rádio do The Daily Rip, um programa matinal bem-humorado  apresentado por Brie (Cate Blanchett) e Jack (Tyler Perry). A apenas seis meses da colisão, chamar a atenção da mídia e de um público obcecado pelas redes sociais se mostra um desafio chocantemente cômico – o que será preciso fazer para o mundo apenas olhar para cima?

Não Olhe para Cima foi escrito e dirigido pelo ganhador do Oscar Adam McKay (A Grande Aposta) e tem um elenco estrelado que conta ainda com Mark Rylance, Ron Perlman, Timothée Chalamet, Ariana Grande, Scott Mescudi (mais conhecido como Kid Cudi), Himesh Patel, Melanie Lynskey, Michael Chiklis e Tomer Sisley.

A lenda de Candyman: Muito mais do que apenas um mito

Por Gabriela Fontes

A Lenda de Candyman. (Foto: divulgação)

O filme não se trata apenas de mais uma história de terror, seu vilão é mais frio e violento. Sua narrativa é crua, trazendo desconforto com cada mensagem política e manifesto contra o racismo, nos mostrando que os verdadeiros vilões não são monstros escondidos em espelhos ou embaixo de nossas camas, mas sim vivem como qualquer pessoa normal com sua verdadeira face em meio ao sofrimento dos negros.

O roteiro assinado por Jordan Peele (‘Nós’ e ‘Corra’), Win Rosenfwld (‘Infiltrados na Klan’) e Nia (‘The Marvels’), usa uma das lendas urbanas mais conhecidas dos Estados Unidos para mostrar a realidade vivida pela população negra de Chicago.

A invocação

A Lenda de Candyman. (Foto: divulgação)

A Lenda de Candyman conta a história de um pintor promissor e pouco conhecido no meio da arte, que vem buscando se reinventar para se manter relevante. Após perceber que estava fazendo o mesmo de suas obras antigas, busca inspiração na lenda urbana de Candyman, um assassino que aparece por meio de reflexos a quem falar seu nome cinco vezes em frente a um espelho.

O filme mescla o sobrenatural, nos mostrando a forma com que Candyman mata suas vítimas, e a realidade com a tensão racial nos bairros e a violência policial para com a população negra. A ideia do longa é debater temas presentes com a tensão psicológica já usada por Peele em outros filmes e mais uma vez que o terror não precisa ser apenas de forma abstrata, mas sim que podemos encontrar crueldade em cada esquina.

Contudo, o longa pouco passa tanta tensão se tratando de seus outros personagens. Enquanto o protagonista vive em uma atmosfera aterrorizante, seus coadjuvantes estão claramente seguros, não trazendo qualquer tipo de preocupação ao telespectador a respeito do que poderia acontecer com os mesmos.

Veredito

O filme mostra claras referências ao de 92 (‘O mistério de Candyman’), ainda que sua magia seja menor. Isso não o torna ruim, claro. Ele cumpre o que havia prometido nos trailers e ainda mostra a essência de Peele em cada cena de violência, com seu humor ácido e trilha sonora que incomoda até mesmo o mais ignorante dos ouvintes.

‘Caminhos da Memória’ – Filme para pensar e viver o presente

No primeiro trabalho de Lisa Joy nas telonas, filme mostra um clima futurista, resgate das memórias do protagonista, mas derrapa no roteiro

Por Antonio Lemos

Caminhos da Memória estreia nos cinemas. (Foto: divulgação)

Como seria se você pudesse pegar um registro de sua memória para conferir onde guardou seus objetos pessoais? Ou melhor: relembrar as boas lembranças de muitos anos atrás? Essa é a temática de ‘Caminhos da Memória’ (“Reminiscence”), lançamento da Warner Bros Pictures, que chega aos cinemas em 19 de agosto. Conhecida por seu trabalho como co-criadora de ‘Westworld’, série sci-fi da HBO, Lisa Joy usa e abusa do clima futurista e o resgate das memórias durante quase duas horas de filme.

“Você vai embarcar numa jornada. Uma jornada pela memória. Só o que tem a fazer é seguir a minha voz.”. Vocês ouvirão muito Nick Bannister (Hugh Jackman) dizer isso durante o longa, que passa no futuro – que pode ser bem próximo como podemos imaginar – com Miami e cidades costeiras submersas por conta do aquecimento global, calor intenso a ponto de as pessoas dormirem durante o dia e trabalhar em busca da sobrevivência no período noturno, e um cenário de desigualdade social com os ricos sãos e salvos em terra firme, enquanto os pobres estão largados nas ruas e com água para todo lado.

O personagem do “eterno Wolverine” é um veterano de guerra cujo emprego atual envolve o uso de uma máquina capaz de transportar as pessoas de volta às memórias do passado. Ao lado de Watts (Thandiwe Newton), ele dá aos clientes a chance de reviver a época antes da destruição, relembrar um parente falecido, investigar o passado de alguém para solucionar casos criminosos ou descobrir onde você deixou simplesmente um par de chaves. É por meio deste último item que sua vida começa a mudar ao se apaixonar pela estonteante Mae (Rebecca Ferguson). Logo de cara, a química dos dois é capaz de sair faísca, e todo esse jogo de atração e romance vira uma perigosa obsessão após o desaparecimento da moça e Bannister descobrir que ela não é bem aquela mulher por quem se apaixonou.

Os três protagonistas são essenciais para o funcionamento da trama. No papel do investigador, Jackman mostra uma boa química com Ferguson e consegue dar impacto necessário para as cenas de drama. Já Newton passa por um verdadeiro arco, cresce dentro do longa e mostra cumplicidade com Bannister.

‘Caminhos da Memória’ é aquele típico filme no qual precisa ficar com os olhos bem abertos para não ficar perdido. O filme abre espaço para focar nas consequências de olhar muito para trás e não para o presente, e percebemos isso na reta final, onde acontece uma reviravolta e não vamos estragar sua experiência em contar o que rolou. Vale o mistério nessas horas!

O porém do filme de Joy é o seu roteiro, que peca quanto ao desenrolar da trama, e por mais que seja “para pensar”, alguns desfechos nos deixam um pouco perdidos em algumas cenas. A Warner Bros. erra ao vender aquele clima “feliz” em sua conclusão, o que de fato não acontece e nem combina com o trabalho da autora.

No geral, o longa é bem produzido e consegue equilibrar efeitos especiais, trilha sonora e cenários naturais, além de contar com boa atuação romântica da dupla Jackman-Ferguson. A história é boa de assistir, faz pensar sobre não ficar tão apegado com o nosso passado e viver o presente intensamente, mas não espere algo fora do normal e surpreendente.