Arquivo da tag: Teatro

Turma da Mônica O Show volta em curta temporada em São Paulo

Espetáculo da Turma da Mônica volta ao Teatro Santander, em curta temporada. (Foto: Caio Gallucci)

Teatro Santander receberá musical entre os dias 24 de janeiro e 9 de fevereiro

Após turnê internacional por Estados Unidos e Japão, o consagrado espetáculo musical Turma da Mônica O Show está de volta a São Paulo para uma curtíssima temporada. Serão 12 sessões, entre os dias 24 de janeiro e 9 de fevereiro, no Teatro Santander. 

No espetáculo, Mônica, Cebolinha, Cascão, Magali e Chico Bento resgatam as famosas músicas da turma do bairro do Limoeiro em uma produção da Mauricio de Sousa AO VIVO e OPUS Entretenimento que emociona e encanta a toda a família com mensagens de amor, amizade e respeito. 

Com efeitos especiais e muita interação com painel de LED, Turma da Mônica O Show é embalado por músicas famosas da Turma, com novos arranjos, e proporciona momentos engraçados, dinâmicos, lúdicos e interativos. O espetáculo tem 60 minutos de duração, com 15 minutos de intervalo, e foi criado e dirigido por Mauro Sousa, diretor da Mauricio de Sousa AO VIVO, com supervisão do criador da Turma da Mônica, Mauricio de Sousa. 

Ao longo dos últimos três anos, o musical já foi assistido por milhares de famílias tanto no Brasil quanto fora do país, uma vez que ele percorreu por cidades nos Estados Unidos e no Japão. 

Os valores dos ingressos são a partir de R$ 75 (inteiro) e podem ser adquiridos nas bilheterias do Teatro Santander e no link https://bileto.sympla.com.br/event/64044.

SERVIÇO:TURMA DA MÔNICA O SHOW

Temporada: de 24 de janeiro a 9 de fevereiro ]

Sessões:

24/01 – 16h
25/01 – 15h e 18h
26/01 – 16h
30/01 – 16h
31/01 – 16h
01/02 – 15h e 18h
02/02 – 16h
08/02 – 15h e 18h
09/02 – 16h

Duração do espetáculo: 60 minutos e mais 15 minutos de intervalo
Local: Teatro Santander
Endereço: Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi, São Paulo
Realização: Mauricio de Sousa AO VIVO e Opus Entretenimento
Ingressos:a partir de R$ 75 (inteira) na Frisa Balcão até R$ 120 (inteira) na Plateia VIP.
Acesso para portadores de necessidades especiais: sim
Ar-condicionado: sim
Capacidade total: 1.084 pessoas

Pontos de Venda:Bilheteria do Teatro Santander
Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 2041 – Itaim Bibi, São Paulo – SP, 04543-011. 
Todos os dias, das 12h às 20h.

Compra pela Internet
http://www.sympla.com.br
Formas de Pagamento: São aceitas todas as bandeiras de cartões: Amex, Aura, Dinners, Hipercard, Mastercard, Redeshop, Visa e Visa Electron.
Outras formas: Dinheiro, PayPal, Ticket Cultura e Vale Cultura Alelo.
Não aceitamos cheques. 
Classificação indicativa: Livre. Menores de 14 anos somente acompanhados dos pais ou responsáveis.

Sucesso de público no Rio de Janeiro, solo Mãe Fora da Caixa, protagonizado por Miá Mello, tem sua estreia paulistana no dia 10 de janeiro no Teatro das Artes

Miá Mello inicia temporada em São Paulo com “Mãe Fora da Caixa”. (Foto: Divulgação)

Espetáculo é inspirado no best-seller homônimo de Thaís Vilarinhoe discute os diversos dilemas que envolvem a maternidade real. Com muita leveza e bom humor, peça oferece ao público reflexões da protagonista, que nasce mulher junto com o bebê. Os pais podem levar seus pequenos nas sessões Bebê Bem-Vindo, que acontecem aos domingos, às 11h, a cada 15 dias.

“Ter filho é muito bom, mas dura…”, recita Miá Mello logo no início do espetáculoMãe Fora da Caixa, que traz aos palcos uma mãe sem medo de falar sobre os diversos dilemas que envolvem a maternidade. Dúvidas, alegrias, conflitos, amamentação, o puerpério e todas as mudanças que acontecem neste novo ciclo.

Depois de uma temporada carioca bem-sucedida,que começou com oito semanas e se transformou em cinco meses em cartaz, o solocom a atriz e humoristaMiá Mello(protagonista no filme Meu Passado Me Condena), tem sua estreia paulistana marcada para o dia 10 de janeiro no Teatro das Artes, no Shopping Eldorado. A peça é inspirada no best-seller homônimo de Thaís Vilarino e tem direção de Joana Lebreiro e texto de Cláudia Gomes (roteirista da Rede Globo e criadora do blog Humor de Mãe).

Na trama, uma mulher que já tem uma filha com sete anos aguarda ansiosa em seu banheiro pelo resultado de um novo teste de gravidez. “A grande sacada da peça para mim é se passar nesses 5 minutos que a protagonista está no banheiro. São instantes em que cabe uma vida inteira, o mundo de pensamentos, as lembranças, os pensamentos contraditórios. É isso que acontece na cabeça e no coração de uma mãe e foi o que tentamos trazer para a encenação”, revela a diretora Joana Lebreiro.

Uma das maiores dificuldades da mãe contemporânea é o acúmulo de tarefas, conta a atriz Miá Mello. “Temos essa sobrecarga mental provocada pela cobrança de ter que fazer um monte de coisas: ser boa mãe, ser boa profissional, ver as amigas, estar com o marido, ir ao mercado etc. Tem aquele bom e velho ditado que diz que para criar uma criança é preciso de uma aldeia. E cada vez estamos mais isolados em uma ilha de nossas famílias modernas individuais. A peça tem essa força de mostrar que não estamos sozinhas de verdade. Eu começo dizendo que não é a minha história, mas poderia ser e acho que isso acontece com todo mundo. Tem um grande poder de identificação”.

O espetáculo surgiu quando o ator e produtor Pablo Sanábio(que atua na série Sob Pressão, na TV Globo) se deparou com uma série de questionamentos sobre paternidade e acabou encontrando o livro Mãe Fora da Caixa, de Thaís Vilarino. A autora é conhecida nas redes sociais por mostrar o lado real da maternidade e oferecer um ombro amigo para os pais e mães que se sentem pressionados com tantos desafios.

O desejo de Vilarinode escrever sobre maternidade aflorou com o nascimento de seu primeiro filho. “Lembro do sentimento de indignação quando percebi que não se falava sobre as dores e as dificuldades. Doze anos atrás não se falava sobre baby blues, sobre puerpério e nem sobre a mudança radical que acontece na vida da mulher que se torna mãe. Então, escrever foi necessário, terapêutico. Um processo de cura mesmo. Fico muito feliz que esteja, de certa forma, ‘curando’ outras mães. A peça expande o livro, expande as ideias em uma outra forma de comunicação. Sou muito grata por isso, pois, assim, o conceito chega em cada vez mais mães. O que eu mais gosto na peça é a entrega da Miá. A vontade que ela tem de gritar sobre o assunto. É a entrega dela que faz a peça ter esse potencial gigante”, revela Thaís Vilarino.

Já MiáMello conta que o tema da maternidade sempre foi algo latente para ela, mas mantido em seu círculo íntimo. “Quando tive meu segundo filho, fiquei absolutamente mexida. Eu achei que fosse tirar de letra porque já era mãe, mas não foi bem assim. Estava longe dos meus pais, da minha sogra, das minhas amigas de infância. E como não tinha uma rede de apoio, tudo foi mais difícil. Passei a viver a maternidade com muita intensidade, mas não tinha com quem falar sobre isso. Quando o Pablo me ligou, topei participar do projeto antes mesmo que ele me explicasse como seria. Logo comprei e devorei o livro da Thaís e fui anotando coisas sobre a minha maternidade. Tínhamos essa conexão muito forte e tudo foi desenrolando a partir dessa necessidade de falar sobre isso de forma real”.

A encenação foi criada a partir de um diálogo entre o livro e o perfil no Instagram de Taís Vilarino com as experiências pessoais de Miá, Joana e Cláudia. “Queríamos um espetáculo que juntasse esse papo reto e real sobre maternidade com a sensação de acolhimento às mães, sem deixar de lado esse humor ‘pé na porta’ que é a marca da Claudia. Uma coisa que conversamos desde o início e que permeou a escrita dela é ter um espetáculo que fosse bem aberto, bem direto para o público. E que não ficasse fechado na história, no sentido de ter uma personagem falando sozinha. Ela está conversando com aquelas pessoas que estão ali assistindo. Eu gosto muito das peças que deixam a plateia como parte atuante do jogo cênico”, esclarece Joana Lebreiro.

Na prática, a voz da personagem se mistura com a voz da atriz, que interfere ativamente na história e compartilha sua experiência com o público. “A Miá entra e sai do personagem livremente e na hora que ela quiser. Achamos que o mais legal para a peça seria explodir qualquer fronteira entre a personagem e a atriz. O que importa é o que está sendo contado e compartilhado. E essa ‘bagunça’, que também acontece com o cenário – o banheiro retratado no palco também funciona como se fosse a cabeça da personagem –, serve para mostrar como tudo na nossa vida muda quando viramos mãe. Quando nasce um filho, tudo vira bagunça e contradição na vida concreta, nos nossos sentimentos”, acrescenta a diretora.

O espetáculo ainda conta com produção de Carlos Grun (responsável por sucessos como Selfie, com Mateus Solano; e O Escândalo Philippe Dussaert, com Marcos Caruso). E a equipe técnica traz Paulo César Medeiros (luz), Mina Quental (cenário) e os irmãos Vilarouca (videografismo).

Sessão Bebê Bem-Vindo

Os pequenos também podem assistir à peça nas sessões Bebê Bem-Vindo, que acontecem aos domingos, às 11h, a cada 15 dias, sempre acompanhadas dos responsáveis. Trata-se de uma experiência que transforma ainda mais o ambiente harmônico da peça, além de proporcionar cenas belíssimas para os pequenos.

Ficha técnica:

Texto: Cláudia Gomes. Elenco: Miá Mello. Idealização: Pablo Sanábio. Direção: Joana Lebreiro. Direção de Produção: Carlos Grun e ThábataTubino. Iluminação: Paulo César Medeiros. Cenário: Mina Quental. Direção de movimento: Andrea Jabor. Projeções: Vilaroucas Produções. Figurino: Bruno Perlatto e Mariana Safadi. Assessoria de imprensa: Adriana Balsanelli. Uma produção: Bem Legal Produções.

Serviço:

MÃE FORA DA CAIXA – Estreia dia 10 de janeiro de 2020 no TEATRO DAS ARTES.

Duração: 80 minutos. Classificação: 12 anos. Ingressos: Sextas e domingos R$ 80 (inteira); R$40 (meia-entrada). Sábados R$ 90 ( inteira ); R$ 45 ( meia-entrada).

Temporada: De 10 de janeiro até 26 de abril de 2020. Às sextas e aos sábados, às 21h; aos domingos, às 18h. Sessões Bebê Bem-vindo, aos domingos, às 11h (de 15 em 15 dias).

TEATRO DAS ARTES – Shopping Eldorado – Av. Rebouças, 3970, Loja 409, Pinheiros, São Paulo, SP.

Bilheteria: De terça a domingos, das 13h15 às 20h. Vendas online pelo site Sympla. Capacidade: 769 lugares.Informações: (11) 3034-0075.

Aladdin, o Musical, direção de Carla Candiotto, a partir de 2 de novembro no Teatro Porto Seguro. Um espetáculo mágico que inclui o voo do tapete

Doze atores e um pianista estão no palco como uma trupe de teatro, de contadores de histórias que cantam, dançam e interpretam com agilidade e de forma muito divertida uma das mais incríveis narrativas de aventura. Como todas as peças da diretora, seu conteúdo agrada toda a família

O Teatro Porto Seguro recebe a nova montagem da Chaim Produções, o infantil Aladdin, o Musical, com direção de Carla Candiotto, que estreia dia 2 de novembro, sábado, às 15h. O elenco é formado por Andreza MeddeirosBruno OspedalCaio MutaiEdmundo VitorGiu MallenGustavo Della SerraJoyce CosmoLéo RommanoMarco Antonio CostaNábia VillelaPedro Navarro e Thays Parente.

No palco, uma carroça estilizada se transforma numa caixa mágica e funciona como teatro ambulante, mercado, quarto e gruta. Em cena, 12 atores e um pianista vestem 25 figurinos e interpretam uma trupe de teatro que viaja pelo mundo contando uma das mais incríveis narrativas de aventura. Entre os personagens, destaque para o tigre branco Namur (companheiro de Jafar, o feiticeiro maldoso e ávido por poder), o espirituoso gênio da lâmpada e o tapete que acha que é um cachorro e funciona, comicamente, com acrobacias. 

Aladdin é um ladrãozinho de pequenos furtos, que, através de uma lâmpada mágica e um gênio, começa a repensar a vida e o amor. A princesa Jasmine é uma adolescente que deseja ser livre para escolher os seus próprios caminhos, diferente das mulheres de gerações anteriores que vislumbravam apenas o casamento como desejo máximo e definitivo.

Teatro Porto Seguro recebe Alladin, o Musical. (Foto: Caio Gallucci)

O ganancioso Jafar se comporta com a astúcia e movimentos corporais de um gato. O Tapete Voador faz várias acrobacias. O Tigre possui formação acrobática. No Aladdin de Carla Candiotto, o personagem Gênio é um jovem bailarino. “O gênio gostaria de estar no mundo do show business, ele faz uma pequena homenagem a Broadway”, descreve a diretora.

Para embalar a história que se desenrola no universo da fantasia e imaginação, a diretora utiliza uma fusão de linguagens artísticas, característica marcante em sua obra. Tem teatro físico, circo, manipulação de bonecos e teatro de sombras, truques e efeitos especiais, além de vídeos com imagens de palácios, luas e estrelas. “É uma história sobre mágicas, tem um gênio que mora numa lâmpada, um tapete que fala e um tigre que pensa. Enfim, a magia existe o tempo todo.”

Além de conteúdo e concepção, esta montagem de Carla Candiotto aposta na qualidade também na escolha da equipe de criativos, como tem sido ao longo de sua carreira. Com direção musical de Carlos Bauzys, design de luz de Wagner Freire, figurino de Fábio Namatame, cenário de Bruno Anselmo, coreografia de Alonso Barros, videografismo e videomapping de André Grynwask e Pri Argoud (Um Cafofo), design de som de Tocko Michelazzo e visagismo de Dicko Lorenzo, o espetáculo tem texto de Carla Candiotto e Igor Miranda e músicas de Carlos Bauzys (com letras de Igor).

Ficha Técnica:

Texto: Carla Candiotto e Igor Miranda. Músicas: Carlos Bauzys e Igor Miranda. Direção: Carla Candiotto. Direção Musical: Carlos Bauzys. Assistente de Direção: Igor Miranda. Assistente de Direção Musical: Rodolfo Schwenger. – Design de Luz: Wagner Freire. Figurino: Fabio Namatame. Visagismo: Dicko Lorenzo. Cenário: Bruno Anselmo. Videografismo e videomapping: André Grynwask e Pri Argoud (Um Cafofo). Coreografias Diretor de movimento: Alonso Barros. Assistente de Coreografia / Diretora Residente: Vanessa Costa. Design de som: Tocko Michelazzo. Fotos divulgação: Caio Gallucci. Assessoria de Imprensa: Fernanda Teixeira (Arteplural).

Elenco e personagens:

  • Andreza Meddeiros (Samirah, Ensemble)
  • Bruno Ospedal (Tigre/Ensemble)
  • Caio Mutai (Aladdin/Ensemble)
  • Edmundo Vitor (Cover Aladdin/Ensemble)
  • Giu Mallen (Cover Mãe/Ensemble)
  • Gustavo Della Serra (Tapete / Ensemble)
  • Joyce Cosmo (Cover Jasmine/ Ensemble)
  • Léo Rommano (Sultão/Cover Jafar/Cover Gênio/ Ensemble)
  • Marco Antonio Costa (Jafar/Enemble)
  • Nábia Villela (Mãe/Ensemble)
  • Pedro Navarro (Gênio/ Ensemble)
  • Thays Parente (Jasmine/Ensemble)

Pianista: Rodolfo Schwenger

Orquestra gravada:

Marcelo Mantra – REED 1

Paulo Pupo – REED 2

Paulo Jordão – Trompete

Douglas Freitas – Trombone

Helena Imasato – Violino 1

Ney Aguiar – Violino 2

Vupulos Vaplan – Viola

Franklin Martins – Cello

Marisa Gurgel – Piano

Gibson Freitas – Baixo

Gustavo Rosa – Percussão

Rosangela Rafhaelle – Bateria

Produção e Realização: Chaim Produçõe. Patrocinadores do espetáculo: Ministério da Cidadania Chaim Produções. Patrocínio: Porto Seguro (SP), Rede Impar (Apenas no Rio, SP e Brasília), Colgate (SP). Apoio: UOL (Apenas Rio e São Paulo).

Aladdin, o Musical

De 2 de novembro a 8 de dezembro – Sábados e domingos, às 15h.

Ingressos: R$ 90,00 plateia / R$ 50,00 balcão e frisas.

Classificação: Livre.

Duração: 75 minutos.

TEATRO PORTO SEGURO

Al. Barão de Piracicaba, 740 – Campos Elíseos – São Paulo.

Telefone (11) 3226.7300.

Capacidade: 496 lugares.

Formas de pagamento: Cartão de crédito e débito (Visa, Mastercard, Elo e Diners).

Acessibilidade: 10 lugares para cadeirantes e 5 cadeiras para obesos.

Estacionamento no local: Estapar R$ 20,00 (self parking) – Clientes Porto Seguro têm 50% de desconto.

Serviço de Vans: TRANSPORTE GRATUITO ESTAÇÃO LUZ – TEATRO PORTO SEGURO – ESTAÇÃO LUZ. O Teatro Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Teatro. COMO PEGAR: Na Estação Luz, na saída Rua José Paulino/Praça da Luz/Pinacoteca, vans personalizadas passam em frente ao local indicado para pegar os espectadores. Para mais informações, contate a equipe do Teatro Porto Seguro.

Bicicletário – grátis.

Vendas: http://www.tudus.com.br

Facebook: facebook.com/teatroporto

Instagram: @teatroporto

“O Anti-Musical, O musical” estreia no Teatro Núcleo Experimental

Após sucesso no Rio, o espetáculo “O Anti-Musical – o Musical”, produzido pelo CEFTEM (Centro de Estudos e Formação em Teatro Musical), estreia temporada em São Paulo no Teatro do Núcleo Experimental em temporada de 08 a 30 de outubro, terças e quartas, às 21h.

O espetáculo tem direção de Fabiana Tolentino, dramaturgia e canções originais de Tauã Delmiro, direção musical de Miguel Briamonte e coreografia de Mariana Barros.

“O Anti-Musical, o Musical” estreia no Teatro Núcleo. (Foto: Divulgação)

A dramaturgia do espetáculo busca comunicar o universo da obra de Luigi Pirandello e do romance O Mágico de Oz, de L. Frank Baum. Através de uma obra meta-teatral explora, com humor, elementos recorrentes na dramaturgia e na música dos grandes espetáculos musicais. Também questiona o sistema infraestrutural que as produções do gênero adquiriram no país e expõe as contradições de ser artista nesse país que assiste ao sucateamento das suas políticas públicas e culturais.

Sinopse: Após a transposição de duas obras de Luigi Pirandello para os palcos fracassarem, um grupo de teatro recebe de uma empresa a proposta de montar o musical “O mágico de Oz”. Essa é uma tarefa árdua para a companhia, já que os integrantes odeiam teatro musical. Considerando sua aversão a estética inerente ao gênero, decidem subverter a proposta do patrocinador e dar uma nova dimensão poética a obra, criando assim um anti-musical.

A temporada de Anti-Musical vai até 30 de outubro com sessões de terças e quartas às 21h.

O Anti-musical, O Musical

Temporada: de 08 a 30 de outubro 

Duração: 1h45

Horário: 21h

Classificação Etária: 12 anos

Local: Teatro Núcleo Experimental

R. Barra Funda, 637 – Barra Funda – São Paulo

Ingressos:  Preço: R$ 60 (inteira) e R$ 30 (meia entrada)

FICHA TÉCNICA 

Dramaturgia e canções originais: Tauã Delmiro

Direção: Fabiana Tolentino

Direção Musical: Miguel Briamonte

Coreografia: Mariana Barros

Coordenação Pedagógica: Reiner Tenente

Elenco: Anita Janasi, Camila Johann, Cristiana Paiva, Emanoel Fernandes, Fabiana Fields, Gabriela Carvalho, Gabriela Tarifa, Giovana Abreu, Isabela Yunes, Laura Pompeo, Luiz Mota, Natan Tricarico, Rita Nascimento, Vitoria Eliza

Cenografia/Figurino: Ana Elisa Schumacher​

Artes Visuais: Lurryan Nascimento

Assessoria de imprensa: MercadoCom / Ribamar Filho

Produção: CEFTEM (Centro de Estudos e Formação em Teatro Musical)

“Chaves – um tributo musical” é uma sessão de nostalgia

Por Vanessa Alsberg

Está em cartaz no teatro Opus, o musical do Chaves, e nós do diver já fomos conferir para indicar aos nossos leitores =)

O musical presta uma homenagem a Roberto Gómez Bolaños, mostrando que com sua criação, nem todo palhaço precisa usar um nariz vermelho para fazer as pessoas rirem.

Com músicas da série para relembrar os velhos tempos, e algumas inéditas do musical, você se emociona do início ao fim da apresentação.

(Foto: Vanessa Alsberg)

Os atores te levam a uma verdadeira viagem no tempo, com a nostalgia de estar assistindo a mais um episódio inédito de Chaves, se reencontrando com Chiquinha, Quico, Seu Madruga, Bruxa do 71, Dona Florinda, Professor Girafales, Seu Barriga, Nhonho, Godinez e Pópis que acompanham chaves, um menino órfão que vive com fome, em suas trapalhadas.

Musical nos leva de volta a frente da TV vendo Chaves. (Foto: Vanessa Alsberg)

A peça está realmente incrível, uma linda produção que vale a pena conferir!!

O teatro fica no último piso do shopping villa lobos, e você pode conferir “Chaves- um Tributo Musical” de sex às 21h, sábado às 16h e 20h, domingo às 15h e 19h
Duração: 150 minutos

Sergio Mallandro está de volta a São Paulo com novo show em curta temporada.

O espetáculo “O Errado Que Deu Certo” às sextas feiras entre Setembro e Outubro no Teatro Procópio Ferreira

Um dos artistas mais conhecidos do Brasil desde os anos 80 se reinventou criando um stand up comedy de maior sucesso do Brasil, lotando imensos teatros.

Nele, Mallandro conta historias de sua carreira e de sua vida de um jeito hilário. Nas histórias cita seu padrasto general, Xuxa, Marlene Mattos, Wagner Monte, Maradona, Jorge Benjor, Silvio Santos. Também conta como é viver e morar junto com sua ex-mulher Mary Mallandro. Sérgio promete que sou show não é só “glu glu, yeah yeah” e que tem historias hilárias e uma boa participação do público e, ainda, que no final abre a Porta dos Desesperados. Em seu novo show vem também muita interação e vídeos que leva o publico a uma pura nostalgia além de dar muitas risadas.

Sérgio Mallandro está em curta temporada em São Paulo. (Foto: Divulgação)

Meia entrada :

Estudantes de Ensino Fundamental, Médio, Superior e Pós-graduação; No caso dos Estudantes, é necessária a apresentação do documento de identidade estudantil (carteira de estudante) com data de validade atual no ato da compra e na entrada do espetáculo. Não aceitamos certificado de matrícula do período em curso

ou boleto de pagamento do mês vigente. (www.documentodoestudante.com.br)

Professores da Rede Estadual e Municipal; Maiores de 60 anos; Portadores de Necessidades Especiais. Venda direta, pessoal e intransferível, sendo necessária a apresentação de documento original, com foto, que comprove a condição no ato da compra e na entrada do espetáculo. No caso dos Professores da rede pública de ensino, é necessária a apresentação da carteira funcional emitida pela Secretaria de Educação ou outro documento com identificação que comprove esta condição no ato da compra e na entrada do espetáculo.

Sergio Mallandro – O errado que deu certo

Dias: 06/09; 13/09; 20/09; 04/10: 11:10.

Sextas às 21h30

Capacidade: 624 lugares

Duração : 90 min

Recomendação : 14 anos

Vendas onlinehttps://bileto.sympla.com.br/event/61714-2/d/68428/s/353801

Vendas pela bilheteria do Teatro Procópio Ferreira (aberta terça e quarta, das 14h às 19h; e de quinta a domingo, das 14h até o início do espetáculo), sem taxa de conveniência.

THIAGO VENTURA ESTREIA NO TEATRO BRADESCO

Comediante apresenta novo espetáculo “Pokas”, na próxima terça-feira (10/09), às 21h

Após divertir diversas capitais do Brasil e do exterior, Thiago Ventura, considerado um dos maiores comediantes de stand-up do Brasil na atualidade, está de volta a São Paulo para outra performance mais do que especial, que já fez muita gente chorar de dar risada no Teatro Opus.

O talentoso humorista se apresenta pela primeira vez na carreira, no tradicional palco do Teatro Bradesco (Shopping Bourbon). Ele promete muita diversão com seu terceiro show solo “Pokas”, nesta terça-feira (10/09), às 21h. Os ingressos custam a partir de R$ 30 (meia-entrada/estudante) e continuam à venda pelo site Uhuu.com. Mais informações no serviço abaixo.

Thiago Ventura realiza show no Teatro Bradesco. (Foto: Divulgação)

Em “Pokas”, Thiago Ventura faz piadas e conta histórias engraçadas sobre os últimos anos como comediante de stand-up. Fala de liberdade de expressão, livre-arbítrio, sexualidade, drogas, dogmas e da vida pessoal, sempre com seu inconfundível estilo da quebrada.

Thiago Ventura 

Administrador de empresas e ex-bancário, Thiago Ventura se dedica à comédia stand-up desde 2010. Desde maio de 2016, o artista está em cartaz com “Isso é tudo que eu tenho” e “Só Agradece” (shows que geraram dois DVDs homônimos), e agora está na estrada com o novo show, “Pokas”. 

Ventura é fenômeno de público e crítica por onde passa, já participou dos maiores festivais de comédia do Brasil. Faz parte do elenco  dos grupos: 4 Amigos, Comédia ao Vivo e A Culpa é do Cabral, em 2017 e 2018 fez turnê internacional no Japão, Estados Unidos e Europa (Lisboa, Dublin, Galway, Amsterdã, Bruxelas, Londres e Paris).

Seus vídeos geram mais de 20.000 compartilhamentos e mais de 2 milhões de views em pouco mais de 3 dias, e muitos vídeos contam com mais de 50 milhões de visualizações.

Duração: 80 min
Classificação etária: LIVRE

Brincante e Cia estreia espetáculo que “engana morte”

Brincante e Cia estreia espetáculo que “engana morte” com arte
Baseado em conto africano, trupe de multi-artistas apresenta A Noite que a Morte Dançou, que conta com números de dança, circo e música em interação com público.

Último final de semana para assistir o espetáculo A Noite que a Morte Dançou, que o grupo Brincante e Cia apresenta nos dias 17 e 18 de agosto, no próprio Instituto Brincante, na Vila Madalena, em São Paulo.

Brincante e Cia encerra temporada em São Paulo. (Foto: Divulgação)

O enredo conta, a partir de números de dança, circo, música e da interação com o público uma releitura de um conto africano que fala da visita inconveniente da morte em uma cidade e que foi contornada pelo companheirismo e a criatividade artística de 2 irmãos gêmeos.

“O espetáculo é um convite para que o público tenha uma experiência sobre o fazer artístico”, diz Rosane Almeida, co-fundadora do Instituto Brincante e uma das cinco multi-artistas presentes no espetáculo. Cada um deles interpreta diversos papéis e executa diferentes modalidades artísticas.

Para ajudar a “entreter” a morte, além da própria trupe, outros artistas-convidados e até o público são convocados a cantar, dançar, recitar poemas e executar outros fazeres artísticos. Entre os artistas-convidados estão Ricardo Herz, Toninho Ferraguti, Bete Amim e Flora Popoovik.

Oficina gratuita antes do espetáculo

O processo de criação artística coletivo também está presente na Oficina Arte do Brincante, no dia 9 de agosto, das 14h às 17h, com inscrições gratuitas (vagas limitadas). Para se inscrever, basta se acessar site http://www.institutobrincante.org.br/eventos/205
A vivência oferece (com teoria e prática) um espaço para a reflexão e repertório através de canções, brincadeiras, histórias e procedimentos da cultura popular brasileira, com a finalidade de promover a criação individual e do grupo. A partir dos princípios das manifestações brasileiras, mostra como utilizar este material – do corpo, da palavra, da música – de modo a ampliar o processo criativo do participante, independente da sua área de atuação.
O material criado na oficina – seja poético, plástico ou coreográfico – será inserido no espetáculo.

Serviço
Espetáculo A Noite que a Morte Dançou
Instituto Brincante – Rua Purpurina, 412

17/08 – 18h e 21h
18/08 – 16h e 19h

Preços: R$ 40 inteira e R$ 20 meia entrada.
Ingressos à venda de segunda a quinta das 14h às 21h e no dia dos espetáculos com 1 hora de antecedência. Ou pelo site http://www.institutobrincante.org.br/eventos/205

Álbum “Canteiro de Alumiá” revela músicas de um Brasil poético

Com 10 canções”de arranjos artesanais e sonoridade armorial”, Ricardo Dutra e Quinteto Aralume fazem o pré-lançamento do álbum Canteiro de Alumiá nos dias 20 e 21 de julho no Teatro Arthur de Azevedo, com entrada gratuita

Chamado de “trovador contemporâneo”, o compositor, cantador e instrumentista Ricardo Dutra e o Quinteto Aralume, de música instrumental brasileira, lançam o álbum Canteiro de Alumiá, no Teatro Arthur de Azevedo, nos dias 20 e 21 de julho, com entrada gratuita. De maneira poética e imbuídas de lirismo melódico, os temas das 10 composições do álbum abordam histórias do povo brasileiro e a natureza que os rodeia, unidas ao refinamento artesanal dos arranjos, que proporcionam a este trabalho a sonoridade armorial.

“[…] Ricardo Dutra, qual um menestrel, canta o que seus olhos veem e o seu coração sente construindo uma narrativa que busca um mundo mais sensível, idílico, onde a natureza em seu equilíbrio seja a verdadeira regente de todas as relações… Numa espécie de evocação a todos os cantadores, o encontro de Ricardo com o Aralume celebra musicalidades presentes no Brasil de Dentro… Um belo disco onde a criação e a busca sonora se confundem com o viver e com o sonho da construção de um mundo mais humano“, escreveu o professor da USP e violeiro Ivan Vilela que faz a apresentação do disco no encarte do álbum.

Canteiro de Alumiá se apresenta este domingo. (Foto: Divulgação)

Parceria inusitadaA inspiração para a parceria surgiu depois que Ricardo Dutra assistiu a uma aula espetáculo do Quinteto Aralume, que realizava uma homenagem a Antonio Madureira, líder do Quinteto Armorial, grupo que fez sucesso na década de 1970, ao criar uma música erudita brasileira de raízes populares. O Quinteto Armorial nasceu no contexto do Movimento Armorial, idealizado pelo escritor Ariano Suassuna, este movimento cultural surgiu no Recife e se espalhou pelo Brasil. 

Fui tomado por uma sensação estética e histórica da música dos trovadores… foi uma experiência luminosa que me deu outra perspectiva da música do cancioneiro antigo… uma idéia central do disco, do cultivo à luz, do canteiro que você cultiva, que você planta a luz, e essa luz é a música, é o canto,… E o próprio nome Aralume, que pela etimologia seria uma junção de uma luz numa pedra num altar, neste disco, Aralume é o próprio ato de arar a luz“, disse Antonio Madureira apos ouvir o álbum, em seu depoimento transcrito no encarte do CD. O que é Canteiro de Alumiá?

nome do espetáculo Canteiro de Alumiá merece uma explicação. A palavra canteiro neste espetáculo traz seus diversos significados: o canteiro de obra, o canteiro de cantaria (arte de talhar pedra), e também o canteiro de flores, sendo a flor um elemento poético bem utilizado nas letras das canções. Todos estes canteiros formam o Canteiro de Alumiá, um lugar de tarefa e lapidação desta obra musical, que alumia com o encanto das canções que nele brota e fecunda.O álbum também conta com a participação especial da cantora Leticia Torança em três faixas.


O projeto tem o apoio do Edital Música da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. 

Serviço

Pré-Lançamento CD Canteiro de Alumiá
Teatro Arthur de Azevedo
Duração: 60 minutos
20 e 21 de julho – Sabado às 19h; e Domingo às 17hAv. Paes de Barros, 955 – Mooca, São Paulo 
Entrada gratuita

Teatro Gamaro traz shows de humor na programação de julho

Thiago Ventura (dia 13/7) e Diogo Almeida (21/7) animam o público no mês das férias

Em julho, o Teatro Gamaro irá garantir muito humor, diversão e risadas, com nomes consagrados do stand-up comedy.

Dia 13, sábado, às 18h, Thiago Ventura apresenta seu novo projeto-solo, Pokas, que traz histórias sobre os seus últimos anos como comediante, abordando temas como liberdade de expressão, livre arbítrio, sexualidade, drogas, dogmas e vida pessoal, sempre com seu inconfundível estilo “da quebrada”.

Ingressos a R$ 70,00 (inteira) e R$ 35,00 (meia). Classificação: 16 anos.

Thiago Ventura se apresenta esse sábado no Teatro Gamaro. (Foto: Divulgação)

O sábado seguinte, dia 21, às 17h, Diogo Almeida leva ao palco o humor refinado em sua vasta vivência na área educacional, com o show Vida de Professor. Nas redes sociais, seus vídeos somam mais de 10 milhões de visualizações. Em seus shows, o artista tem arrancado risos e levado diversão para profissionais da educação, pais e alunos, que se identificam com as situações. Ingressos a R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia). Classificação: 12 anos

Diogo Almeida fecha a programação de férias do Teatro. (Foto: Divulgação)

A bilheteria do Teatro Gamaro funciona de quarta a domingo, exceto feriado, das 14 às 19 h. Pagamentos podem ser feitos em dinheiro ou nos cartões Visa e Mastercard (crédito e débito). É possível ainda adquirir o ingresso pela internet, no link https://teatrogamaro.com.br/ingressos/