Arquivo da tag: Arquitetura

Qual dos 50 tons de cinza é o ideal para sua parede?

Especialista conta curiosidades sobre as tonalidades do cinza e alerta os impactos que esta pode causar nas pessoas

O cinza é uma cor que, na decoração, pode causar diferentes impactos. Por isso, antes de ir pintando as paredes é preciso compreender todas as características, significados e efeitos que a tonalidade pode causar no ambiente, assim como a sensação que esta transmite para quem visita o local. Como não atrai atenção para si, normalmente é usada como base para outras cores que assumem o protagonismo no seu lugar. A arquiteta e sócia fundadora da Contraste Arquitetura, Caroline Bahia, comenta os aspectos por trás da cor e dá algumas dicas para usá-la.

Como a escolha da tinta que dará vida ao cômodo do seu lar é algo muito particular, Caroline lista algumas características que podem ser vistos como prós e contras a respeito da coloração: “Em geral os tons de cinza expressam neutralidade, por estar entre duas cores neutras, o preto e branco. Ela também é sinal de segurança, maturidade e comprometimento, em contrapartida, pode simbolizar apatia e isolamento”, portanto a dica da profissional é: “utilizar outras cores, pois diminui os aspectos que passem uma impressão negativa e deixa o ambiente aconchegante”.

Paredes cinzas: bom ou não?. (Foto: Divulgação)

Segundo a psicologia das cores, o cinza é a cor do compromisso, quando mais próximo ao preto, mais melancólico, já quando o branco é predominante, ela se torna mais animada. “A cor também interfere no nosso corpo, pois o cinza pode drenar a nossa energia. Dependendo da quantidade e da leveza da aplicação pode ser deprimente ou alegre. Extremamente conservadora, seu uso garante um tom formal e pode tornar o espaço monótono e sem muitos atrativos. Por isso é sempre bom mesclar com outras cores, mesmo que essas cores sejam neutras e sutis”, alerta Caroline.

A especialista encerra expressando sua opinião a respeito da coloração e dando um último conselho: “o cinza não possui energia, não estimula nem emociona, não é convidativo e nem chamativo. Para isso a solução é aplicá-lo na medida certa e junto com cores mais vibrantes e fortes para que o ambiente ganhe personalidade e vida. Na hora de reformar, é essencial saber a quantidade de cor usar. Temos que levar em conta que cada uma tem sua função”.

A exuberância da floresta e a riqueza arquitetônica de Manaus nas férias de dezembro e janeiro

Prédios históricos do Ciclo da Borracha são ilustres vizinhos do Juma Ópera, novo hotel da capital do Amazonas. Dos mesmos proprietários, Juma Amazon Lodge oferece experiência única no coração da selva

De um lado, a cidade, suas esquinas, seu passado e sua organização. De outro, a selva, cheia de segredos e encantos. Com a proximidade das férias de dezembro e janeiro, escolher Manaus como destino de viagem é unir o melhor desses dois mundos. A capital do Amazonas guarda um conjunto arquitetônico que reflete um dos períodos mais representativos da economia brasileira. E ainda é ponto de partida para uma jornada de descobertas pela floresta.

Heranças do Ciclo da Borracha, cujo o ápice se deu nos primeiros anos do século 20, edifícios como o Palácio Rio Negro, o Mercado Municipal e o Teatro Amazonas são até hoje pontos turísticos e símbolos da Paris dos Trópicos, como Manaus foi chamada durante sua urbanização moldada à francesa, ao gosto dos barões do látex. É também no coração desse Centro Histórico que está o Juma Ópera.

O mais novo hotel da capital amazonense resgata o esplendor de um edifício tombado pelo Patrimônio Histórico, erguido em meio ao período de prosperidade vivido pela cidade. Boa parte das linhas originais foi mantida pelo projeto arquitetônico, que procurou oferecer aos hóspedes visão desimpedida do vizinho mais ilustre: o Teatro Amazonas, cuja majestosa cúpula, composta por cerca de 36.000 peças esmaltadas, pode ser enxergada a partir da maioria dos quartos.

Áreas comuns também têm o teatro como pano de fundo, entre elas a academia, o restaurante — onde a chef Sofia Bendelak retoma a consagrada exploração dos produtos amazônicos em harmonia com técnicas e segredos da cozinha de vanguarda — e a piscina. Situada no rooftop, ela permite observar ao fundo a orla do Rio Negro.

O maior afluente da margem esquerda do Rio Amazonas é parte do caminho de quem segue rumo ao Juma Amazon Lodge, hotel de selva localizado a 100 quilômetros de Manaus. Na travessia que mescla trechos terrestres e fluviais, o hóspede passa pelo Encontro das Águas, famosa atração local, em que os rios Negro e Solimões se unem depois de correrem paralelamente por 6 quilômetros. O visitante pode perceber, de forma clara, a diferença de tonalidade e de temperatura entre eles.

Em uma área preservada de 7.000 hectares, o Juma Amazon Lodge foi construído sobre palafitas, respeitando método utilizado pela população ribeirinha da Amazônia ao construírem suas casas. Resguardados pelas copas das árvores, bangalôs e demais instalações ficam a 15 metros de altura, nível máximo atingido pelo rio no período da cheia.

Os dias de quem se hospeda no Juma Amazon Lodge são marcados pelo espírito de aventura. Em passeios pela mata e nas atividades de observação, crianças e adultos são estimulados a conhecer hábitos de animais e características da flora. Tudo na companhia de guias nativos, empenhados em revelar belezas e ensinar a preservar um dos mais importantes ecossistemas do mundo.

Da rica combinação entre selva e cidade, nasce uma viagem que exercita lições de história, de ciência e, principalmente, de cidadania.

Reservas e mais informações podem ser obtidas no site http://www.jumalodge.com.br/, telefone (92) 3232-2707 ou e.mail reservas@jumalodge.com.br.

Arquiteta e especialista comenta sobre a iluminação ideal para cada ambiente

Caroline Bahia, sócia fundadora da Contraste arquitetura, conta como definir a melhor luz para cada lugar e o que deve ser levado em consideração na hora de definir a temperatura da cor

Uma casa bem iluminada, torna-se um verdadeiro lar. A luz ideal consegue passar a sensação de amplitude e profundidade a um cômodo pequeno, além disso, também podem influenciar nos sentimentos. Para que não haja erro, a arquiteta Caroline Bahia da Contraste Arquitetura, com escritório localizado no centro de São Paulo, dá algumas dicas e curiosidades sobre.

Caroline afirma que para iniciar um projeto de iluminação, antes de ir escolhendo modelos de luminárias ou lâmpadas “é preciso saber qual atividade será realizada no ambiente. Estamos falando de uma clínica? Um salão de beleza? Uma loja? Uma sala de estar? É importante ter em mente qual a sensação que quer ter ao estar nesse local, ou seja, desejamos  um clima aconchegante ou mais sóbrio? Existe algum objeto que precisa ser destacado dos demais?”. Tendo essas questões definidas, já se sabe qual a temperatura da cor a ser usada: quente (amarela) ou fria (branca).

Caroline Bahia, sócia fundadora da Contraste arquitetura, dá dicas sobre iluminação. (Foto: Divulgação)

“Voltando ao exemplo de que se trata de uma clínica, temos que levar em conta que os profissionais que trabalham ali vão precisar enxergar vários detalhes. Sendo assim, a iluminação precisa ser bem clara e não pode criar sombras, nem pontos cegos ou escuros. Por esse motivo, o ideal é que a iluminação seja fria e sem pontos focais. Ela também precisa ser homogênea por toda a extensão dessa clínica”, explica Caroline. Porém, quando o assunto é residência, é possível diversificar entre a iluminação quente e fria. “As lâmpadas frias clareiam o ambiente como um todo, e assim, podemos ler um livro nessa sala sem que a vista fique cansada, já as lâmpadas quentes trazem o aconchego necessário que uma sala de estar precisa”, resume a especialista.

A temperatura da cor não está relacionada ao calor da lâmpada, mas sim a tonalidade de cor que ela irradia. Caroline explica: “Medimos em Kelvin (K) e, sendo assim, quanto mais alta a temperatura de cor, mais clara é a luz. Ou seja, uma lâmpada com 3500K é mais quente ou “amarelada” do que uma lâmpada com 5000K, que é mais fria ou “branca”. Essas temperaturas de cor das lâmpadas podem variar entre a cor mais quente = 2700K e a mais fria = 7000K”.

Levando tudo isso em consideração, dá pra ver que os arquitetos usam diversos métodos para calcular com maior precisão a quantidade de luz necessária para cada espaço.
“Por isso, também é preciso levar em conta a quantidade de horas que se permanecerá no local, assim como, tamanho e pé direito do espaço. Analisar o tipo de mobiliário e o fluxo de pessoas dentro desse ambiente também é fundamental”, finaliza Caroline.

Arquiteta Ieda Korman orienta sobre como usar pedras naturais na decoração e explica a diferença entre a matéria-prima e outros materiais

Revestimentos como o mármore e o granito unem praticidade, resistência e durabilidade em uma aparência única

As pedras naturais, como o mármore e o granito, são revestimentos capazes de unir praticidade, resistência e durabilidade a uma estética ímpar. Não por acaso, esses materiais são usados em pisos, paredes, bancadas e até móveis em diversos ambientes da casa. “A pedra natural é um elemento nobre, eterno e único, além de higiênico. Quando um bloco é fatiado, seus veios ou desenhos não serão repetidos em outro, o que significa que este acabamento nunca será igual em outra residência”, explica a arquiteta Ieda Korman, do escritório Korman Arquitetos.

Apesar de suas vantagens, muitas pessoas ficam em dúvida se vale a pena investir nas pedras para a decoração. Para ajudar na escolha, Ieda compartilha orientações e explica as principais diferenças entre as pedras e outros tipos de acabamentos. Confira:

Defina as necessidades do espaço

Living com piso de mármore Sivec. (Foto: Gui Morelli)

Pensar detalhadamente em como cada espaço da casa será usado é o primeiro passo para a seleção dos materiais. “Em acabamentos não há ganhos ou perdas, mas sim a necessidade de cada ambiente. Por exemplo, colocar mármore em uma parede de área de serviço será um desperdício. Já em uma sala de estar ou em um hall, a pedra será mais adequada, uma vez que seus veios e sua beleza proporcionam nobreza ao ambiente”, orienta a arquiteta. Por remeter a um décor mais sofisticado, também é importante pensar se o material combina com o conjunto.

Pedra x cerâmica – vantagens e desvantagens

O mármore Sivec usado no piso da área social se estende até o banheiro e o lavabo. No primeiro, o material reveste também as paredes e a banheira. Já no lavabo, o mármore Calacata compõe a parede com a bacia suspensa e a pia esculpida .(Foto: Gui Morelli)

A principal diferença entre a pedra e os revestimentos cerâmicos é simples: enquanto a primeira tem uma aparência única, a outra tem um padrão repetido industrialmente. Outra distinção se refere à paginação dos revestimentos. “A pedra pode ser paginada, isto é, pode ser cortada em tamanhos que se enquadrem corretamente no ambiente, como também a distribuição dos veios ser em sequência. Já a cerâmica não oferece essa possibilidade”, aponta Ieda. Entre as vantagens da cerâmica estão o custo mais baixo e a colocação mais rápida. O preço da pedra é mais alto e varia de acordo com a qualidade e a raridade do material, mas a manutenção é praticamente zero.

Pedra x efeito pedra no papel de parede

O escritório usou o granito Café Imperial na bancada da cozinha, uma vez que a pedra tem duas características fundamentais para essa superfície: pode ser usada em áreas molhadas e é resistente ao calor. (Foto: Gui Morelli)

Por ser um elemento com função decorativa, o papel de parede com características de pedra também pode ser colocado em ambientes nobres da casa, como hall de entrada, salas e quartos. Mas esse material sempre deve ser colocado em paredes que tenham massa corrida com pelo menos uma demão de tinta, além de seu uso ser aconselhado apenas em áreas internas que não tenham umidade. Já as pedras são instaladas em superfícies cimentadas com argamassa e podem compor projetos de áreas molhadas, como banheiros e cozinhas.

DUNELLI CASA LANÇA COLEÇÃO NATURE

Marca comemora 40 anos com coleção que celebra o design minimalista

Referência em design e inovação mobiliário, a Dunelli Casa da Al Gabriel Monteiro da Silva nº 1718, apresenta nova coleção intitulada Nature. O lançamento acontece a partir de 18 de agosto, durante a Design Weekend, maior semana de design da América Latina.

Os visitantes poderão apreciar os mais de 60 lançamentos, que exploram de forma equilibrada o minimalismo das linhas nas cores rochosas em tons naturais concretizando o puro design, onde a forma, limpa e simples, segue a função com máxima personalidade. O contraste com metais e uso de cerâmicas foram essenciais para compor o novo showroom. Linhos, boucles naturais e sedas fazem parte das escolhas que personalizam os ambientes e conferem aconchego.

(Foto: Divulgação)

Padrões orgânicos e metamórficos dos veios do granito, madeira e mármore resgatam a beleza nos itens e evocam um convite ao ócio com tecnologia sustentável e valorização de um produto 100% nacional.

Com projeto assinado por Patricia Hagobian e Luiz Whitehead, o showroom que conta com 30 ambientes em aproximados 800 m², recebe mobiliário assinado por: Ronald Sasson, Diogo Giacomo Tomazzi, Rejane Carvalho Leite,Mauricio Bonfim, Larissa Diegoli, Bruno Faucz, Ale Alvarenga, Ricardo Bardall e Daniela Ferro.

Serviço:

Instagram: @dunelli_

www.dunelli.com.br

Você sabe como aplicar o rose gold na decoração?

Arquitetas do escritório Dantas & Passos Arquitetura ensinam como aplicar a cor, mistura de rosa e acobreado, que ganhou destaque em móveis e objetos no décor

Assim como na moda, a decoração também lança tendências todos os anos. Algumas são passageiras, mas outras conquistam sucesso pela forma como se destacam nos projetos. É o caso do Rose Gold, uma delicada combinação entre o rosa e acobreado.

O tom é sinônimo de elegância e, bem utilizado nos ambientes, traz um toque contemporâneo. Entusiastas da cor, as arquitetas Danielle Dantas e Paula Passos, do escritório Dantas & Passos Arquitetura, reúne dicas e projetos que mostram a utilização do Rose Gold em diferentes espaços da casa. Inspire-se!

Na sala de estar projetada pelo escritório Dantas & Passos Arquitetura, o Rose ganhou a cena com a escolha para a mesa de centro (Foto: Maura Mello)

Paleta de cores

O Rose Gold é um tom que merece destaque e por isso, as profissionais recomendam trabalhar com tons mais neutros e evitar os mais vibrantes, que sobrecarregam e tiram o realce que ele merece. “Para evidenciar o Rose, em nossos projetos buscamos cores cleans, como branco, bege e nuances e cinzas. No contraponto, também fica perfeito se acompanhado por tons rosados, azul marinho ou outros mais fechados”, explica Paula Passos.

Onde pode ser usado?

Apesar de parecer mais usual na sala de estar, a cor também combina com a decoração de dormitórios, banheiro e pode até mesmo aparecer na cozinha.

Repleta de sutileza, o Rose Gold pode surgir em todos os ambientes da casa, já que a tonalidade cria facilmente pontos de evidência quando inserida em objetos decorativos e em móveis. “Sempre ressalto para os nossos clientes que a cor deve ser usada sem exagero e em pequenas pitadas. Na sala de estar ou jantar, podemos trazer o Rose no lustre, na mesa lateral ou de centro, molduras de quadros, espelhos e vasos, por exemplo. Já no caso de um lavabo, ele pode aparecer na papeleira ou em algum outro item decorativo”,indica Danielle Dantas. No quarto, o Rose pode estar presente em detalhes como o abajur, cabeceira ou no enxoval.

Elas ainda ressaltam que em projetos com metragem reduzida é importante dosar e aplicar o tom com parcimônia, pois em excesso o Rose pode deixar o ambiente pesado e confuso. “Se eu fosse indicar estilos decorativos que a cor mais se adequa, eu diria o escandinavo e minimalista”, finaliza Paula.

Loft: conforto, conexão e modernidade em um só ambiente

Projeto assinado pela 3P Studio fica localizado em Florianópolis

Ideias simples e funcionais tem caído no gosto de quem vive na correria da cidade grande. Para morar, o loft é um símbolo de modernidade, que reúne um estilo mais dinâmico, prático e descolado, sem dispensar o conforto. Em Florianópolis, um espaço de 37 metros quadrados foi transformado em um loft urbano, repleto de conforto e integração, através de recursos tecnológicos.

O projeto Loft 505, realizado pelo escritório de arquitetura e interiores 3P Studio, também de Florianópolis, transmite funcionalidade e integração em cada detalhe. De acordo com a arquiteta Aline Pires, um dos nomes à frente do projeto, ao lado das sócias Julia Prado e Natália Prates, o loft foi pensado para abrigar um casal e seus dois gatos. “A ideia desse projeto foi oferecer um ambiente para que, mesmo em um espaço reduzido, os moradores pudessem se sentir mais próximos, mais conectados”, disse Aline.

Loft é sinônima de modernidade. (Foto: Rafael Ribeiro)

Detalhes que fazem toda a diferença

Na área social, a geometria do projeto se destaca pela relação de dois blocos, um de madeira e o outro de cimento, que se formam a partir dos revestimentos que cobrem paredes, piso e teto. “O encontro desses blocos é marcado pela luz indireta e pelo revestimento hexagonal, que propõe uma desconstrução das linhas retas do projeto. Os blocos também auxiliam na setorização visual desses ambientes”, explica Julia Prado.

Sobre a cor, o azul Grécia destacado na porta de entrada e no painel que esconde o acesso ao banheiro contrasta e interrompe as cores sóbrias que predominam em todo o loft. O tom de azul especificado carrega uma memória afetiva desse casal viajante. Julia Prado explica que, como a tecnologia é muito presente na vida do casal, soluções como piso aquecido, Google Home, fechadura de acesso remoto e fita de LED com comando de voz foram incorporadas ao projeto.

Dormitório: o coração do projeto

A arquiteta Natália Prates destaca que no dormitório o espaço foi otimizado, integrando o criado mudo à parede com a criação de um nicho embutido. “O bloco de madeira volta nesse ambiente abraçando a cabeceira e os criados mudos, como uma forma desconstruída do bloco presente na cozinha. Duas grandes portas de espelho ampliam o ambiente e camuflam não apenas o roupeiro, mas também uma área de trabalho, que, por possuir rodízios, pode ser removida e descolada para outro espaço do quarto”, explica Natália. A bancada de home office ainda foi projetada para ter sua altura alterada e permitir que o cliente trabalhe em pé ou sentado na poltrona, que ocupa um charmoso canto na entrada do dormitório.

A integração do dormitório com a área social ocorre através de portas deslizantes em metal com vidro branco – para o dormitório – e espelho – para a cozinha. A mesma estética de esquadria foi utilizada na porta que dá acesso à área de serviço, mas desta vez com um vidro canelado para permitir a passagem de luz natural. A pequena área foi aproveitada com mobiliário projetado especificamente para cada utensílio que os clientes possuíam. O tanque em Corian branco contrasta com a marcenaria preta e se comunica com o revestimento hexagonal que se espalha pela parede, assim como na cozinha.

Conforto também para os pets

O loft também é o lar de dois gatos, fazendo o projeto ganhar detalhes pensados para eles. Como um quadro em tecido para arranhar as unhas e um banco na sacada que na verdade abriga a caixa de areia para suas necessidades. Nesse banco também foi projetada uma fonte, para que eles pudessem beber água fresca e corrente. Ainda na sacada, um jardim vertical possui vários temperos para deixar o ambiente aromatizado e vivo.

Sala de jantar recebe texturas e deixa cores de lado

Revestimento 3D ganha destaque e cria ambiente sofisticado

Desenvolver um projeto minimalista que garanta um cenário visualmente clean e expressivo, proporcionalmente, pode demandar alguns esboços em seu desenvolvimento. No entanto, para as arquitetas Andreia Hernandes e Pilar Hernandez da AHPH Arquitetura, a ausência de cores pode dar espaço a um trabalho de texturas bastante sofisticado.

Para a reforma da sala de jantar de um jovem casal, na faixa dos 30 anos, que reside em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, as profissionais levaram em consideração algumas observações feitas por eles. “Os clientes tinham receio de que cores fortes fossem trabalhadas e depois enjoassem do ambiente. Deste modo, nós optamos por explorar volumes e texturas para que o espaço se tornasse aconchegante e tivesse um movimento divertido”, revela Pilar.

Revestimento 3D é tendência para ambientes sofisticados. (Foto: Gustavo Awad)

Uma parede de 4,2m de comprimento e 2,5m de altura, recebeu grande destaque na reforma. O revestimento 3D Sense Abstract Mat com placas de 58cmx58cm, da Portinari, foi aplicado por toda a metragem e o resultado não poderia ser mais satisfatório. “Foi amor à primeira vista. O casal ficou deslumbrado pelo material e nós não pensamos duas vezes antes de usá-lo para realçar a superfície”, conta Andreia.

A proposta luminotécnica foi criada para que a parede fosse ainda mais valorizada. Para isso, spots led dicroica foram embutidos ao forro de gesso dando apoio a iluminação gerada pela luminária acima do centro da mesa. “Como neste projeto não trabalhamos com cores, acreditamos que formatos também são bem-vindos. Sendo assim, o pendente arredondado foi escolhido para criar uma composição harmoniosa junto aos móveis, como o espaldar das cadeiras que também tem este formato”, explica Pilar.

A mobília é peça importante na estruturação da sala de jantar e a definição de seus modelos deve ser feita com cautela. Quando bem usada, a madeira engrandece a decoração e, ainda sim, faz com que o ambiente permaneça neutro. Pensando nisso, os pés da mesa com tampo branco e as cadeiras no mesmo tom, receberam a matéria-prima em nuances mais claras. Já o aparador é completamente fabricado com o material. 

Por fim, duas cadeiras em acrílico foram posicionadas nas duas extremidades da mesa de jantar, visto que, além que garantirem um número extra de lugares, também permitem que o ambiente pareça mais aberto e ajudam a criar uma composição cheia de personalidade.

Mobilidade e um estilo de vida cool traduzem o viver em um studio

Conceito de morar está relacionado com modernidade, vida urbana e facilidades

Foi-se o tempo em que morar em studios era algo exclusivo para os jovens que estavam saindo de casa. Atualmente, a opção por viver em espaços menores, inteligentes e planejados traduzem a vontade de pessoas que buscam conforto, mobilidade e um estilo de vida cool. O conceito de morar se adaptou nos últimos anos e as construtoras estão entregando projetos conectados com uma vida urbana, moderna e repleta de facilidades e serviços básicos no entorno dos empreendimentos.

Um exemplo é o All You Need, incorporação GT Invest com construção Thá, em Curitiba. O prédio, que será entregue este ano, fica no coração da cidade e terá café, coworking e serviços que poderão ser contratados a partir de um app, além de preservar e revitalizar um casarão histórico e contar com unidades preparadas para a economia compartilhada do Airbnb, por exemplo.

Studio permite mobilidade. (Foto: Divulgação)

Bruno Pardo, coordenador comercial da Thá, explica que o foi concebido para quem quer morar de forma inteligente, viver com mais simplicidade e praticidade, mas sem abrir mão do conforto e das conveniências de um grande centro urbano. “O prédio foi pensado e desenvolvido para as smartcities. O All You Need será entregue com conectividade completa, que vai atender os apartamentos e áreas comuns, que ainda terão o compartilhamento como palavra-chave para sua utilização”, afirma.

Mobilidade

“Para as pessoas que adotam esse estilo de vida, ter tempo é um luxo. Para elas, a solução é morar perto do trabalho ou dos estudos. Como não é possível trazer o escritório para perto de casa, é muito mais fácil levar a casa para perto do trabalho. Mas como morar perto da região central, se há pouco espaço e raros terrenos vagos? A resposta é simples: investir em apartamentos compactos”, diz.

Compartilhamento

O espírito de compartilhamento traduz o desejo de ser ao invés de ter das gerações que nasceram nas últimas três décadas – e grande parte das pessoas que optam por morar num studio. Por isso, a mudança de comportamento é refletida em projetos desenvolvidos com esse DNA.

Bruno comenta que a tendência passou a ser uma necessidade nos projetos direcionados para os millenials. “No All You Need, por exemplo, os moradores terão estações com bicicletas para alugar, espaço para empréstimo de ferramentas e utensílios domésticos e áreas para trabalhar e se divertir. As pessoas que optam por esse estilo de vida preferem o ser à ter que comprar e armazenar algo. Compartilhar faz parte da essência”, comenta.

Conectividade

Moradores que optam por um estilo de vida urbano esperam que o lugar em que vivem acompanhe a sua rotina. E ela pode – e costuma – envolver o uso de tecnologia para facilitar a vida no cotidiano de quem mora em empreendimentos modernos.

“Haverá um aplicativo que conectará os usuários ao empreendimento, trará funcionalidades como reserva de áreas comuns, contratação de serviços, avisos de correspondência, acesso às contas do condomínio e boletos. Além disso, serviços pay-per-use, como arrumação, limpeza, manutenção e lavanderia. E a possibilidade de comprar algo nas maquinas de self-service que serão instaladas no prédio”, diz Rodolfo.

6 suítes incríveis para se inspirar

O quarto precisa ser o ambiente mais aconchegante da casa, já que é nele que descansamos e recarregamos as energias. Também precisa ser funcional para facilitar a nossa vida. Por isso é tão importante contar com apoio profissional definir os móveis, sua disposição e até os itens decorativos. Conheça seis projetos inspiradores de suítes para diversas idades e perfis.

01 – Suíte do Rapaz

(Foto: Divulgação)

Engana-se quem pensa que os homens não se importam com decoração. Eles podem até ser mais exigentes que as mulheres quando se trata do próprio “refúgio” dentro de casa. Para eles, unir personalidade com praticidade e conforto é fundamental. A arquiteta Viviane Loyola utilizou elementos naturais, móveis sob medida e mobiliário contemporâneo para um espaço completo, com área de descanso, estudo, closet e banho. O mix de sensações começa com a combinação entre o calor dos painéis MDF e a imponência do mármore Gris Navagio, que revestem as paredes. Com layout limpo e totalmente integrado, Viviane traz jovialidade sem perder a elegância, pontuada pelo mobiliário da Artefacto e a escolha refinada dos revestimentos. Espetáculo à parte, o mobiliário planejado da S.C.A. traz sistema de trilho embutido no forro, o que confere um visual mais clean e sofisticado. Além disso, as portas em vidro refletente do closet são realçadas pelo projeto luminotécnico. As prateleiras em ferro com cachepô suspenso dão um toque industrial contemporâneo, contrastando com o painel ripado em marcenaria com iluminação embutida e forro também revestido em madeira.

02- Suíte Master do Casal

(Foto: Divulgação)

Um ambiente confortável e sofisticado, voltado para casais que prezam por qualidade e bons momentos. Essa é a proposta do arquiteto André Bertoluci em um espaço com 80m2, que surpreende com a integração entre home office, cinema e suíte. O espaço reflete um novo jeito de morar e se expressar onde as atividades entre os casais são compartilhadas. A entrada de todo o espaço é feito em laca acetinada Todeschini Batel, mesmo material usado nas laterais da cama king size. Para tornar a integração uma realidade, Bertoluci lançou mão de um projeto de automação que oferece sistema integrado, com tela de projeção e projetor de alta definição, módulos controladores que criam cenários de iluminação e total controle de áudio, vídeo e persianas. A criação de uma área de hobby x home office permite que a suíte tenha múltiplas funções: descansar, relaxar ou trabalhar.

Todo o mobiliário solto é Artefacto. Na área de vestir, outras inovações. Bertoluci optou por uma sala de banho integrada ao closet. O jardim vertical instalado como parede verde é feito de diferentes musgos e  emolduram a pia.

03 – Suíte Romântica

O projeto assinado por Gisele Busmayer e Carolina Reis reúne quarto, home office e sala de TV em um único espaço. A paleta de cores no cobre, rosa e menta exalam romantismo e uma certa ousadia, características de uma mulher cheia de personalidade. As formas orgânicas do mobiliário Artefacto representam essa personalidade versus fragilidade. A cama Nouveau no tom Blue Ice dá um ar fresco e representa serenidade. Já o sofá Illi e as telas evocam delicadeza e sensibilidade.

04 – Suíte das Artes

(Foto: Divulgação)

A Suíte Master de Ivan Wodzinsky é contemporânea e, ao mesmo tempo, cheia de referências dos anos 80. São 87m² pensados para um casal moderno e apreciador das artes. Tons neutros ditam a base do projeto, que ganhou revestimentos sóbrios e mobiliário Artefacto. Um dos destaques é a cabeceira Piet King, com abas estofadas, estrutura em aço inox gold e tapeçaria em veludo Ponzio grafite. Suas abas articuláveis servem de fundo para os criados Bergé em aço inox gold e acabamento highgloss Blanc. Em frente às obras de arte da Artefacto Art Collection de Sérgio Gonçalves, está a composição de estantes Tournai. Uma grande coleção de quadros e fotografias, cuidadosamente selecionados e combinados, cobre a parede adjacente da suíte. Com materiais refinados,madeira e mármore a sala de banho ganha imponência e muita personalidade. Mantendo a originalidade e preservando a maximização do espaço, vigas e colunas continuam aparentes,enquanto móveis, texturas e adornos transformam a suíte em uma verdadeira experiência sensorial.

05 – Suíte da moça

Com generosos 77m², essa suíte de Marcelo Lopes é inspirada na delicadeza e sofisticação de cada detalhe da personalidade feminina. A leveza do décor revela um espaço autêntico, repleto de peculiaridades que promovem o despertar dos sentidos por meio das formas, texturas e cores dos materiais e revestimentos. Além de todo o cuidado no planejamento estético, a suíte atende às necessidades do dia a dia, separando o espaço de descanso, estudo e higiene. As lâminas em madeira natural que forram as paredes e o perfil metálico que cobre o teto deixam o espaço acolhedor. No mobiliário Artefacto, o arquiteto usou cores que remetem a personalidade da jovem como o sofá Illi em Veludo Ponzio Blush e a delicada cabeceira Piet Palha com abas. Elas acolhem os criados Emmy em fino acabamento high gloss Blanc e metais rose. A suíte transpira jovialidade e sofisticação. 

06 – Suíte para avós

Nada de velhinhos assistindo TV ou fazendo tricot. Essa suíte foi feita para uma nova geração de avós, conectada à tecnologia e à agilidade. O projeto da arquiteta Gabriela Casagrande tem como objetivo proporcionar sofisticação e bem estar, ao lançar mão de materiais naturais, e, claro, de praticidade. O uso de cores claras e texturas com toque suave, como o linho, torna o espaço mais acolhedor. O couro, os painéis em marcenaria, o piso de madeira e o mármore Paraná deixam o espaço requintado. A iluminação indireta foi escolhida para deixar o quarto mais aconchegante, e o mobiliário da Artefacto, assim como o painel atrás da cama, desenvolvido especialmente para a suíte, ressaltam a aura do ambiente. A suíte é totalmente automatizada, incluindo iluminação, televisão e cortina, controlados por smartphone.